Archives

Dia mundial do desbravador 2016 – ideias para o JA

dest-desbravadores

Olá meus amigos,

Conforme prometido no post anterior, vamos ao nosso programa do sábado à tarde. O programa irá falar de grandes campeões das competições esportivas. Abaixo segue a doxologia.

  1. Louvor
  • Coragem pra vencer
  • Vencedor cada dia
  1. Oração inicial 
  1. O programa – histórias de vencedores (desbravadores – escolha os que falam e se expressam bem, prepare para que essas explanações sejam bem dinâmicas e descontraídas, sem leitura, por favor!!).

Introdução

Você conhece a história da Maratona?

Assim como toda lenda, a história da maratona é recheada de curiosidades e fatos extravagantes que, com o tempo, ganharam ainda mais misticismo quanto à sua origem.

Uma das versões mais aceitas em relação ao surgimento da corrida de 42km e 195 metros remete ao ano de 490 a.C., quando soldados atenienses marcharam até a Planície de Marathónas para combaterem os persas, na batalha que fazia parte das Guerras Médicas.

Como estavam em um número muito menor, os gregos precisavam de reforços para conseguirem a vitória. Desta forma, o comandante Milcíades resolveu escalar um de seus melhores corredores para cobrir a distância de 40 km, que separava a cidade que estavam de Atenas, e pedir ajuda.

Pheidippides foi o escolhido para a tarefa de percorrer o percurso acidentado até a atual capital grega. Lá chegando, conseguiu reunir cerca de 10 mil soldados, com os quais voltou para o local da batalha.

Após a vitória sobre o poderoso exército persa, Milcíades decidiu mandar novamente seu experiente corredor até Atenas, para passar a boa notícia. Mesmo exausto, Pheidippides correu novamente os cerca de 40 km que separavam as cidades, e chegando lá, conseguiu apenas dizer uma única palavra antes de cair morto: vencemos.
E de onde vieram então os tais dos 42.195?

No ano de 1896, em homenagem ao herói grego, os organizadores dos primeiros Jogos Olímpicos da Era Moderna decidiram criar a prova, que, a princípio, possuía cerca de 40 km. A distância atual só foi fixada no ano de 1908, nas Olimpíadas de Londres, para que a família real britânica pudesse acompanhar o início da prova do jardim do Palácio de Windsor.

Fonte

As histórias de diversas competições e competidores chamam bastante a atenção por suas peculiaridades, por suas histórias de superação, garra e testar o corpo ao limite. Essas realizações atraem milhares fãs e patrocinadores a esses recordistas.

Por que será que esses atletas atraem multidões?

Simplesmente porque suas histórias encantam pelas diversas dificuldades e situações que eles passam para conseguiram o seu tão sonhado prêmio. Isso muitas vezes serve de motivação e impulsiona muitos a imitá-los também.

Ao longo do nosso programa de hoje, conheceremos diversas histórias de pessoas que superaram muitas dificuldades e se tornaram verdadeiros campeões, dignos de subiram no pódio (aponta para o pódio).

O desbravador aponta para o pódio e deixa a frente da igreja.

_______________

Nota do autor do programa: ao longo da programação existirão seis esquetes (que são pequenas apresentações teatrais). É muito importante que escolham pessoas que falem com muita naturalidade, sem parecer um texto decorado, atente-se à faixa etária das pessoas escolhidas. As pessoas têm de se levantar e seguir caminhando pela igreja e falando sem dar atenção à plateia, colocando emoção nas partes que precisam de emoção e dando pequenas pausas para deixar aquele ar de dramatização. É literalmente um monólogo, por isso pratique a entonação da voz, movimentos das mãos e o andar. Antes de fazer essa cena, ensaie (preferencialmente no local da apresentação). Não deixe para improvisar e escolher alguém no último momento, tenho certeza que se você seguir essas dicas, seu programa ficará bem mais interessante.

Continue reading

Dia mundial do desbravador 2016 – ideias para ornamentação

 

dest-desbravadores

Em virtude das festividades que ocorreram no Brasil com a realização dos jogos olímpicos no Rio de Janeiro, esse tema está bem atual e por isso foi inserido na proposta do sermão do  dia mundial do desbravador pela DSA.

Nossa proposta de decoração é justamente pegar essa ideia dos jogos, principalmente da premiação, e contextualizar em nosso programa.

Ao longo destes anos sempre escrevo posts relacionados a essa área de decoração do dia mundial, vocês já devem ter percebido que sempre gosto de fazer algo na frente da igreja, corredores e no hall de entrada. Esse ano não vamos fugir à regra, rsrsrsrs.

Vou apresentar abaixo a proposta de decoração para dentro e para a entrada da igreja, espero que gostem.

Vamos lá:

Dentro da igreja

Na frente da igreja, centralizado, prepare um pódio com as marcações de 1º,2º e 3º colocado. No centro do pódio colocar o logo dos desbravadores, semelhante à imagem abaixo.

Imagem10

Na parede atrás do pódio, centralizado, fazer três grandes medalhas (ouro, prata e bronze), e abaixo os dizeres A Grande Conquista.

Imagem9

Uma visão mais ou menos de como deverá ficar seu cenário (só que com os dizeres “A Grande Conquista” escrito abaixo das medalhas).

Imagem8

Do lado esquerdo [de quem vê] preparar um local para serem colocadas as bandeiras (Brasil, estado, cidade, desbravadores e Clube). E do lado direito deixar 06 cadeiras separadas em uma plataforma elevada (como se fossem para pessoas que serão homenageadas) e você pode posicionar o púlpito meio de lado, próximo a esse cenário também.

Veja abaixo a ideia do posicionamento das cadeiras:

Imagem7

No púlpito coloque o globinho dos desbravadores deixando o emblema em destaque.

Imagem6

Veja um esboço de como será a ideia desta parte da frente do cenário.

Imagem5

No corredor central colocar um tapete vermelho que conduza até o pódio, colocar bandeiras nos bancos que forma o corredor central da congregação.

Fazer essas bandeiras coloridas nas cores das classes regulares. Em cada bandeira escreva uma palavras de vitória, exemplo: conquista, prêmio, vencedor, campeão, recordista, vitória, espetáculo, etc. A Ideia é ser um grande tapete vermelho (como se fosse para entrada de convidados VIPs) que conduza até o pódio, que simboliza o lugar da premiação.

Veja essas imagens abaixo que ajudam um pouco a exemplificar qual seria a ideia do tapete com as bandeiras (no lugar onde estão essas bandeiras dos Estados Unidos, colocar as bandeiras coloridas das classes, conforme explicação acima).

Imagem4

Hall de Entrada

Essa ideia deve ser adaptada de acordo com o tamanho do hall de entrada da sua igreja, se o hall não for muito grande veja um outro local que possa ser montado.

A ideia é que assim que os convidados forem chegando para o programa do sábado, eles se deparem com uma raia de corrida. Escreva no chão, no começo das raias, a palavra início.

O convidado deverá seguir essa raia para chegar à porta de entrada da igreja, conforme ele vai andando tem do lado da raia vários materiais esportivos expostos, tais como traves de futebol, mesa de tênis, raquetes, bolas, pesos de atletismo, remos, caiaque, enfim, o que você tiver de material utilizado em modalidades esportivas.

Imagem3

Escreva em letras bem grandes em cada um desses objetos expostos: desafios, esforço, dedicação, treinamento, superação, trabalho, resistência, etc.

