Archive | December 2010

Especialidades – Revisão, tradução e criação

Gente, aqueles que tiverem interesse em participar do nosso grupo de discussão sobre a revisão, tradução, adaptação e criação de novas especialidades, por favor, inscrevam-se no portal: www.desbravaclube.com.br e em seguida é só acessar o GRUPO.

Quanto mais pessoas se disponibilizarem para o trabalho, mais rápido ele será feito e melhor ele será. Se você não tem interesse em participar de toda a discussão, mas tem uma ou mais especialidades em específico que vocês gostariam de revisar, é só postar no Grupo, mandar um email: allasouju@gmail.com ou deixar um comentário neste post.

Um abraço a todos e contamos com o apoio de vocês.


O livro perigoso para garotos

Há algum tempo que venho namorado este livro nas livrarias. É simplesmente muito bom para trabalhar com as crianças (neste caso, os garotos).

O livro trata sobre vários assuntos: história, códigos secretos, aventuras, gramática, brincadeiras, como montar brinquedos, curiosidades, astronomia e muitas outras coisas. Inclusive, uma das vezes que estava foleando,  uma das suas partes é sobre os Dez Mandamentos e, por incrível que pareça, estavam corretos e com uma descrição muito fiel! Isso me deu ainda mais credibilidade para falar sobre ele.

Bem, mas mesmo assim, ele ainda têm algumas coisinhas que fogem um pouco da nossa filosofia, como, por exemplo, a questão das idades geológicas. Por isso mesmo, acho que o livro é completamente adequado para todos os conselheiros terem, mas não para os desbravadores. Pois assim os conselheiros poderão filtrar o que acharem de mais interessante e adotar no cantinho da unidade, por exemplo.

Realmente vale a pena conferir!

Sinopse: Quantos outros livros podem ensinar a construir sua própria casa na árvore, jogar pôquer ou escrever com tinta invisível? ‘O livro perigoso para garotos’, de Conn e Hal Iggulden, resgata brincadeiras antigas, truques, jogos, revela curiosidades sobre o sistema solar, batalhas famosas e histórias de personagens que são exemplos de coragem e bravura. Uma mistura de almanaque, enciclopédia e manual de sobrevivência para meninos, é o primeiro livro de Conn Iggulden escrito em parceria com seu irmão, Hal Iggulden. A obra é uma homenagem dos dois às longas tardes de verão de sua juventude, contendo informações vitais para pais e filhos, e homens de todas as idades. Ao longo da produção do livro, os autores reviveram esses momentos, refazendo todas as etapas das brincadeiras – montaram aviões de papel, lanternas de bolso, fizeram uma roupa à prova de fogo e até construíram uma casa na árvore. Como nas demais edições ao redor do mundo, foram criados alguns novos capítulos para este livro e informações foram adaptadas para o público leitor brasileiro. Entre as novidades, batalhas famosas do Brasil, mapas do Brasil, citações de Machado de Assis e novas histórias de personagens extraordinários – Amyr Klink (O viajante solitário), Santos-Dumont (Uma aventura no céu), Percy Harrison Fawcett (Mistério na selva) e Os irmãos Villas-Bôas (Os irmãos Villas-Bôas e a marcha para o Oeste).

Fonte: Livraria Cultura

Valores:

Livraria Cultura, R$ 69,90

Livraria Saraiva, R$ 55,90

Livraria Leitura, R$ 69,90

Companhia dos Livros, R$ 55,57

Americanas.com, R$ 52,90 

Especialidades – Revisão, tradução e criação

Muitas especialidades do nosso “atual” Manual de Especialidades precisam urgentemente de revisão, sem contar que precisamos de novas especialidades para o nosso país.

O Clube de Desbravadores tem espaço para isso. O próprio manual prevê a revisão e criação de novas especialidades. Estamos bem atrasados em relação a outras Divisões do mundo, como a Divisão Norte Americana ou mesmo o Departamento da Conferência Geral.

A edição de um novo Manual é competência da Divisão Sul Americana. Muitos já devem ter ouvido falar sobre possíveis revisões, mas não temos nenhum parecer oficial. Então, o que podemos fazer?

Bem, com o objetivo de discutir sobre a revisão das especialidades existentes, tradução de especialidades de outras Divisões e criação de novas especialidades, o líder Mateus Campos criou no portal DesbravaClube um grupo para trabalhar esse assunto tão delicado. Não é oficial, mas a idéia é, quando tivermos um trabalho mais sólido, poder apresentá-lo para a Divisão. Mas para isso, contamos com o apoio de todos os líderes interessados.

