Arquivos

Cientistas encontram evidências de uma enorme reserva de água no centro da Terra

aguarocha2

Pesquisador com a amostra obtida em solo brasileiro (Foto: divulgação – Universidade de Alberta, Richard Siemens).

Uma pesquisa publicada na Nature sugere que a Terra tem uma reserva secreta de água. De acordo com cientistas da Universidade de Alberta, no Canadá, a descoberta de um mineral raro, que nunca foi encontrado em estado natural antes, indica que há enormes quantidades de água dentro do manto terrestre – em um local chamado de “zona de transição”, localizado entre a camada inferior e superior do manto.

As conclusões vieram após o estudo de um mineral de apenas 3 milímetros e 0,09 gramas encontrado em 2008, na cidade de Juína, no Mato Grosso. Um pequeno ponto da amostra revelou ser feita de ringwoodite, a rocha é uma espécie rara de olivina, que havia sido obtida anteriormente apenas em meteoritos. Desde a sua descoberta em solo brasileiro, a amostra estava passando por análises que determinaram que ele era, sim, proveniente da Terra e não do espaço.

aguarocha

Um close na amostra (Foto: divulgação – Universidade de Alberta, Richard Siemens).

Os pesquisadores afirmam que essa rocha é capaz de conter água. Como ela, provavelmente, foi expelida para a superfície por atividade vulcânica, seria um indicativo de que o interior da Terra teria reservas maiores dessa rocha – e, consequentemente, de água. No entanto, vale notar que a água não estaria em estado líquido e, sim, seria contida nesse mineral.

Mas se não podemos consumir (pelo menos não imediatamente) a água, qual seria a vantagem da descoberta? Basicamente, seria possível entender melhor o funcionamento do planeta e de suas placas tectônicas, levando em consideração que há água em seu interior. “A presença de água em seu interior muda profundamente a nossa compreensão do planeta”, declarou o cientista Graham Pearson, que conduziu a pesquisa.

Fonte: Revista Galileu

Mais uma descoberta da ciência que vai ao encontro do que a Bíblia nos ensina:

“E depois dos sete dias, as águas do Dilúvio vieram sobre a terra. No dia em que Noé completou seiscentos anos, um mês e dezessete dias, nesse mesmo dia todas as fontes das grandes profundezas jorraram, e as comportas do céu se abriram” (Gênesis 7:10-11).

1- Mateus

Especialidade de Araras, papagaios e periquitos: aprendendo a pesquisar

PsitacídeosO Brasil é considerado um dos países mais ricos em biodiversidade, sendo atualmente o 3º país em diversidade de aves, com cerca de 1700 espécies. A ordem Psittaciforme, da qual as araras, papagaios e periquitos fazem parte, é constituída por 332 espécies, das quais 72 ocorrem no Brasil. O Brasil é considerado o país mais rico em representantes da família Psittacidae, tendo sido denominado nos primeiros mapas como Terra dos Papagaios (Brasilia sive terra papagallorum). Das 72 espécies encontradas no Brasil, 14 estão ameaçadas de extinção, 1 é considerada extinta na natureza e um já está extinta. Os objetivos desta especialidade são desenvolver no desbravador o amor à criação de Deus por meio do conhecimento destes exemplares dos mais impressionantes da avifauna tropical e saber como é possível criar esses animais em conformidade com a legislação, desenvolvendo noções de cidadania e cuidado com os animais.

Veja aqui os requisitos para você aprender mais sobre este fascinante grupo de aves e concluir esta especialidade.