Ele deverá fazer o percurso da raia e conforme vai andando ele se depara com esses objetos e as palavras escritas. Quando ele terminar de percorrer o trajeto, ele estará dentro da nave da igreja, de frente ao tapete vermelho e lá na frente toda a exposição do local da premiação.

Imagem2

Abaixo tentei fazer um esboço de como ficará toda a igreja vista de cima. Confesso que não sou muito bom nessa parte de fazer projeto, estou precisando fazer um curso, se alguém quiser me proporcionar uma doação, kkkkkkkkkkk. Mas acho que com esse esboço dá para terem uma ideia geral.

Imagem1

Espero que vocês tenham gostado das nossas ideias de decoração para esse ano. Em breve postaremos a ideia do programa para o sábado à tarde. Tenham todos uma ótima preparação para o  dia mundial do desbravador.

Maranata!

1- Paulo

Sermão do Dia Mundial do Desbravador 2016 – A grande conquista

Atenção líderes!

Já está disponível para download o sermão e o cartaz oficiais do Dia Mundial do Desbravador 2016, a ser comemorado no dia 17 de setembro.

Baixe agora mesmo e já vá preparando o seu Clube para essa grande festa na sua Igreja! Fique de olho que postaremos aqui dicas para o culto divino, JA, ornamentação e muito mais!

Download SERMÃO

Download CARTAZ

1-Alberto

Dia mundial do desbravador 2015 – ideias para o JA

dia-mundial

Tema: A escolha impossível

O programa da tarde deste sábado será dividido em cinco atos, mesclando as encenações com o programa dirigido.

Segue abaixo a proposta:

Cenário: O mesmo usado no sábado pela manhã.

Louvor (escolher três músicas)

Oração inicial

Ato 01

Entra André no escritório (o mesmo desbravador que trouxe os pães e peixes na peça da manhã). Ele senta no sofá e começa a falar sozinho:

André (desbravador): Como eu gostaria que minha família se tornasse cristã, às vezes é tão difícil ser o único cristão em casa. Vejo minha família passando por dificuldades que são intransponíveis, mas tenho que acreditar que Deus pode fazer milagres.

André fica folheando um livro, e olha no relógio.

André: Nossa, já está quase na hora, eu preciso ir para a reunião do Clube! Hoje será uma atividade ao ar livre, preciso terminar de arrumar minhas coisas.

André sai de cena apressado.

Líder (apenas narração): Bem desbravadores, hoje durante nossa atividade, nós iremos atravessar um rio, na reunião passada nos já construímos nossa embarcação e agora iremos fazer essa prova prática, para vermos se a construção de vocês ficou bem feita. Então a primeira unidade já pode seguir.

Entra uma unidade pelos fundos da Igreja com o barco (o mesmo usado no sábado pela manhã).

Desbravadores (unidade no barco): 1, 2, 3, Rema, Rema, Rema, Rema. (falando sincronizado).

Desbravador (capitão da unidade): Vamos lá, unidade! Estamos quase lá!

Desbravadores (unidade no barco): Rema, Rema, Rema (falando sincronizado).

Os Desbravadores param o barco, lá na frente e descem para o cenário da vegetação.

Líder (apenas narração): Muito bem, a primeira unidade já foi, pode ir a próxima.

________________ Fim do Ato 01 ________________

 Mensagem musical especial (um desbravador)

 Ato 02

Entra um senhor de terno e gravata e senta-se à mesa do escritório. Passa alguns momentos e chega outro homem também de terno.

Roberto (chefe que veio para uma reunião): Oi Claudio, tudo bem? Estava passando hoje pela empresa e gostaria de trocar umas palavrinhas com você.

Claudio (na mesa de atendente): Oi Sr. Roberto, que prazer encontrar o senhor! Vamos, entre, fique à vontade. O senhor aceita um café ou uma água?

Roberto: Não, não, obrigado, estou bem. Só precisava ver um assunto contigo, também não posso demorar muito, porque minha esposa está esperando para irmos almoçar.

Roberto senta-se (a sugestão é colocar a mesa em uma posição de forma que nenhum dos dois fique de costas para o público).

Roberto: Claudio, você é um dos nossos diretores mais experientes, trabalha conosco há alguns anos. E você sabe que temos passado por algumas crises, a economia do país está bem desequilibrada e temos buscado algumas alternativas para que a empresa continue faturando, e nós também.

Claudio: A crise realmente tem diminuindo muito o nosso número de vendas, até mandei para o senhor o último relatório que aponta bem esses índices. Eu estou realmente preocupado.

Roberto: Então, Claudio, justamente analisando esses números que fiquei pensando o que poderíamos fazer, foi aí que surgiu uma oportunidade na qual vou precisar do seu total comprometimento. E já adianto desde já que você poderá ter uma boa recompensa com essa transação.

Claudio: Como assim, Roberto, eu não entendi bem, que transação seria essa? Que ganhos são antes?

Roberto: Vou ser bem direto com você, o governo do Estado tem um contrato para fechar conosco, onde temos a possibilidade de termos alguns ganhos especiais, tanto a empresa quanto você. Estive com o governador pessoalmente ontem e se concretizarmos essa transação, você pode receber algo em torno de 1 a 2 milhões que podemos depositar em uma conta que você indicar. Só que para termos êxito nesse processo, preciso que você nos ajude em todas as etapas da licitação.

Cláudio: Mas, Roberto, isso é muito arriscado, não gosto de fazer essas coisas.

Roberto: Deixe de ser medroso homem, eu sei que você é muito bom com relatórios e números, vamos dizer que você cometeu um pequeno erro no relatório, errar é humano e ninguém precisa ficar sabendo.

Claudio: Ai, Roberto, não sei não…

Roberto: Cláudio, se você não participar mostra que você não está comprometido com essa ou qualquer outra empresa. Faz assim, pense e me dê a resposta amanhã. Eu te ligo.

Claudio: Tudo bem! Vou pensar e amanhã nos falamos então.

Os dois se despedem e Roberto deixa a sala. Claudio continua sozinho na sala…

Claudio: Nossa! O que fazer agora? É uma oportunidade única e são dois milhões de reais, com esse valor daria para finalmente reformar a casa e fazer aquela viagem com a família para a Europa que tanto queríamos. Mas eu não gosto dessa situação toda. Mas se eu não concordar vou perder a confiança do Sr. Roberto, e ele vai acabar colocando outro no meu lugar que faça. O que fazer?

Claudio: O que é isso (olhando para um envelope na mesa)?

Ele abre o envelope.

Claudio: É um livro. Viva com Esperança. Título interessante.

Olha para o relógio.

Claudio: Preciso ir almoçar.

Sai levando o livro.

________________ Fim do Ato 02 ________________

Continue reading

Dia mundial do desbravador 2015 – ideias para o culto

dia-mundial

Todos os anos, tenho o desafio de escrever alguma coisa sobre o dia mundial dos desbravadores. Essa não é uma tarefa fácil, às vezes pela questão do tempo, outras pela questão da inspiração.