O Portal DesbravaClube é uma rede social para desbravadores e líderes. É necessário fazer um cadastro (gratuito) e então é só se inscrever no Grupo. Ele também tem um fórum, onde podemos discutir assuntos importantes sobre o Clube. Para acessar o grupo clique AQUI.

Essa já é uma idéia que alimentamos há algum tempo, então, vamos tirá-la do papel (ou do post! rsrs) e vamos ajudar na revisão do nosso Manual de Especialidades. Sugestões são sempre bem-vindas!


Especialidades de Estudo da Natureza, coleções e legislação ambiental

Entre os objetivos do Clube de Desbravadores está o de edificar na vida do desbravador uma apreciação sadia e amor à criação de Deus, e as especialidades de Estudo da Natureza são uma das formas de atingir esse objetivo. Entrar em contato com a natureza realmente desenvolve nas pessoas uma apreciação à criação de Deus. Por isso é muito importante que haja equilíbrio entre teoria e prática nas especialidades.

As coleções biológicas são muito importantes não só para o conhecimento da biodiversidade, mas também para o ensino. Por isso existem dois tipos básicos de coleções: científica e didática. O ato de colecionar insetos, em especial borboletas, já foi um hobby muito popular no séc. XIX, mas como as pessoas têm cada vez menos tempo e menos ambientes naturais próximos às suas casas, esse hobby vem perdendo sua popularidade.

A criação de animais é um hobby ainda mais popular no mundo inteiro. A criação de animais silvestres vem crescendo a cada ano, e possui um importante papel, tanto na conservação da biodiversidade quanto na pesquisa científica.

Um ponto que deve ser observado, tanto para coleções biológicas quanto criação de animais silvestres em cativeiro, é o aspecto legal da atividade escolhida. Entre as principais leis brasileiras sobre a fauna está a Lei 9.605/98, também conhecida como Lei de Crimes Ambientais, a Lei 5.197/67, também conhecida como Lei de Proteção à Fauna, o Decreto 3179/99 e o Decreto 6.514/2008.

Outro objetivo pretendido pelo Clube de Desbravadores é desenvolver nos desbravadores noções de cidadania. Uma das formas que temos de expressar a cidadania é por meio da obediência às leis do País. Portanto devemos observar esses aspectos no desenvolvimento de nossas atividades, pois a total filosofia dos Desbravadores é constituída sobre a promessa de que “crianças aprendem melhor pelo exemplo do que por preceitos”.

Não tenho a pretensão de esgotar este extenso assunto neste pequeno artigo, apenas deixar alguns pontos a serem observados no cumprimento de algumas especialidades.

As especialidades que tem coleção biológica ou criação como requisito obrigatório ou alternativo são as seguintes: Anfíbios, Aracnídeos, Aves de Estimação, Insetos, Insetos – Avançado, Invertebrados Marinhos, Mariposas e Borboletas, Peixes, Pequenos Animais de Estimação e Répteis.

Para as especialidades de Anfíbios, Aracnídeos, Aves de Estimação, Insetos, Insetos – Avançado, Mariposas e Borboletas, Pequenos Animais de Estimação e Répteis pode-se aplicar o Art. 29 da Lei 9.605/98. Na especialidade de Invertebrados Marinhos aplicam-se os artigos 34, 35 e 36 da Lei 9.605/98 e a Lei 11.959/2009 (que, entre outras coisas, regula a atividade pesqueira). Na especialidade de Peixes aplicam-se os Artigos 34 e 35 da Lei 9.605/98 e a Lei 11.959/2009.

Os artigos 29, 34, 35 e 36 da Lei 9.605/98, considerados os mais relevantes para o tema, estão abaixo transcritos.

Art. 29. Matar, perseguir, caçar, apanhar, utilizar espécimes da fauna silvestre, nativos ou em rota migratória, sem a devida permissão, licença ou autorização da autoridade competente, ou em desacordo com a obtida:

Pena – detenção de seis meses a um ano, e multa.

§ 1º Incorre nas mesmas penas:

I – quem impede a procriação da fauna, sem licença, autorização ou em desacordo com a obtida;

II – quem modifica, danifica ou destrói ninho, abrigo ou criadouro natural;

III – quem vende, expõe a venda, exporta ou adquire, guarda, tem em cativeiro ou depósito, utiliza ou transporta ovos, larvas ou espécimes da fauna silvestre, nativa ou em rota migratória, bem como produtos e objetos dela oriundos, provenientes de criadouros não autorizados ou sem a devida permissão, licença ou autorização da autoridade competente.