  1. EN-Araras_Papagaios_e_PeriquitosAs araras, os papagaios e os periquitos pertencem a qual ordem e qual família de aves? Quais são as principais características que diferenciam esta ordem dos outros pássaros.
  2. Dar o nome de 15 espécies de araras, papagaios e periquitos comuns em seu país e ser capaz de identificá-los ao ar livre, em cativeiro ou em fotos.
  3. Onde as araras, os papagaios e os periquitos constroem seus ninhos?
  4. Quais são as características destas aves chamam atenção e os tornam bons animais de estimação? Quais aves deste grupo são as mais criadas em seu país?
  5. Quais são as maiores ameaças enfrentadas pelas araras, papagaios e periquitos? Cite quatro espécies que estão ameaçadas de extinção?
  6. Escolher uma espécie entre as ameaçadas de extinção e dizer:
    1. Nome popular e nome científico;
    2. Habitat e distribuição geográfica;
    3. Alimentação;
    4. Principais ameaças;
    5. Estratégias de conservação.
  7. Escolher uma espécie não ameaçada de extinção e dizer:
    1. Nome popular e nome científico;
    2. Habitat e distribuição geográfica;
    3. Alimentação.
  8. Quais espécies estão representadas na insígnia desta especialidade?
  9. Onde é possível adquirir uma arara, um papagaio ou periquito com origem legal? Por que não se recomenda comprar animais que não tenham origem legal?

Logo abaixo estão as alguns sites com informações confiáveis que podem ajudar no estudo desta especialidade.

Caso você tenham dúvidas ou indicação de fonte, nos deixe um comentário ou envie um e-mail.

1- Mateus

Os magníficos pombos de Darwin

[Comentários entre colchetes e grifos são meus.]

Charles Darwin viu a [micro]evolução nos pombos. O princípio-chave da teoria da evolução de Charles Darwin é a seleção natural, isto é, a modificação de seres vivos ao longo de inúmeras gerações de acordo com a capacidade de se adaptar ao seu ambiente. Uma gazela lenta é devorada pelo leão que, ao matá-la, não permite que seus genes “lentos” passem adiante. Apenas as gazelas mais rápidas conseguem se reproduzir e as mais lentas são extintas. O mesmo ocorre com leões lentos e fracos: não conseguem propagar seus genes.

Em busca de confirmações Darwin compreendeu que a seleção artificial funciona de maneira semelhante, mas ao invés das características serem escolhidas naturalmente pela capacidade do animal sobreviver e se reproduzir são escolhidas por humanos que querem ver animais exóticos, com aparências curiosas. Darwin juntou-se ao clube de criadores de pombas da região onde morava, era o único nobre a participar da atividade. Mas obviamente não se interessava especialmente em pombos bonitos, mas nas evidências que a seleção artificial poderia agregar a sua teoria.

Junto com os criadores aprendeu que em algumas gerações um criador de pombos poderia selecionar qualquer característica física que desejasse: um bico curto ou pescoço longo ou penas encaracoladas. Basta reproduzir aves que exibem a característica desejada com outra semelhante, sempre selecionando os filhotes que tivessem estas características mais acentuadas. Repetindo o processo durante algumas gerações é possível chegar a resultados encantadores como os que você vê a aqui.

[tribulant_slideshow post_id=”4649″]

Darwin dissecou centenas, senão milhares destes pombos para explorar os processos por trás da seleção natural. Durante sua viagem ao redor do mundo ele conseguiu observar claramente que as espécies se modificam, mas não conseguia explicar como. Então ele usou as pombas para experimentar como as características podem ser herdadas pelas gerações seguintes e como os criadores usavam isto para manipular as espécies ao longo do tempo.

É incrível observar como todos estes pombos são, em realidade, variações de uma única espécie de pombo doméstico. Transportando essa noção para a seleção natural, ao longo de tempo e gerações suficientes é fácil de entender como uma espécie se transforma em outra de maneira muito gradual e lentamente [o difícil é aceitar como fato uma extrapolação como essa sem nenhuma comprovação]. A diferença é que na seleção natural é o ambiente que seleciona as características físicas.

É a velha piada darwiniana que todos conhecemos: quando você está passeando pelo zoológico com um amigo e um urso foge vocês começam a correr. Seu amigo diz: “nós não conseguimos correr mais rápido do que um urso” e você responde que não precisa ser mais rápido do que o urso, mas apenas mais rápido do que seu amigo. Se o seu amigo tem alguma característica indesejada para este ambiente, como obesidade, por exemplo, a tendência é que suas características desapareçam do acervo genético. Do contrário pode ser você que vire lanche de urso.