Um dos idealizadores deste blog é um grande amigo, alguém que acredita e vive esse ministério de uma forma genuína e sincera. Quando comecei a ler sobre a proposta para o tema deste ano, não pude deixar de pensar nesse meu amigo, “o menino que acreditou no impossível”, muitas vezes eu já me vi desanimado com esse ministério, por uma infinidade de fatores, esse meu amigo: NÃO! Quando eu encontrava obstáculos que pareciam intransponíveis, ele sempre me dizia, esse ministério nasceu no coração de Deus, Deus irá cuidar de seu povo. Quando paro para pensar na história desse menino, essa experiência de acreditar às vezes no impossível é muito clara em minha vida quando olho para meu amigo. Não importa o que eu tenha nas mãos, se eu entregar para Cristo Ele poderá fazer coisas inacreditáveis.

O tema desse ano tocou muito fundo no meu coração, justamente por isso gostaria que a Igreja também tivesse essa real experiência. Justamente nesse ponto que fiquei martelando na minha cabeça, o que propor para os leitores do Cantinho em 2015? O que quer que seja, precisa ser algo que faça a gente acreditar no impossível quando Deus está no comando.

Vou dividir a sugestão desse ano em dois posts, o primeiro sobre a decoração e parte do programa da manhã e o segundo sobre o programa da tarde.

Vamos às sugestões:

Decoração

No centro da Igreja, na parte da frente, fazer um monte (montanha), uma sugestão é revestir uma caixa d’água virada com tecido marrom e pedras artificiais de forma que em cima possa ser colocado o púlpito. Na base da montanha montar uma espécie de vegetação gramada com árvores artificiais, se você tiver um tapete de grama sintética será ótimo.

No corredor central, faça uma espécie de mar, com TNT AZUL, ou outro tecido de forma que ele termine no início da sua colina.

Monte um barco grande como na proposta do programa, que caiba 12 desbravadores dentro, faça o mastro com o triângulo dos desbravares.

Do lado direito da colina montar uma fogueira, continuando a vegetação rústica. Uma espécie de área para reunião de um acampamento. Do lado esquerdo montar um escritório com mesa e sofá (foto exemplo).

 

Escritório

Programa

Faça uma bela recepção na igreja, com desbravadores uniformizados. Prepare bem o louvor desse dia, mensagem musical, organize a entrada dos seus desbravadores (caso opte por fazer), enfim, prepare todas as partes do programa conforme o manual.

No início do programa do culto, antes do inicio do sermão: 12 desbravadores (os de 15 anos) devem entrar pelo centro da Igreja vestidos de desbravares como se estivessem remando e param o barco lá na frente na base da colina. Eles descem e sentam ao redor de uma fogueira que terá do lado direito do palco da Igreja. Um líder do Clube começa a falar:

Líder: Desbravadores, já faz 65 anos que esse programa do Clube de Desbravadores existe, e foi justamente em um acampamento como este, onde jovens estavam reunidos em volta de uma fogueira, que eles ouviram falar de John Fremont.

Desbravador 1: John o quê?

Líder: John Fremont foi um engenheiro, explorador, botânico e político dos Estados Unidos. Fez parte do Corpo de Engenheiros Topógrafos dos Estados Unidos. Pertencia a um grupo de indivíduos chamados desbravadores, dispostos a resistir a coisas incríveis em busca de aventuras e riquezas. Foi num acampamento como este que um grupo de jovens ouviu falar pela primeira vez sobre esse homem, e sobre essa palavra Desbravadores. A mente daqueles jovens viajou ouvindo as histórias das explorações de Johan Fremont e de como ele vivia aventuras incríveis.

Desbravador 1: Nossa que interessante, continue…

Líder: Pouco depois daquele acampamento com a história de John Fremont, a Associação Sudeste da Califórnia realizou seu primeiro acampamento para jovens e juvenis e deu-lhe o nome de Acampamento de Desbravadores Jovens Missionários Voluntários. A partir daí, o nome Desbravador foi tomando força, e passaram-se vários anos até que, em 1950, o Clube de Desbravadores foi oficializado na Igreja Adventista. Hoje, 65 anos depois, podemos dizer que os desbravadores estão presentes em todo o mundo, desde o extremo norte, em Nordkapp, na Noruega, até Ushuaya, no extremo sul da Argentina.

Desbravador 1: Nossa! Tem Clube em tantos lugares assim? Somos um grupo muito grande então!

Líder: Sim, somos um grande grupo, mas ainda temos muitos desafios: ainda há lugares nos quais se constitui um verdadeiro desafio formar um Clube de Desbravadores. Em fevereiro, foi realizado o 1º Campori de Desbravadores dos países do Golfo da Arábia. Sete países se fizeram representar: Emirados Árabes Unidos, Bahrein, Oman, Kuwait, Qatar, Iémen e Arábia Saudita. Enquanto isso, no ano passado (2014), nós aqui na Divisão Sul-Americana reunimos 35.000 desbravadores no 4º Campori. Esse 1º Campori do Golfo da Arábia, com sete países, contou com a presença de 150 desbravadores e aventureiros. Para que você não duvide, vou mostrar esse cartaz como o número escrito: cento e cinquenta DESBRAVADORES e AVENTUREIROS no Campori.

Desbravador 3: Caramba! Só 150 desbravadores, junto com os aventureiros. Este número aqui para nós é o número de desbravadores de um distrito ou até de algum Clube.

Líder: Para vocês verem como é desafiante. O grande desafio naquela região é encontrar líderes nativos que possam assumir a liderança. Mas a Bíblia lembra: “Não desprezeis esse começo humilde porque os olhos do Senhor se alegram vendo o trabalho começar” (Zc 4:10 – Bíblia Viva). Sabemos que é uma semente que está sendo plantada e com o tempo vai crescer dando muitos frutos e abrindo portas para que muitos jovens e muitas pessoas possam conhecer mais sobre os desbravadores e também sobre a graça de Deus.

Desbravador 4: Mas sabe de uma coisa? Ouvindo essa história comecei a refletir no seguinte: o início do movimento dos desbravadores foi bem pequeno e hoje já ouvi dizer que passamos de um grupo de mais de 1.530.000 desbravadores em todo o mundo.

Desbravador 2: Exatamente, temos certeza de que, naqueles países do oriente, os desbravadores se multiplicarão e terão uma participação efetiva na conquista de pessoas para o reino de Deus.

Líder: Isso mesmo, esse ministério não é nosso, ele nasceu no coração de Deus.

Continuam conversando em volta da fogueira, a cena muda

No escritório, a mãe entra para fazer a leitura de um livro no sofá.

Filho pequeno (mais ou menos 9 anos) entra correndo.

Filho (Marcelo) [chateado, com voz de choro]: por que eu não pude ir com o Felipe acampar? Eu também queria ter ido.

Mãe: Calma filho, vem aqui com a mamãe, senta aqui comigo.

Marcelo: Eu sempre fico de fora, por que eu não posso ir? [resmungando: eu sempre fico de fora].

Mãe: Marcelinho, você ainda não tem idade para participar dos desbravadores, o seu dia vai chegar ainda, mas não fique triste, mesmo pequeno como você é, Deus pode usá-lo.

Marcelo: Deus pode me usar, mesmo sendo tão pequeno?

Mãe: Claro que sim meu filho, inclusive, isso me faz lembrar de uma história. A história de um menino bem pequeno, que na época em que ele vivia não era muito valorizado. As crianças naquela época não eram importantes. Mas ele ouviu falar de Jesus, e decidiu ir até onde Ele estava, no meio dos adultos, porque ele queria ouvir Jesus falar. Esse menino acreditou naquilo que era impossível, uma criança participou de um verdadeiro milagre. Deixe-me contar a história: certo dia Jesus subiu até um monte e começou a ensinar…

Muda a cena e o pregador da manhã (de uniforme de gala branco) chega até o púlpito que está no alto da montanha.