§ 2º No caso de guarda doméstica de espécie silvestre não considerada ameaçada de extinção, pode o juiz considerando as circunstâncias, deixar de aplicar a pena.

§ 3º São espécimes da fauna silvestre todos aquele pertencentes as espécies nativas, migratórias ou quaisquer outras, aquáticas ou terrestres, que tenham todo ou parte de seu ciclo de vida ocorrendo dentro dos limites do território brasileiro, ou águas jurisdicionais brasileiras.

§4º A pena é aumentada de metade, se o crime é praticado:

I – contra espécie rara ou considerada ameaçada de extinção, ainda que somente no local da infração;

II – em período proibido à caça;

III – durante a noite;

IV – com abuso de licença;

V – em unidade de conservação;

VI – com emprego de métodos ou instrumentos capazes de provocar destruição em massa.

§5º A pena é aumentada até o triplo, se o crime decorre do exercício de caça profissional.

§6º As disposições deste artigo não se aplicam aos atos de pesca.

Art. 34. Pescar em período no qual a pesca seja proibida ou em lugares interditados por órgão competente:

Pena – detenção de um ano a três anos ou multa, ou ambas as penas cumulativamente.

Parágrafo único. Incorre nas mesmas penas quem:

I – pesca espécies que devam ser preservadas ou espécimes com tamanhos inferiores aos permitidos;

II – pesca quantidades superiores às permitidas, ou mediante a utilização de aparelhos, petrechos, técnicas e métodos não permitidos;

III – transporta, comercializa, beneficia ou industrializa espécimes provenientes da coleta, apanha e pesca proibidas.

Art. 35. Pescar mediante a utilização de:

I – explosivos ou substâncias que, em contato com a água, produzam efeito semelhante;

II – substâncias tóxicas, ou outro meio proibido pela autoridade competente:

Pena – reclusão de um ano a cinco anos.

Art. 36. Para os efeitos desta Lei, considera-se pesca todo ato tendente a retirar, extrair, coletar, apanhar, apreender ou capturar espécimes dos grupos dos peixes, crustáceos, moluscos e vegetais hidróbios, suscetíveis ou não de aproveitamento econômico, ressalvadas as espécies ameaçadas de extinção, constantes nas listas oficiais da fauna e da flora.

Anfíbios. Cuidar dos ovos de anfíbios e observar seu ciclo de crescimento. 

Art. 29, §1º, inciso III. É considerado crime, exceto quando possuir permissão, licença ou autorização de autoridade competente.

Aracnídeos. Colecionar, identificar e preservar, pelo menos, 16 espécies de aranhas.

Insetos. Montar ou fotografar uma coleção de 20 espécies de insetos representando pelo menos seis ordens diferentes.

Insetos – Avançado. Acrescentar à sua coleção atual, 50 insetos representando pelo menos dez ordens diferentes.

Mariposas e Borboletas. Fazer uma coleção de 25 mariposas e borboletas, com não mais que dois espécimes de cada variedade.

Art. 29, caput ou Art. 29, §1º, inciso III (em caso de compra). É considerado crime, exceto quando possuir permissão, licença ou autorização de autoridade competente.

Aves de Estimação. Manter um pássaro, ou um casal de pássaros por, pelo menos, seis meses.

Art. 29, caput ou Art. 29, §1º, inciso III (em caso de compra). Não é considerado crime, desde que sejam utilizadas espécies consideradas domésticas (Portaria do IBAMA nº 93/98), compradas em criadouros autorizados (Criadouros Comerciais) ou caso seja um criador amadorista (SISPASS).

Pássaros considerados domésticos: calopsita (Nymphicus hollandicus), canário-do-reino ou canário-belga (Serinus canarius), diamante-de-gould (Chloebia gouldiae), diamante-mandarim (Taeniopygia guttata), manon (Lonchura striata), periquito-australiano (Melopsittacus undulatus), phaeton (Neochmia phaeton), pomba-diamante (Geopelia cuneta) e pombo-doméstico (Columba livia).