Estas fotos são do britânico Richard Bailey e retratam animais criados especialmente para exposições, feiras e exibições.

Fonte: Hypescience

O que Darwin observou nos pombos, tal qual ele observou nos tentilhões, são evidências que dão suporte à seleção natural, que é um fato. Mas a comprovação da seleção natural não implica em comprovação da macroevolução, só confirma que ocorre microevolução, ou “diversificação de baixo nível”, como define o biólogo James Gibson. Microevolução não é macroevolução. Assim como os tentilhões não se transformaram em outro tipo de ave, assim como os pombos domésticos de Darwin, por mais exóticos que tenham se tornado, continuam sendo pombos domésticos, ainda por cima da mesma espécie.

1- Mateus

Especialidade de Animais peçonhentos

Animais peçonhentos

Existem muitos mitos e preconceitos envolvendo os animais peçonhentos. Nesta especialidade você vai conhecer mais sobre esse grupo tão diferente. Saber quem são eles, qual é a sua importância, porque são perigosos, como se prevenir de acidentes envolvendo-os, o que fazer caso você ou alguém sofra um acidente, o que é soroterapia e quais são os soros utilizados pra cada tipo de acidente. E vai conhecer situações em que esses animais aparecem na Bíblia. Uma informação muito importante para todos do Clube, não só para os que querem fazer essa especialidade, é saber qual é o hospital mais próximo da sua casa ou da região onde vai acampar ou fazer trilha. Essa informação pode ser encontrada no seguinte site: http://www.cevap.org.br/Cont_Default.aspx?cont=hospi. Basta escolher seu Estado, que o site disponibiliza uma lista dos hospitais de referência e unidades de aplicação de antiveneno, contendo endereço e telefone, assim você pode entrar em caso de acidente e confirmar se pode levar a vítima pra lá.

  1. O que são animais peçonhentos?EN-Animais Peçonhentos
  2. Descobrir a quantidade de acidentes causados por animais peçonhentos em seu país ou região no último ano (caso esse dado não esteja disponível, pegar o último ano disponível).
  3. Escolher e apresentar as seguintes características de 2 animais peçonhentos:
    1. Habitat
    2. Alimentação
    3. Danos causados aos seres humanos
    4. Forma de prevenção
  4. Citar, pelo menos, três animais peçonhentos em cada uma das Classes abaixo:
    1. Répteis
    2. Insetos
    3. Aracnídeos
  5. Saber como os animais peçonhentos são importantes para o equilíbrio do ecossistema.
  6. Aprender 4 maneiras de se proteger contra animais peçonhentos que são encontrados em casas, empresas ou acampamentos
  7. Os animais peçonhentos geralmente atacam por maldade ou por defesa?
  8. Aprender os primeiros socorros que devem ser prestados às vítimas de picadas de animais peçonhentos.
  9. O que é soroterapia?
  10. Saber para qual picada de animal serve cada tipo de soro abaixo:
    1. Antibotrópico
    2. Anticrotálico
    3. Antibotrópico-laquético
    4. Antielapídico
    5. Antiaracnídico
    6. Antiescorpiônico
    7. Antilonomia
  11. Realizar, pelo menos, 1 das atividades abaixo:
    1. Visitar um zoológico ou local de pesquisa em que você possa observar animais peçonhentos e apresentar um relatório.
    2. Com a orientação do seu líder, identificar, no mínimo, 10 animais peçonhentos e apresentar uma relação com: nome científico, nome popular, foto e local de origem.
  12. Descobrir, no mínimo, 2 animais peçonhentos citados na Bíblia.

Aqui está um material de apoio para a instrução da especialidade de Animais peçonhentos, preparado pelo Cantinho da Unidade.

Caso queira fazer o download, clique aqui.

E logo abaixo estão as alguns sites na internet com informações confiáveis utilizados na preparação do do material de apoio e que podem ser utilizados no aprofundamento do estudo desta especialidade.