Líder: Bem, vamos todos nos sentando que já vamos começar.

Vários adultos chegam e senta ao redor da montanha, para ouvirem o sermão, entre eles um desbravador, o menor do seu Clube.

Os 12 desbravadores que representam os discípulos também se assentam juntos (esses precisam ser os maiores do Clube, de preferência os de 15 anos).

O líder começa o sermão.

Num dado momento, quando chegar na parte da história sobre a multidão, a seguinte cena acontece:

Desbravadores (discípulo 1): “Senhor, temos que dar um break!”, já estamos aqui há muito tempo, já estamos com fome, e esse povo todo também (aponta para a multidão e Igreja), vamos mandá-los para casa para poderem fazer um lanche.

Líder: Não posso mandá-los para casa agora, ainda tenho muito que falar, nem comecei o meu sermão direito. Já sei, tive uma ideia! “Vocês devem dar-lhes de comer”.

Desbravador (discípulo 2) [Assustado]: Como é que é? Nós temos de dar o que comer a eles?

Líder: Isso mesmo.

Desbravador (discípulo 2): O Senhor já viu quantas pessoas são? Não podemos sair para comprar nada, e ainda estamos acampando, e não temos ingredientes para fazer comida para tanta gente.

Desbravador (discípulo 4): Ninguém tem dinheiro aí? Será se fizermos uma vaquinha, não dá para comprar alguma coisa?

Desbravador (discípulo 5): Já conferi aqui com todos, não temos nada. Ninguém imaginou que isso pudesse acontecer.

Líder: Filipe, você que mora aqui na região, sabe de algum lugar onde poderíamos comprar pão pra essa gente? Será que não tem uma padaria que poderia tirar, de uma só fornada ou duas fornadas, 5.000 (coloque o número de membro da sua igreja) pães?”

Desbravador (Filipe): Além disso, a mesada de todos nós juntos não seriam suficientes. Vamos supor que compremos cada lanche por R$ 8,00 (o que não é caro). Essa multidão toda de 5.000 (coloque o número de membros da sua igreja) daria 40 mil reais. “Senhor, simplesmente: im…possível. Nada feito Senhor. Vai dá não. Melhor mandar cada um ir de volta pra casa.

Desbravador (discípulo 4, André): Eis aqui um menino. [traga o menor desbravador do grupo, com uma cesta], ele tem 5 pães e 2 peixes.

Desbravador (discípulo 6): [risada] Você ficou louco André? Como assim 5 pães e 2 peixes? Você acha que isso será o suficiente para alimentar 5 mil pessoas? Cada um que me aparece, deve ter levado muito sol na cabeça. [risada deboxada].

Desbravador (discípulo 7): Ô, André! Não acredito. Essa não! O que é que você quer com esse garoto com um cesto, cinco pães e dois peixes? Você não entendeu, André? São 5 mil pessoas. Deixe o garoto em paz!.

Líder: Traga o menino aqui. [Pega o cesta na mão, levanta pro alto e faz uma oração]. Tragam os cestos, vamos alimentar essa multidão.

Cada discípulo traz um cesto, líder vai repartindo o pão e colocando um pedaço em cada cesto. O cesto já deve está cheio de pães.

Líder: Entreguem à multidão.

Prepara um minipão como lembrança para cada membro da Igreja. Entregar junto com um cartão, dizendo algo mais ou menos assim: “faça você também alguém acreditar no impossível, traga 1 pão hoje à tarde, para que o Clube de Desbravadores possa distribuir a famílias carentes”. O legal é dias antes do programa você fazer a especialidade de Panificação com os desbravadores, e eles mesmos prepararem os pães.

Desbravadores discípulos saem com os cestos pela Igreja entregando os pães.

Cena volta para o sofá (enquanto os desbravadores discípulos entregam os pães para a Igreja)

Marcelo: Nossa mãe, que história! Um garoto tão pequeno ajudou Jesus alimentar uma multidão.

Mãe: Está vendo só, meu filho, é só nós acreditarmos e entregarmos tudo nas mãos de Deus, Ele pode fazer coisas impossíveis.

Marcelo: Eu quero entregar tudo que tenho para Jesus, mãe.

Mãe: Muito bem meu filho. Tive uma ideia. O que você acha de eu prepara alguns pães e nós irmos lá ao acampamento do Filipe, para ajudarmos eles a entregarem no sábado à tarde para as famílias carentes?

Marcelo: Sério mãe, eu vou poder ir no acampamento ajudar?

Mãe: Sim, você me ajuda a fazer os pães?

Mãe e filho saem de cena

Todos se sentam

O líder continua seu sermão

Líder: Essa pequena representação é para nos dar uma ideia do que estava acontecendo naquele dia.

Continue o sermão até o final.

_________________________________ FIM _________________________________

Essa é nossa proposta para o programa da manhã deste dia mundial dos desbravadores. Usamos o programa oficial, fazendo algumas adaptações. Espero que gostem! Orem por mim, pois preciso encontrar tempo para terminar o outro post.

Obrigado a todos e que Deus esteja sempre com vocês.

1- Paulo

Sermão do Dia Mundial do Desbravador 2015 – O menino que acreditou no impossível

dia-mundial

Atenção líderes!

Já está disponível para download o sermão e o cartaz oficiais do Dia Mundial do Desbravador 2015, a ser comemorado no dia 19 de setembro.

Baixe agora mesmo e já vá preparando o seu Clube para essa grande festa na sua Igreja! Fique de olho que postaremos aqui dicas para o culto divino, JA, ornamentação e muito mais!

Download SERMÃO

Download CARTAZ

1- Alberto

Dia mundial do desbravador 2014 – ideias para o JA

dia mundial do desbravador 2014 um personagem escondido

O LIVRO MISTERIOSO

Por Paulo Oliveira

Cena 01: Sala de Aula

NARRADOR: Era uma manhã fria de inverno, a temperatura deveria estar em torno de 5º, Cristina chega à sala um pouco antes dos alunos, ela quer revisar algumas provas antes dos seus alunos chegarem para a aula. Ela dá mais uma volta em seu cachecol, e se agasalha mais um pouco, pois realmente esta é uma manhã bastante fria.

Alunos começam a entrar para a aula, todos agasalhados por causa do frio, tocas, gorros e casacos.

CRISTINA (Professora): Bom dia Classe, esta manhã está realmente muito fria, é um excelente dia para estudarmos matemática.

Classe dá uma risada e alguém fala…

ALUNO: Professora, para a senhora é sempre um bom dia para estudar matemática, faça chuva ou faça sol. Nós é que não podemos dizer o mesmo.

Classe mais uma vez cai na risada

CRISTINA: Realmente eu amo a matemática, mas vocês também irão aprender a amá-la. Mas bem, vamos começar resolvendo alguns exercícios da aula passada, abram seus livros na pagina 78 para verem os exemplos, vocês devem me entregar esta atividade no final desta aula. Na próxima aula faremos a correção no quadro.

Enquanto a professora falava, ela é interrompida pela diretora Julieta, que chega à sala trazendo um novo aluno.