Invertebrados Marinhos. Fazer uma coleção de pelo menos nove animais do litoral…

A Lei 11.959/2009 define que é necessária prévia autorização para pesca, e o ato de coletar os animais para a coleção do requisito 2 da especialidade é considerada pesca segundo esta Lei e segundo a Lei 9.605/98. O art. 34, parágrafo único, inciso III define como crime o transporte e comercialização, de espécimes provenientes da pesca proibida. Os artigos 34 (exceto o inciso III, parágrafo único) e 35 definem o que é considerado pesca proibida.

Peixes. Montar um aquário de, no mínimo, 20 litros, com quantidade equilibrada de plantas e peixes, e manter alguns deles pelo menos durante seis meses.

O art. 34, parágrafo único, inciso III define como crime o transporte e comercialização, de espécimes provenientes da pesca proibida. Os artigos 34 (exceto o inciso III, parágrafo único) e 35 definem o que é considerado pesca proibida. A Lei 11.959/2009 define que é necessária prévia autorização para pesca.

O cuidado a ser tomado neste item é o de comprar peixes em locais confiáveis, que não tenham seus peixes provenientes de pesca proibida.

Pequenos Animais de Estimação. Manter um pequeno animal de estimação pelo menos durante 6 meses.

Art. 29, caput ou Art. 29, §1º, inciso III (em caso de compra). Não é considerado crime, desde que sejam utilizadas espécies consideradas domésticas (Portaria do IBAMA nº 93/98) ou compradas em criadouros autorizados (Criadouros Comerciais).

Entre os animais listados na especialidade, são considerados domésticos: camundongo (Mus musculus), chinchila (Chinchilla lanígera), coelho (Oryctolagus cuniculus), hamster (Cricetus cricetus), porquinho-da-índia (Cavia porcellus) e rato (Rattus rattus).

O furão ou ferret (Mustela putorius furo) pode ser criado como animal de estimação. Eles devem ser importados, obedecendo a Portaria do IBAMA nº 163/98.

O gerbo, gerbil ou esquilo-da-mongólia é um roedor nativo da Mongólia. Pela Portaria do IBAMA nº 93/98 é proibida a importação de roedores como animais de estimação e é considerado crime a introdução de espécime animal no País sem parecer favorável e licença expedida por órgão competente (Art. 31, Lei 9.605/98).

Répteis. Manter um pequeno réptil num terrário e fazer um relatório de seus cuidados, durante pelo menos três meses.

Art. 29, caput ou Art. 29, §1º, inciso III (em caso de compra). Não é considerado crime, desde que sejam utilizadas espécies compradas em criadouros autorizados (Criadouros Comerciais).

Entre as 10 especialidades listadas acima, a única que a proibição de atividade impede o cumprimento da especialidade como está no Manual é a de Invertebrados Marinhos. Para substituição deste requisito sugere-se fotografar os animais em vez de capturá-los (fazer uma “coleção” fotográfica), pois assim ainda há o contato com a natureza sem entrar em conflito com a legislação. As especialidades de Aracnídeos, Insetos, Insetos – Avançado e Mariposas e Borboletas já prevêem a substituição da coleção biológica por fotografias ou desenhos.

As especialidades que tem requisito de criação de animal não possuem impedimento legal, apenas restrições, pontos que devem ser observados ao adquirir um animal. Também precisamos observar o cuidado com os animais, pois praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar quaisquer animais é considerado crime (Art. 32, Lei 9.605/98).

Licenças para coletas de animais silvestres, para fins científicos ou didáticos, podem ser concedidas somente a cientistas e profissionais devidamente qualificados, pertencentes a instituições brasileiras públicas e privadas credenciadas ou por elas indicadas. A licença para coleta de material da nossa fauna e flora destinado a fins científicos ou didáticos é concedida de acordo com a Portaria do IBAMA n.º 332/90. Os animais considerados como recursos pesqueiros possuem outro regime de licença, definida pelo Ministério da Pesca e Aqüicultura (MPA).

Para sugestões, reclamações ou dúvidas, tanto em relação a este artigo quanto a outras especialidades, deixem um comentário ou enviem um e-mail para: mateus_mbs@yahoo.com.br

Links relacionados:

http://www.desbravadores.org.br/

Dúvidas e Perguntas Freqüentes sobre Fauna

Criadouros de animais silvestres

Legislação sobre o Tráfico de Animais Silvestres

SISPASS – Perguntas mais Freqüentes

Lista de Criadouros Comerciais, exceto para o estado de São Paulo

Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998

Lei nº 11.959, de 29 de junho de 2009

Portaria nº 93, de 07 de julho de 1998

Portaria nº 163, de 06 de dezembro de 1998

Portaria n.º 332, de 13 de março de 1990

Nota: Se você preferir, clique AQUI para baixar o arquivo em formato PDF.