Caso você tenham dúvidas ou indicação de fonte, nos deixe um comentário ou envie um e-mail.

1- Mateus

Lagartos-de-chifres espirram sangue nos olhos como defesa contra predadores

Lagarto de chifres usa o sangue como defesa – Foto Reprodução do vídeo de Nat Geo Wild (veja no final do post)

Lagarto de chifres usa o sangue como defesa – Foto: Reprodução do vídeo de Nat Geo Wild (veja no final do post)

Se algum dia você encontrar um lagarto do gênero Phrynosoma, tome cuidado! O bicho tem sangue nos olhos! Conhecidos como horned lizards (lagartos de chifres na tradução literal do inglês) algumas espécies conseguem esguichar o próprio sangue pelos olhos e acertar qualquer coisa que tente ameaçá-los.

Formigas constituem o prato principal dos lagartos de chifres, e os animais precisam de mais ou menos 200 insetos para saciar o apetite. Consumir essa quantidade demanda esforço e tempo. Ele tem que ficar exposto em campo aberto por um longo período para pegar suas presas. Suas cores pasteis o ajudam a se camuflar nas areias dos deserto, seu habitat natural, mas ele precisa se movimentar em busca do alimento, o que denuncia a sua presença. Porém, existe uma segunda linha de defesa contra predadores.

Os lagartos de chifres receberam seu nome devido às escamas em forma de espinhos que possuem. Eles podem perfurar o estômago de cobras, que precisam engolir o alimento inteiro. Mas a armadura não é impenetrável, a barriga do lagarto é mole e pode ser cortada por dentes ou bicos afiados.

No entanto, alguns agressores não são intimidados facilmente – seus maiores predadores são coiotes, raposas e cães domésticos –, os lagartos inflam o corpo para parecerem maiores e começam a sibilar. Se isso não for suficiente entra em ação a arma secreta: eles aumentam a pressão sanguínea na cabeça, rompem os vasos ao redor do globo ocular e esguicham o próprio sangue pelos olhos na direção da boca do predador.

Lagartos do gênero Phrynosoma são conhecidos como horned lizard (lagarto de chifres na tradução literal do inglês). Foto - Tom Tietz-iStock-Thinkstock

Lagartos do gênero Phrynosoma são conhecidos como horned lizard (lagarto de chifres na tradução literal do inglês). Foto: Tom Tietz/iStock/Thinkstock

O sangue possui uma substância que não é agradável ao paladar de canídeos, que preferem procurar por uma refeição mais saborosa.

Veja o vídeo que mostra o processo:

Fontes: National Geographic Brasil

Nesse sistema, todas as engrenagens (sangue com substância com gosto desagradável + aumento da pressão sanguínea rompendo vasos no lugar certo + pontaria certeira) teriam que funcionar bem desde a primeira vez, caso contrário o primeiro lagarto-de-chifre que tentasse não teria vivido pra contar história. Parece mais provável esses fatores acontecerem ao mesmo tempo por serem projetados assim ou por um processo lento e gradual? Eu escolho a primeira alternativa.

1- Mateus

Grand Canyon não é tão antigo quanto se pensava, diz estudo

Toroweap PointO Grand Canyon é mais jovem do que se pensava: ele só tem entre 5 e 6 milhões de anos, de acordo com um estudo publicado esta semana na revista “Nature Geoscience”. Estimativas anteriores chegaram a estabelecer que o cânion, que fica no sudoeste dos Estados Unidos, havia se formado há 70 milhões de anos.

Segundo o pesquisador Karl Karlstrom, da Universidade do Novo México, o estudo demonstra que existem alguns segmentos de rocha mais antigos ao longo do Grand Canyon, mas que a formação como a conhecemos hoje é recente.

“O que é diferente aqui, eu acho, é que nós finalmente temos uma descrição do Grand Canyon que faz juz a todos os dados coletados”, disse Karlston à BBC.