JULIETA:Com licença professora, bom dia classe, quero apresentar a vocês o Eduardo, ele é um novo aluno que está chegando por transferência, quero que vocês o recebam muito bem.

CRISTINA: Bem-vindo Eduardo, de onde você está vindo?

EDUARDO: Venho de Nova Andradina, no Mato Grosso do Sul, meu pai veio de transferência de trabalho para cá.

CRISTINA: Muito bem, mais uma vez seja bem-vindo Eduardo, e pode se assentar naquela carteira vaga, estamos fazendo alguns exercícios e já passo na sua carteira para explicar.

JULIETA: Professora, muito obrigado. Classe, tenha um bom dia e bons estudos.

Eduardo se assenta na carteira próximo a Joaquim e pega o livro de matemática. A professora vai até sua carteira, entrega o exercício e conversa com ele e então o deixa fazer os exercícios. Toda a classe começa a fazer as atividades e Cristina caminha entre as carteiras.

NARRADOR: Havia um ar de ministério em Eduardo que todos repararam logo que ele chegou. Ele era um garoto que estava bem vestido, vestia um casaco com um cachecol e um gorro e usava óculos que o deixava com um jeito meio intelectual, mas não era isso que deixava aquele ar de mistério, alguma coisa mais deixou todos curiosos. A professora, que continua a observar seus alunos caminhando entre as fileiras, percebe que Joaquim que está sentado na ultima carteira, parece estar com bastante frio, ela observa que ele usa um casaco surrado e fino, inclusive com alguns remendos.

CRISTINA: Está tudo bem? Você parece que está com frio?

JOAQUIM: Não se preocupe, professora, está tudo bem. Eu já estou acostumado.

CRISTINA: E os exercícios, como vão?

JOAQUIM: Estou com algumas dificuldades, não consigo me dar bem com esta tal de matemática.

CRISTINA: Tenha paciência, Joaquim, e persista sempre, não desista. Quando formos corrigir os exercícios você aproveita para tirar as duvidas que ficarem.

JOAQUIM: Tudo bem, professora.

Narrador: Cristina deixa aquela cena bem preocupada, o que ela poderia fazer por seu aluno? O que Cristina não sabia é que um outro personagem também observara aquela cena.

CRISTINA: Bem turma, vocês estão liberados para o intervalo e na próxima aula continuamos com esta atividade.

Todos deixam a sala, inclusive a professora e Joaquim fica na sala. Depois que todos saem ele pega alguns jornais e enrola em seu corpo por baixo do casaco para tentar aplacar o frio.

NARRADOR: O frio que Joaquim sentia era muito grande, atrelado a uma dor no estomago, porque esta manhã não tinha comido nada, ele ainda tinha dificuldades grandes em matemática e com todo o frio e fome que sentia, não tinha conseguido fazer nenhuma questão durante a aula.

Joaquim então deixa a sala.

Fim do 1º Ato.

 

Cena 02: Intervalo/Biblioteca

PATRÍCIA: Aninha, você notou que diferente este novo aluno?

ANINHA: Eu notei que ele é muito bonito, inclusive se veste muito bem!

PATRÍCIA: Mas não falo disso, agora há pouco passei por ele, e sabe o que ele comia de lanche?

ANINHA: Não, o quê? Já sei! Era um cachorro quente com bastante molho ou um pedação de pizza bem quentinha para aplacar o frio. Eu amo pizza.

PATRÍCIA: Não Ana, e pare de pensar em comida. Ele comia uma Maça e uma Laranja.

ANINHA: Uma maça e uma laranja? Que raio de lanche é esse?

PATRÍCIA: Eu não te falei que ele é estranho. Notei que ele acabou de ir à biblioteca, vamos lá dar uma olhada?

As duas meninas saem de cena e Eduardo chega e senta no sofá da biblioteca e começa a ler um livro. As duas meninas voltam e conversam

ANA: Patrícia, olhe ele ali sentado.

PATRICIA: É mesmo, está lendo alguma coisa, consegue ver o que é?

ANA: Não sei o que ele está lendo, vamos chegar mais perto para olhar melhor.

As duas meninas chegam mais perto e se sentam no sofá ao lado de Eduardo.

EDUARDO: Olá, vocês são da minha sala, não é mesmo?

PATRICIA: Somos sim, você veio do Mato Grosso, não é?

EDUARDO: Isso mesmo, meu pai veio transferido para esta cidade.

ANA: Que legal, mas desculpe a curiosidade, o que você está lendo? É que eu nunca vi este livro por aqui.

EDUARDO: É um livro que eu trouxe de casa, chama-se O Desejado de Todas as Nações.

PATRÍCIA: O Desejado de Todas as Nações? Que titulo interessante.

ANA: Já sei, é um livro de romance, onde o galã é desejado por todas as mulheres.

EDUARDO: Nada disso, na realidade o livro conta uma história onde o personagem principal é rejeitado muitas vezes pela maioria.

PATRÍCIA: Rejeitado pela maioria? Mas o livro não se chama o desejado de todas as nações?

ANA: Já entendi tudo, é um livro de suspense, onde retrata os opostos de uma sociedade, onde a rejeição é eminente e o personagem tem de lutar para quebrar paradigmas e conquistar seu lugar de respeito.

EDUARDO: Éehh… não deixa de ter muitos momentos onde o personagem principal quebra uma infinidade de paradigmas, mas não é bem este o foco do livro.

PATRÍCIA: Nossa, você está me deixando curiosa.

Neste momento toca a sirene de retorno à sala de aula.

EDUARDO: Agora não temos mais tempo, mas vamos combinar de amanhã eu contar para você um pouco sobre o que fala este livro.

ANA: Tudo bem, só espero que minha curiosidade aguente até amanhã.

NARRADOR: Aqueles breves momentos de conversa haviam deixado as duas garotas muito curiosas sobre que história continha naquele livro, de fato o titulo era muito interessante: “O Desejado de Todas as Nações”. Realmente este era um titulo no mínimo intrigante.

Fim do 2º Ato.

 

Cena 03: Sala de aula

NARRADOR: E começa mais um dia na escola, os alunos chegam para mais um dia de aula. Patrícia e Ana não veem a hora de irem para o intervalo e voltarem a conversar com Eduardo.

Os alunos vão entrando para a sala pra mais uma aula, mas Joaquim ao entrar percebe que tem um pacote sobre a sua mesa, endereçado à ele.

JOAQUIM: Nossa, que pacote será esse? “Para Joaquim, de um amigo”. Que estranho!

O garoto abre o pacote, e então percebe que é uma blusa de frio, faz uma cara de felicidade veste rapidamente o casaco e fica pensando em quem fez esta tão boa ação. Todos se sentam em seus lugares e a professora chega.

CRISTINA: Bom dia turma, abram seus livros na pagina 78 que faremos as correções dos exercícios da aula passada. Sentem-se em dupla com um colega para poderem um ajudar o outro.

Todos formam duplas, então Eduardo se aproxima de Joaquim.

EDUARDO: Olá, Joaquim, é seu nome não é mesmo?

JOAQUIM: Isso mesmo.

EDUARDO: Posso me sentar com você para fazer esta atividade?

JOAQUIM: Pode sim.

NARRADOR: Joaquim fica preocupado, porque geralmente ninguém queria fazer dupla com ele, porque ele tinha muita dificuldade em matemática, ele estava apavorado por ter Eduardo junto com ele, medo de Eduardo perceber que ele não havia feito nenhum exercício ainda.