Nota do autor: Uma atividade interessante que pode ser realizada é visitar lugares que tenham coleções biológicas referentes às especialidades (Museus, Universidades). Talvez agendar a visita de uma forma que um especialista dê a aula sobre a especialidade. É uma excelente forma de aprendizado, bem como boa maneira de divulgar o Clube e a Igreja para outras pessoas.

Relatório de Investidura

Estamos praticamente no final do mês. Mais um ano correu. Provavelmente todos os Clubes já fizeram as suas investiduras e já estão de férias. Muitas especialidades, classes, insígnias de excelência e lenços foram entregues. Até aqui tudo bem, a diretoria conhece exatamente quem foram os desbravadores que receberam cada emblema, mas e se o desbravador se mudar ou ele precisar provar que tem essas insígnias daqui a alguns anos? Ele tem como?

Isso depende da diretoria de cada Clube. Um item indispensável ao final do ano, e que poucos Clubes praticam, é fazer um relatório da investidura e anexar ao livro de atas. O relatório é simples, no mesmo modelo que uma ata da Igreja, deve conter na identificação a data, o nome do Clube, a qual Igreja pertence, horário de início e fim da programação. Em seguida, devem ser discriminados quais emblemas foram recebidos e por quem, de forma que estas informações estarão para sempre registradas no Clube.

Os Clubes precisam criar o hábito de criar a sua história. Infelizmente muitos anos se passam e a história deles vai se perdendo no tempo. Não se sabe mais os eventos participados, quem era do Clube, quem foi investido e em que… Cabe à secretaria do Clube manter um registro de tudo o que acontece, para que independente de 1, 5, 10, 15, 30, 50 anos ou mais, qualquer membro possa pegar os registros e saber do legado que o Clube produziu neste tempo.

Acabei de concluir o relatório de investidura do Clube Bandeirantes. Clique AQUI para baixá-lo, para vocês poderem usar como modelo.

Pasta de líder – como elaborar relatórios

Todos os líderes, para poderem ser investidos, precisam elaborar uma pasta com o relatório de todos os requisitos cumpridos. Essa, depois da prova de doutrinas e do Nossa Herança, é a grande preocupação dos aspirantes, afinal, é através dela que a Associação, União ou Divisão irão aprovar ou não a investidura.

Mas não precisamos também entrar em pânico. Na verdade, é bem simples conseguir fazer um relatório satisfatório. Ele é composto por detalhes, e se esses detalhes forem observados, farão a diferença no relatório. Alguns alegam inclusive que esses relatórios são desnecessários, pois o importante é que ele cumpriu o requisito. Entretanto, o relatório não é um fim em si mesmo, ele serve tanto para se ter um registro das atividades quanto para produzir conhecimento que poderá ser utilizado por outros líderes. Realmente uma pasta não faz um bom líder! Mas, um bom líder, certamente se esforça para fazer uma boa pasta!

Então, já que não tem como fugir mesmo, vamos a algumas dicas para ajudar aqueles que estão se preparando para a investidura:

1. Faça o relatório assim que você concluir a atividade. Quanto mais tempo passar entre o relatório e o cumprimento do requisito, menos detalhes serão lembrados e mais pobre será o seu trabalho. Se assim que você concluir o requisito você fizer o relatório, certamente será mais fácil lembrar do que aconteceu e dificilmente faltarão esses pequenos detalhes. Tive a prova disso em novembro deste ano, no acampamento do clube Bandeirantes. No último dia, pedimos que eles já fizessem o relatório do acampamento no caderno de atividades deles. Muitos reclamaram que faltou espaço! Sendo que em outras ocasiões eles reclamavam que eram muitas linhas! Aproveite enquanto estiver tudo fresco na sua mente.

2. Não poupe os detalhes. Pode parecer desnecessário, mas quanto mais detalhes você colocar, ainda mais rico ficará o seu relatório. Lembre-se: o material que você irá produzir, não servirá apenas para a sua investidura, mas também será um material de consulta a outros líderes, portanto, quanto mais detalhado for, melhor para uma pesquisa futura. Por exemplo, se você descreveu com detalhes o que foi feito no acampamento interno, quando você for fazer um outro acampamento, talvez no ano seguinte, você pode consultar o anterior na sua pasta, o que facilitará o planejamento.