O cânion tem um comprimento de 450 quilômetros e uma profundidade de 1.800 metros. Cerca de 5 milhões de turistas visitam o local a cada ano. Toda essa vastidão é um dos desafios para pesquisadores que estudam o local, já que é preciso coletar material de vários pontos da formação.

Nesse estudo, os cientistas usaram o método de termocronologia para obter a datação. A técnica permite descobrir a época em que as rochas foram trazidas à superfície da terra devido à remoção das camadas de rocha mais superficiais pela erosão.

A medida foi feita em quatro segmentos ao longo do cânion. Apesar de os pesquisadores terem encontrado alguns segmentos mais antigos, a conclusão é de que o Grand Canyon tornou-se o gigante que conhecemos hoje quando todos os segmentos menores de cânion  se uniram devido à eroção do Rio Colorado, o que ocorreu em um período mais recente.

Fonte: G1 – Ciência e Saúde

54 – 55 milhões de anos é uma grande diferença entre dois métodos de datação. Nada garante que daqui algum tempo esse método seja considerado ultrapassado, inadequado ou incorreto e uma nova “idade” para o Grand Canyon seja estabelecida. Quem sabe no futuro se admita que o formador desse cânion não foi o rio Colorado ou um “rio ancestral”, mas uma grande catástrofe hídrica?

1- Mateus

Concha de moluscos inspira a criação de vidro super-resistente

bioinspired_glassIntrigados com a dureza das conchas dos moluscos, que são compostas de minerais frágeis, porém são muito resistentes, engenheiros encontraram inspiração em sua estrutura para produzir um vidro 200 vezes mais forte do que uma vidraça padrão.

Segundo estudo publicado nesta terça-feira (28) na revista Nature Communications, ao contrário do que se possa pensar, o vidro é fortalecido com a introdução de uma rede de fendas microscópicas.

Uma equipe de cientistas da Universidade McGill, em Montreal, inciou suas pesquisas com um estudo detalhado sobre materiais naturais como as conchas dos moluscos, ossos e unhas, que são assombrosamente resilientes apesar de feitas de minerais frágeis.

O segredo consiste no fato de que os minerais se encaixam em uma unidade maior e mais forte. A junção significa que a concha contém minúsculas ranhuras denominadas interfaces. Externamente, isto pode parecer uma fraqueza, mas na prática é um defletor habilidoso da pressão externa.

Para dar um exemplo, a concha interna e brilhante de alguns moluscos, conhecida como nácar ou madrepérola, é cerca de 3 mil vezes mais dura do que os minerais de que é feita.

“Fazer um material mais duro introduzindo interfaces fracas pode parecer um contrassenso, mas parece ser uma estratégia universal e poderosa em materiais naturais”, destacou o artigo.

Usando o que aprendeu, a equipe utilizou um laser tridimensional para esculpir fissuras microscópicas em lâminas de vidro, as preencheram com um polímero e descobriram que isso a deixou 200 vezes mais dura.

O vidro seria capaz de absorver melhor os impactos, cedendo e curvando-se suavemente em vez de se estilhaçar.

“Um recipiente feito de vidro padrão quebraria e se estilhaçaria se o deixassem cair no chão. Ao contrário, se feito com nosso vidro bio-inspirado, ele tem a possibilidade de se deformar um pouco, sem se quebrar completamente”, disse à AFP François Barthelat, co-autor do estudo.

“O recipiente poderia, assim, ser usado novamente após uma ou algumas quedas”, prosseguiu. O vidro entalhado pode “se esticar” quase 5% antes de trincar, em comparação com uma capacidade de apenas 0,1% do vidro padrão.

Um vidro mais forte pode ser usado em janelas à prova de bala, óculos e até mesmo telas de smartphones.

O vidro é funcional por causa de sua transparência, dureza, resistência a produtos químicos e durabilidade, mas a principal desvantagem é sua fragilidade. O novo método para lidar com esta fraqueza é “muito econômico”, segundo Barthelat.

“Tudo o que se precisa é um feixe de laser pulsado, que pode ser direcionado precisamente para alguns pontos pré-determinados”, prosseguiu. “Nossa técnica de entalhamento com laser 3D pode facilmente ser aumentada e aplicada em componentes maiores e mais espessos, de formatos diferentes”, continuou.