CRISTINA: Bem turma, podemos ver no exercício número 1 que para resolver esta questão vocês vão precisar fazer uso da tabela que está na página anterior.

A professora então começa a escrever alguns números no quadro.

EDUARDO: Nossa Joaquim, você percebeu que nesta questão o segredo da interpretação está justamente em pegar o valor de “X” elevado à terceira potência e fazer o jogo de sinais aqui neste ponto?

JOAQUIM: É mesmo, olha só como estava simples essa questão.

NARRADOR: Então Eduardo e Joaquim fazem todos os exercícios juntos e Joaquim entende a matéria que durante dias havia lutado contra e achava que nunca iria entender. Joaquim estava muito feliz com a ajuda de Eduardo.

EDUARDO: Foi muito bom fazer dupla com você, você me ajudou muito. Não sei se teria conseguido sem você.

NARRADOR: Agora que Joaquim ficou confuso, como assim ele havia ajudado, ele não tinha feito nada.

EDUARDO: Temos de ficar sempre juntos nestas aulas.

JOAQUIM: Tudo bem, mas eu que te agradeço pela ajuda.

EDUARDO: Que é isso Joaquim? Você me ajudou muito mais. Agora no intervalo eu irei mostrar um livro que estou lendo para a Patrícia e Ana, você não quer ir junto conosco para a biblioteca?

JOAQUIM: Que livro é esse?

EDUARDO: Chama-se O Desejado de Todas as Nações.

JOAQUIM: Nossa, que título interessante! Vamos sim, até eu fiquei curioso para saber o que o livro diz.

Toca-se o sino e todos saem. Os quatro (Ana, Patrícia, Joaquim e Eduardo) dirigem-se para a Biblioteca.

 

Cena 04: Biblioteca

Os quatros jovens entram na biblioteca e sentam-se no sofá.

EDUARDO: Bem, vamos falar do livro! Este livro conta a história de um personagem que assim que ele nasceu, o rei da cidade ficou muito bravo com a notícia de que uma criança que havia nascido por aqueles dias seria o novo rei. Só que o rei não sabia ao certo quem era a criança, então o rei fez um decreto mandando matar todas as crianças até dois anos de idade, justamente para assegurar que este futuro rei não tivesse chance de sobreviver.

ANA: Nossa, que crueldade, como é terrível este rei. Coitadinha das crianças.

EDUARDO: Realmente Ana, este rei era muito cruel, então os pais do menino fugiram para o Egito para protegerem a criança e ali ficaram até que este cruel rei morreu. Assim que eles receberam a notícia da morte do rei, eles voltaram para sua cidade para poderem criar seu filho.

PATRÍCIA: Então, Eduardo, o que aconteceu? O garoto voltou e tornou-se se rei?

EDUARDO: Nada disso, ele foi trabalhar com seu pai como carpinteiro e sua mãe o ensinava em casa. Então o menino crescia e se fortalecia em Espírito, cheio de sabedoria e graça.

NARRADOR: Eduardo, dia após dia, foi apresentando um pouco mais das maravilhas deste livro, e as verdades sobre este personagem. Passadas algumas semanas de estudos…

ANA: Eduardo, nossa que história linda essa, estou cada dia mais maravilhada com este personagem, me dá até vontade de conhecer ele de verdade.

PATRÍCIA: Eu digo a mesma coisa, eu queria fazer parte destas multidões que o seguiam. Nestas últimas semanas só penso nesse livro.

JOAQUIM: Mas Eduardo, até hoje você não nos disse qual o nome deste personagem, já se passaram semanas e você nada. Hoje você vai nos contar?

PATRÍCIA: Eu também estou muito curiosa, diga logo.

ANA: Não adianta mais enrolar. Vamos fale!

EDUARDO: Bem, este personagem, após todos grandes feitos que já contei, como curar doentes, multiplicar alimentos, ressuscitar mortos, muitas pessoas o seguiam. Mas dentre esta multidão existia um grupo de 12 seguidores que eram os seus amigos mais próximos. Quando a grande multidão se dissipava, estes 12 sempre estavam com eles. Presenciavam todos os seus grandes feitos e ainda podiam aprender tudo mais de perto diretamente com o mestre. Mas apesar de amado por muitos, existiam muitos que o odiavam e queriam que ele morresse o quanto antes. Então fizeram um plano juntamente com um de seus amigos mais íntimos, um dos 12 seguidores, para o levarem a julgamento e à morte.

ANA: Um plano feito com a ajuda de um de seus melhores amigos? Nossa, que traição!

EDUARDO: Isso mesmo, um traidor. E sabe como ele entregou nosso personagem ao grupo de revoltados?

PATRÍCIA: Como?

EDUARDO: Com um beijo no rosto. Conhecido como o beijo da traição. Os líderes da cidade não sabiam muito bem quem ele era, então, através deste beijo, identificaram o nosso protagonista e o levaram a julgamento. Multidões vieram presenciar o julgamento. Ele foi chicoteado, humilhado e chamado de impostor e o acusavam de não ser um rei. Mas mesmo sofrendo tudo isso Ele continuou manso e tranquilo, como uma ovelha levada ao matadouro.

JOAQUIM: Nossa, quanta coragem!

EDUARDO: Não só coragem Joaquim, muito amor. Aquele homem amava muito todas aquelas pessoas e estava disposto a morrer por elas. E Ele então foi condenado e o crucificaram.

PATRÍCIA: Como assim crucificaram?

EDUARDO: Ele foi colocado em uma cruz com pregos nas mãos e nos pés.

ANA: Acho que eu já ouvi uma história sobre um homem crucificado, não é…

JOAQUIM: Sim, Jesus! Jesus foi crucificado.

EDUARDO: Muito bem, o nosso personagem é Jesus.

PATRÍCIA: Nossa Eduardo! Mas eu nunca tinha ouvido todos estes detalhes da vida de Jesus!

ANA: Eu também, só descobrir porque você falou de morte na cruz.

EDUARDO: E sabem o que mais? Ele morreu por cada um de nós, Ele morreu pelos meus erros, pelos seus erros e pelos erros de toda a humanidade. Mas o mais importante nesta história é que Jesus ressuscitou e está hoje no céu, disposto a nos ajudar todos os dias.

JOAQUIM: Nossa Eduardo, como você sabe todas estas coisas?

EDUARDO: Eu aprendi desde pequeno, meu pai é pastor, por isso mudamos para essa cidade, ele veio ser pastor de uma Igreja aqui.

PATRÍCIA: Pastor! Nunca conheci um pastor ou um filho de pastor antes. Que diferente.

EDUARDO: Somos pessoas normais. Nada de diferente (rsrs).

JOAQUIM: Você é diferente sim, eu até já sei agora quem me deu esse casaco, foi você, não foi?

EDUARDO: Eu percebi que você estava com muito frio naquele primeiro dia. Só quis ajudar.

JOAQUIM: E ajudou muito, agora eu posso agradecer pessoalmente. Muito obrigado!

EDUARDO: Isso não foi nada.

ANA: Eduardo, eu gostei muito dessa história, quero ouvir mais sobre Jesus!

PATRÍCIA: Eu também!

JOAQUIM: Eu com certeza!