Tentativas anteriores de copiar a estrutura robusta das conchas do molusco tinham se concentrado em criar novos materiais, ao juntar minúsculos “blocos de montar”, como a construção de um muro microscópico.

“Nossa ideia foi atacar o problema de um novo ângulo: começar com um bloco maior de material sem microestrutura inicial e esculpir interfaces mais frágeis nele”, disse Barthelat.

Fonte: G1 Ciência e Saúde

Os avanços tecnológicos precisam de alguém por trás, demandam tempo e dinheiro, quase sempre se utilizam de um modelo existente na natureza. Mas os pesquisadores continuam afirmando que esses modelos, que são muito superiores aos materiais desenvolvidos com bastante trabalho, surgiram sem que haja um Projetista por trás.

1- Mateus

Especialidade de Arbustos: aprendendo a pesquisar

O/4/172 Nerium oleanderNesta especialidade você vai conhecer mais sobre os arbustos, o que eles são, como são diferentes das árvores e das ervas, para que eles servem. Você sabia que a videira também pode ser considerada um arbusto? Em quais arbustos é mais fácil encontrar ninhos de pássaros? E quais eles preferem para se alimentar? A resposta para essas e para outras curiosidades você vai aprender fazendo esta especialidade.
Além disso, você vai ter uma coleção de pelo menos 10 arbustos da sua região, preservados e identificados corretamente!

  1. Descobrir a definição de arbusto e saber onde os arbustos são mais utilizados.EN-Arbustos
  2. Dizer 3 características dos arbustos que os distinguem das árvores e ervas.
  3. Por que uma parreira, às vezes, é considerada um arbusto?
  4. Dar o nome de um arbusto que produz castanhas comestíveis.
  5. Mencionar 2 arbustos cultivados e 2 silvestres de sua localidade, que produzam flores vistosas.
  6. Em que estação do ano floresce a maioria dos arbustos? Dar o nome de um arbusto que floresce antes das folhas aparecerem.
  7. Que arbusto parasita, muito usado para decoração de interiores, cresce nos galhos mais altos de diferentes tipos de árvores?
  8. De que arbusto os pássaros preferem comer as frutas ou sementes? Mencionar um arbusto cuja flor atraia os pássaros.
  9. Em que arbustos os pássaros preferem construir seus ninhos?
  10. Reunir, preservar e identificar corretamente as flores, folhas, sementes, vagem de sementes ou ramos com botões de 10 arbustos silvestres.

Logo abaixo estão as alguns sites com informações confiáveis que podem ajudar no estudo desta especialidade.

Caso você tenha alguma indicação de fonte, nos mande um e-mail ou deixe um comentário.

1- Mateus

Regras para uma caminhada

Escape - trekking

As caminhadas ao ar livre estão entre as atividades mais divertidas feitas no Clube de Desbravadores.

Mas  pra que essas caminhadas sejam o mais prazerosas possível, precisamos observar algumas coisas, tanto na organização/preparação da caminhada quanto durante ela. Não prestar a devida atenção a alguns desses pontos podem tornam a caminhada mais desgastante, menos divertida, até mesmo num desastre.

O primeiro post que recomendamos a leitura para quem vai organizar a caminhada é das Dicas para caminhar com crianças, que apresenta dicas e sugestões para que as crianças tenham mais prazer em fazer caminhadas, aprendam a interagir com a natureza e queiram muito mais. Esse post também apresenta sugestões de equipamentos necessários para uma caminhada. Quais deles você realmente vai levar vai depender do tipo de caminhada que você quer fazer.

No post Caminhada com pernoite, para a classe de Excursionista, temos algumas dicas importantes para quem está organizando a caminhada, bem como orientações interessantes para o cumprimento do requisito de Excursionista. Uma recomendação deste post que é válida para todas as caminhadas é a seguinte:

Tudo o que for ser usado na caminhada precisa estar na mochila. Ainda que tenha um carro de suporte acompanhado o grupo, o ideal é que não carregue nada de ninguém, a não ser itens de primeiros socorros e reserva de água e alimentos“.

O post Os 10 erros mais frequentes dos excursionistas apresenta alguns pontos práticos que devem ser observados antes da caminhada e durante ela. Os pontos anteriores à caminhada são o vestuário e o calçado, que se não forem escolhidos adequadamente podem trazer prejuízos à atividade. E os pontos que devem ser observados durante a caminhada (mas é interessante passá-los anteriormente para quem vai caminhar) são tamanho da passada, forma da pisada, posicionamento dos braços, cotovelo e cabeça, postura, hidratação e frequência com que se pratica caminhada.

Trilha da Capivara

Todos os direitos reservados a Brasília faz 50 anos.

Pesquisando recentemente, encontrei no site Webventure um bom texto com dicas essenciais ao sucesso da sua caminhada. Segue abaixo o texto Regras para a caminhada na mata não virar pesadelo.

“Polícia resgata grupo na selva”; “Salvos pelo celular”; “Grupo passa a noite perdido na mata”. Essas manchetes já estão virando rotina quando você abre o jornal ou liga a TV, geralmente depois de um fim de semana. No domingo passado, foi a vez de um grupo de crianças e adolescentes com idade entre 7 a 17 anos se embrenhar na Serra da Cantareira, se perder e mobilizar a polícia para o resgate concluído um dia depois.

Felizmente, nada aconteceu ao grupo e eles acabaram rindo da “aventura” vivida, do medo de serem picados por uma cobra e do improviso de dormir sobre folhas e se alimentar de “coquinhos”… Por outro lado, 70 homens contando entre bombeiros, polícia militar e mateiros foram destacados para trazer a turma de volta à civilização e à segurança.

“Essas situações de pessoas perdidas na mata são cada vez mais freqüentes”, admite o tenente Valdir Pavão, bombeiro especialista em resgate. “É normal que a incidência cresça porque a prática de atividades outdoor está vivendo um boom. Mas muitos dos que se aventuram estão despreparados. As situações em que se envolvem são totalmente previsíveis, um planejamento básico evitaria tudo isso”.

Webventure traz quais são as regras básicas, contando com as dicas de Pavão, que podem evitar que uma simples caminhada numa tarde se transforme em pesadelo. Veja quais são:

  1. Conhecimento
    •  Nunca faça uma caminhada sem conhecer muito bem a região – e não vá além do trecho que conhece! Caso não esteja familiarizado com o local, vá acompanhado de um guia. Em ambos os casos ande apenas pela trilha, inclusive para evitar degradar o local. E escolha uma caminhada compatível com seu preparo físico.
  2. O clima
    • Esteja atento à previsão do tempo para aquele dia e de qualquer forma leve um agasalho e, se possível, capa de chuva. Previna-se contra eventuais mudanças climáticas e lembre-se de que, no caso de a caminhada se estender por mais tempo do que o planejado, as noites na mata costumam ser frias, não importa qual seja a estação do ano.
  3. Vestimenta adequada
    • Na mata, dê preferência para calça e manga comprida para se proteger. Não se esqueça de cobrir a cabeça em dia de sol.
  4. Comida e água sempre!
    • Não importa que a sua caminhada vá durar apenas duas horas ou uma tarde. Imprevistos podem acontecer e esta duração ser aumentada. Leve alguma comida (barrinhas de cereais, sanduíche, frutas) e água mineral. A água é fundamental para evitar a desidratação – não conte apenas com bicas pelo caminho e cuidado para não tomar água não-purificada!
  5. Avise alguém sobre os seus planos
    • Deixe sempre alguém ciente de onde você vai iniciar a caminhada e aonde quer chegar e também da duração estimada desta atividade. Assim, se acontecer algo, esta pessoa vai perceber a demora e acionar as autoridades. Levar celular – com a bateria devidamente carregada! – também é importante. “Hoje se tem sinal de celular em praticamente toda a Serra do Mar, por exemplo”, lembra Pavão.