EDUARDO: Combinado, podemos nos encontrar sempre na hora do intervalo para conversarmos.

PATRÍCIA, JOAQUIM E ANA: Feito. Combinado.

Toca o sinal para voltarem para aula. Eles levantam e vão embora

NARRADOR: através do exemplo e de sua história, Eduardo conseguiu mostrar o personagem que muitas vezes deixamos escondido, mas é o mais desejado entre todas as nações: Jesus Cristo. O qual é o responsável pela nossa oportunidade de salvação. Aqueles três novos amigos de Eduardo estavam descobrindo justamente isso, que Jesus é nosso Salvador.

FIM

1- Paulo

Dia mundial do desbravador 2014 – ideias para o culto

dia mundial do desbravador 2014 um personagem escondido

Vamos estruturar agora o nosso programa da manhã. A escola sabatina normalmente eu deixo a cargo dos departamentos da Igreja mesmo, o que sugiro é deixar alguns conselheiros responsáveis por ajudar os professores neste dia.

Todo o programa do culto já deve estar organizado, não deixe a Igreja esperando porque você não preparou as bandeiras, entrada dos desbravadores, músicas, ideais e etc. Seja organizado, os desbravadores são conhecidos por sua organização, deixe tudo pronto e comece pontualmente. Abaixo coloco a sugestão de sequência do programa.

Estrutura do Culto

  1. Entrada das bandeiras
  2. Entrada dos desbravadores
  3. Entrada da plataforma
  4. Ideais e hino dos desbravadores
  5. Boas vindas
  6. Oração
  7. Louvor congregacional
  8. Oração
  9. Ofertório
  10. Anúncios
  11. Momento infantil
  12. Mensagem musical especial (se possível um desbravador ou grupo de desbravadores)
  13. Sermão
  14. Musica final
  15. Oração.
  16. Saída do Clube e plataforma (se tiver uma lembrancinha, a mesma pode ser entregue à saída).

Momento infantil

O momento infantil é um momento muito especial, é a oportunidade que temos de já irmos despertando nas crianças menores o gosto pelo Clube de Desbravadores e já deixar lições valiosas para suas vidas.

Seguindo a linha do tema “Um personagem escondido”, contaremos às crianças uma história sobre Jesus. A história deverá ser contada às crianças de forma que elas só descubram no final o nome do personagem, que é Jesus.

Para isso você fará uso da imagem encoberta pela silhueta que não é possível distinguir quem é. Esta silhueta dever ser formada por peças que possam ser removidas (seis peças) e à medida que é removida vai revelando um pedaço do personagem que está ao fundo.

A imagem da silhueta com a interrogação deverá ser colocada ao centro Igreja, normalmente ali atrás do púlpito, uma imagem bem grande. Conforme o modelo abaixo.

Imagem3Ao fundo desta imagem deverá estar a figura de Jesus, no decorrer da história das crianças iremos retirando pedaços da silhueta. Escolha uma imagem de Jesus bonita e em boa resolução, tem algumas sugestões aqui que você pode usar.

Imagem1Imagem2

 

 

 

 

 

 

 

 

Nós iremos contar a história falando de fatos da vida de Jesus e a cada fato iremos retirando uma peça da silhueta, peça ajuda aos desbravadores para ir retirando as peças. Se possível, uma conselheira poderá contar esta história.

Vamos à história

Bem crianças, havia em uma cidade um casal muito temente a Deus, e eles estavam muito preocupados porque a esposa estava esperando um bebê. Quantos aqui já viram uma mulher gravida? Vocês já viram como a barriga dela geralmente fica bem grande?

Então este casal estava preocupado porque o bebê estava quase no dia de nascer, mas eles precisavam fazer uma longa viagem, e infelizmente eles não poderiam esperar para fazê-la após o nascimento do bebê. E para as mulheres que já estão quase perto de terem seus bebês, viagens podem ser muito difíceis. Então aquele casal se preparou e foi para a viagem (neste momento retirar a primeira peça do quebra cabeça).

A viagem não foi fácil, aquela mulher tinha muitas dificuldades em conseguir uma posição confortável e quando eles já estavam avistando a cidade para onde estavam indo, ela percebeu que a criança estava para nascer. O esposo desesperado começou a procurar um local onde eles pudessem ficar hospedados o mais rápido possível. (retirar a segunda peça).

Eles começaram a procurar, foram no primeiro hotel, chegaram na recepção e pediram um quarto, mas o homem informou que todos estavam ocupados. Então eles saíram e foram procurar de hotel em hotel um local onde pudessem ficar. E sabe crianças, não existia nenhum local onde eles pudessem ficar. (retirar a terceira peça).

O casal já estava desesperado porque a mulher estava para ter o bebê e eles ainda não haviam encontrado um local para ficar, foi aí que, ao baterem em outro hotel, o dono do local falou: – Eu não tenho mais quartos disponíveis, mas tem um local aqui nos fundos onde vocês podem ficar, não é um local muito agradável, mas é o único lugar que tenho. (retirar a quarta peça).

Não tendo mais alternativas, o casal aceitou o local, quando chegaram lá viram que realmente era simples, não tinha mesa, guarda-roupas, nem mesmo uma cama. O jeito foi acomodar a mulher em cima de um monte de palhas de forma que parecesse uma cama e esperar o bebê nascer. Então naquela noite, ali naquele local despreparado, a mulher teve o seu filho e nome dele é? (retirar a quinta peça). Alguém já descobriu?

Isso mesmo, esta é a história de Jesus. (retirar a ultima peça)

Crianças, Jesus nasceu em uma estrebaria, alguém sabe o que é uma estrebaria? É um local onde ficam os animais à noite. Jesus nasceu ali porque seus pais, Maria e José, não conseguiram nenhum outro lugar para ficar. Mas sabe o que é mais importante? É que Deus cuidou deles.

Jesus então cresceu e pregou para muitas pessoas por onde ele passava, fez grandes milagres e depois morreu em uma cruz para que nós pudéssemos ser salvos.

E hoje, no Dia Mundial dos Desbravadores, assim como todos os outros Clubes ao redor do mundo, os desbravadores do Clube “Nome do seu Clube” querem mostrar a todas as pessoas que nós devemos sempre seguir a Jesus

Vocês notam que pelo corredor central da Igreja tem uma trilha? Então, esta trilha termina aqui justamente onde Jesus está. Porque o melhor caminho que nós podemos seguir é o caminho que nos leva a Jesus.

Quantos aqui querem seguir pelo caminho que leva a Jesus?

Muito bem, neste momento vamos orar.

Termine com uma oração.

Deixe o rosto de Jesus descoberto que irá completar agora sua decoração da trilha, que estava passando pelo corredor central da Igreja.

Ideias para o sermão

Usaremos como base o sermão oficial do Dia Mundial dos Desbravadores que tem por título “Um personagem Escondido”.

Ilustração:

O sermão oficial já tem uma ilustração especial que usará os seguintes materiais:

  1. Tigela ou recipiente de vidro (transparente) média ou grande
  2. Uma pedra média (máximo de 500 gramas)
  3. Dois ovos de galinha.

Faça conforme é sugerido pelo sermão, a mesma é dividida em três partes, a primeira com um desafio à Igreja, a segunda com o ovo se quebrando e a terceira com o ovo sendo protegido. Se você ainda não leu o sermão, pode acessá-lo AQUI e ver como funciona a experiência.