Um dos pontos recorrentes em alguns desses posts foi a escolha do calçado adequado. Veja aqui algumas dicas para escolher o calçado adequado para suas trilhas e acampamentos.

Seguindo essas dicas no planejamento da caminhada, na preparação para a atividade e durante sua execução, as caminhadas do seu Clube serão cada vez mais agradáveis e produtivas. Se você tem alguma regra de caminhada que não está em nenhum dos posts, nos deixe um comentário.

1- Mateus

Mais uma “descoberta” dos pesquisadores

Parque Nacional dos Lagos de Plitvice - Croácia

Parque Nacional dos Lagos de Plitvice – Croácia

Uma reportagem do Correio Brasiliense, um dos jornais de maior circulação em Brasília, chamou minha atenção. Não pela novidade, muito pelo contrário, por eu já saber do assunto há muito tempo.

A matéria traz o destaque “Estudo revela que morar perto da natureza melhora a saúde física e mental”. O jornalista então discorre sobre a pesquisa feita pelo Departamento de Saúde Ambiental e da Unidade de Epidemiologia do Instituto Nacional de Saúde e Bem-Estar da Finlândia que encontrou os mesmos resultados que a pesquisa da Universidade de Exeter Medical School, no Reino Unido.

Todavia, isto não é novidade para nós, não é mesmo? A escritora americana Ellen White, há 2 séculos, já aconselhava as pessoas a deixar a cidade e ir morar no campo. Isso porque ela não vivia nessas cidades super tumultuadas e com o trânsito caótico que vivemos hoje.

“Em todo o mundo as cidades estão se tornando viveiros de vícios. Por toda parte se vê e ouve o que é mau, e encontram-se estimulantes à sensualidade e ao desregramento. Avoluma-se incessantemente a onda de corrupção e de crime. Cada dia oferece um registro de violência: roubos, assassínios, suicídios e crimes revoltantes.

“A vida nas cidades é falsa e artificial. A intensa paixão de ganhar dinheiro, o redemoinho da exaltação e da corrida aos prazeres, a sede de ostentação, de luxo e extravagância, tudo são forças que, no que respeita à maioria da humanidade, desviam o espírito do verdadeiro desígnio da vida. Abrem a porta para milhares de males. Essas coisas exercem sobre a juventude uma força quase irresistível.

“Não era desígnio de Deus que o povo se aglomerasse nas cidades, se apinhasse em cortiços. Ele pôs, no princípio, nossos primeiros pais entre os belos quadros e sons em que se deseja que nos alegremos ainda hoje. Quanto mais estivermos em harmonia com o plano original de Deus, mais favorável será nossa posição para assegurar saúde ao corpo, espírito e alma”. (Ellen White, A Ciência do Bom Viver, p. 363-365).

Aqui em Brasília ainda temos alguns recantos com um pouco de natureza, mesmo assim conheço pessoas que cresceram aqui que não sabiam o que é um pé de milho! Ainda que na cidade haja parques e praças é diferente de viver em uma cidadezinha pequena cercada de natureza.

Em todos os lugares, mas especialmente nas cidades grandes, o Clube de Desbravadores apresenta uma excelente oportunidade para aumentar o contato com a natureza. Os passeios, caminhadas, acampamentos e demais atividades ao ar livre auxiliam o desenvolvimento tanto da mente quanto do corpo.

É por isso que nossa filosofia deve ser cada vez mais voltada para o natural e não para o artificial. Não temos como competir com a tecnologia, se formos lutar no campo dela. Nossa chance de influenciar as crianças está exatamente em dar o oposto do que elas estão acostumadas.

Aí está a importância de ter um programa de atividades ao ar livre relevante. Visitar uma fazenda, andar a cavalo, tirar leite, bater manteiga, cortar lenha com um machado ou machadinha, subir em árvores para apanhar frutos, tomar banho no rio terá gostinho de aventura para a maior parte das crianças. Essa é a nossa missão!

1- Éveni

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...