Introdução do sermão

Esta parte é para caso você tenha conseguido montar a tirolesa dentro da sua Igreja. Antes de começar a pregar, orador deverá começar a falar sem que a Igreja o veja. Ou seja, ele estará escondido, então descera pela tirolesa até a frente da Igreja e fará o desafio da ilustração conforme está descrito no sermão.

Após lançar o desafio, o sermão é introduzido pela cena na sala de aula. Neste momento faremos uso do cenário da sala de aula, que pedimos que você montasse no post sobre ideias para a decoração. Este senário será usado agora e também no J.A especial.

O pregador falará sobre os nomes diferentes que podemos encontrar em I Crônicas capítulos 1 ao 6. Então ele mencionará o que está descrito em I Crônicas 4:9,10 (conforme o sermão).

O orador continuará

1. O nome:

a. Nos tempos antigos, todos os nomes tinham um significado. Esse era o costume e quando alguém dizia o nome, todos sabiam o significado desse nome. Por outro lado, muitas vezes o nome tinha que ver com as circunstâncias do nascimento da criança ou com seu caráter.

Imaginem uma sala de aula cheia de alunos e com uma professora que iniciará a chamada. Neste momento entra os alunos que ocuparão as mesas do cenário e uma professora que senta na cadeira do professor, começando a chamada da seguinte forma:

  • Isaque (um aluno responde presente)
  • Jacó (um aluno responde presente)
  • Esaú (um aluno responde presente)
  • Miriam (uma aluna responde presente)
  • Ester (uma aluna responde presente)
  • Dor de Parto (um aluno responde presente)

Todos os alunos começam a rir ao ouvir o nome Dor de Parto.

O pregar fala: – como é? Deixe-me ver se entendi, professora, qual o nome deste aluno?

Professora: Dor de Parto.

Pregador: pode parecer engraçado, mas este é o nome deste personagem descrito nos versos que lemos, seu nome é Jabez, que significa literalmente dor de parto.

Enquanto o pregador vai falando, todos vão deixando a cena da sala de aula.

Imagine que todas as vezes que lhe perguntavam o nome ele respondia: Jabez (“dor de parto”). Sem dúvida, todos riam dele! Pensem no dia em que Jabez foi para a escola e toda vez que conhecia um novo amigo e lhe perguntavam o nome, havia risada por todos os lados! Quando a professora fazia a chamada, ele não queria que ela chegasse no seu nome!

Continue o sermão conforme o sugerido no modelo oficial.

O sermão sugere fragmentar a oração de Jabez em cartazes para que sejam usados como ilustração ao longo do sermão. Faça isso, prepare cartazes bem bonitos que os desbravadores possam levar à frente. As frases fragmentadas da oração estão abaixo, leia o sermão atentamente para sabem em que momento usar cada uma destas frases.

  • Jabez orou ao Deus de Israel: ‘Ah, abençoa-me’.
  • “E aumenta as minhas terras!
  • “Que a tua mão esteja comigo.
  • “Guardando-me de males e livrando-me de dores”

Conclua o sermão e faça o apelo como sugerido.

Amigos, espero que tenham gostado das dicas.

Um grande abraço a todos!

1- Paulo

 

Dia mundial do desbravador 2014 – ideias para ornamentação

dia mundial do desbravador 2014 um personagem escondido

Meus amigos de lenço do Cantinho da Unidade, já faz algum tempo que não apareço por aqui. A vida vai nos prendendo na correria e quando vemos já estamos sem tempo pra nada. Mas o Dia Mundial do Desbravador está chegando (que agora de fato é mundial, rsrsrs). Eu não poderia deixar vocês sem a postagem de ideias para este dia tão especial.

O tema deste ano é “Um Personagem Escondido”. Assim que li o tema muitas ideias começaram a vir à minha cabeça, o mais difícil é organizá-las de forma a compartilhar com vocês.

Então, vamos começar por partes, desta forma acredito que consigo deixar as coisas mais claras.

Todo ano enfoco a importância de uma decoração que chame a atenção. Como esta já é praticamente uma “regra áurea”, este ano não seria diferente. A decoração precisa ser impactante, sempre gosto de dizer que a primeira impressão marca, seja de forma positiva ou negativa. Mas vamos à prática.

Saguão de entrada | Primeiramente, à porta você deverá ter um grupo de desbravadores que recepcionará os membros da Igreja.

Hall de entrada | Tente montar uma mata, onde você deverá colocar árvores, pedras, folhas, algumas barracas, uma fogueira. Nesta decoração você deverá camuflar algumas coisas, pode deixar alguma mensagem na entrada que diga: “tente encontra o que está oculto”. Então você esconderá uma porção de versos bíblicos (embaixo de pedras, atrás das árvores, camuflado por folhas, enfim, onde for possível). Os versos podem ser Salmo 119:11 “Escondi tua palavra no meu coração para não pecar contra ti”, João 17:17 “Santifica-os na tua verdade; a tua palavra é a verdade”, Salmo 119:40 “ tua palavra é muito pura; portanto, o teu servo a ama” e outras que você jugar interessante.

Imagem6

Imagem7

Imagem8

Corredor central | Saindo da mata da entrada, a ideia este ano é fazer um corredor com cordas entrelaçada entre os bancos e no meio fazer uma trilha como se fosse uma trilha de caminhada dos desbravadores, com galhos, folhas, sinais de pistas e etc.

Púlpito | A Igreja deverá ter na parte direita uma sala de aula com carteiras e uma mesa de professor, se possível um quadro. Na parte esquerda uma biblioteca com sofás e uma estante com livros. No centro deverá ter o púlpito e a frente dele você pode destacar o tema bem grande (um personagem escondido) e colocar um ponto de interrogação em uma imagem em formato de silhueta (aquelas imagens pretas que mostram o perfil das pessoas). Esta imagem pode ser colocada na parede atrás do púlpito. Esta imagem deverá ter peças que serão removíveis revelando um personagem escondido (no caso Jesus Cristo). No post sobre o momento infantil explicarei como esta imagem será revelada.

Imagem1

Imagem2

Imagem3

Imagem4

Imagem5

Nas paredes da Igreja você deverá colocar imagens de silhuetas com pontos de interrogação, justamente para se criar a ideia do personagem escondido.

Na nossa Igreja iremos montar também uma tirolesa. Como a nossa cabine de som fica no mezanino, na parte de trás da Igreja, iremos montar uma tirolesa, saindo da cabine de som e chegando ao púlpito. Esta é uma ideia opcional, no próximo post irei explicar melhor a utilização dela.

Amigos, estas são as ideias para a decoração, agora vou tentar correr contra o tempo para escrever sobre o J.A, ideias para o sermão e momento infantil. Orem por mim, porque o tempo é curto e os desafios são grandes.

Um grande abraço!

1- Paulo

Mensagem especial

Amigos desbravadores e líderes!

O tão esperado Dia Mundial do Desbravador está chegado! Para isso, o pr. Udolcy Zukowski, líder dos desbravadores da Divisão Sul-Americana, gravou uma mensagem especial para todos nós! Além da mensagem, lançou um desafio que acredito ser do interesse de todos aqui, quem participar estará concorrendo (por sorteio) a 5 vagas para o V Campori da Divisão Sul-Americana, que ocorrerá em janeiro de 2019!

Confira você mesmo:

 1- Alberto

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...