3. Ande a segunda milha. Não se prenda à pequenez do requisito. Eles são o mínimo que você precisa fazer para ser um líder. Vá além, tanto no cumprimento quanto no relatório. Faça pesquisas sobre o assunto, leia livros, discuta com outros líderes. Complemente seu relatório com o resultado da sua pesquisa. Por exemplo, no requisito de ser Conselheiro por pelo menos 1 ano, o Líder Mateus andou a segunda milha. Ele fez uma pequena descrição da personalidade de cada desbravador da unidade dele. Isso não pede no requisito, mas ele foi além. Quando o avaliador pega um material desses, ele já passa a olhar o líder com outros olhos, pois vê que ele se esforçou para fazer o melhor.

4. Contextualize. Sempre procure contextualizar o relatório, de forma que quem for avaliá-lo possa entender perfeitamente em que condições o requisito foi cumprido. Não esqueça de citar locais, horários, pessoas envolvidas, datas (completas, inclusive o ano!). Quem for ler o relatório deve entender exatamente o que aconteceu.

5. Faça uma aplicação pessoal / espiritual. Ao final do relatório, faça uma aplicação pessoal e/ou espiritual sobre o que você aprendeu ao cumprir o requisito, como ele afetou a sua vida. Faça também uma avaliação em linhas gerais. Dessa forma você poderá ver o que deu certo e o que pode ser melhorado, para que da próxima vez você faça um trabalho ainda melhor.

6. Peça a opinião de outras pessoas. Algumas falhas podem passar desapercebidas pelo aspirante à Líder e pelo seu Regional, e podem ser corrigidas facilmente assim. Seria interessante mostrar o relatório para alguém que tenha te acompanhado na execução do item, pois ele pode ter uma visão mais construtiva.

Resumindo: Faça o relatório assim que cumprir a atividade. Contextualize o seu material, de acordo com a realidade em que foi cumprido. Não poupe os detalhes. Ande a segunda milha, pesquise, leia, discuta, procure novas opiniões. Faça uma avaliação final e uma aplicação espiritual e/ou pessoal sobre o que você aprendeu e peça para alguém de fora dar uma olhada, para que possíveis erros sejam corrigidos.

Para facilitar e deixar mais prático os conceitos acima, a seguir está o referido relatório sobre Ser conselheiro por pelo menos 1 ano, da pasta do líder Mateus Barros e Silva Campos, do Clube Bandeirantes.


Comecei como conselheiro associado com 17-18 anos. Atualmente tenho 23 anos, e tenho mais simpatia pelo cargo do que eu tinha seis anos atrás, quando não me considerava um bom Conselheiro nem tinha muita atração pelo cargo. Essa maior simpatia por ser Conselheiro se deve por me considerar mais capaz e maduro agora, e também por entender melhor a importância da Unidade e dos Conselheiros dentro de um Clube de Desbravadores. 

No ano de 2009 havia duas Unidades masculinas no Clube, Rubi (10-12 anos) e Diamantes (13-15 anos). Eu era Conselheiro da Unidade Rubi. Porém, a diretoria achou melhor reunir as duas Unidades em uma só, pelo número de Desbravadores. O José Henrique era o Conselheiro da Unidade, e eu o Conselheiro Associado. Nesse ano, as Classes eram trabalhadas dentro da Unidade, exceto as Especialidades, que eram de responsabilidade do Clube. Apenas o Lucas Teodoro investiu em Classe, porém outros desbravadores ficaram com poucos itens pendentes e podem ser investidos neste ano. 

No ano de 2010, o Clube voltou a ter as duas Unidades masculinas, e voltei a ser Conselheiro da Unidade Rubi, tendo o Gidiel como Conselheiro Associado. A unidade é composta por 5 Desbravadores: Ítalo, Gabriel, Lucas, Luiz Henrique e Nathan. O Capitão da Unidade é o Ítalo, que também é um dos mais novos da Unidade. O Secretário é o Gabriel. 

O Gidiel é um bom Associado, porém meio ausente. Tem facilidade de prender atenção dos garotos, é bem animado e bem humorado. 

Os garotos são inteligentes, agitados, não são tão pró-ativos, mas costumam atender quando se pede para fazerem alguma coisa. Respeitam a pessoa que está à frente da Unidade, desde que a pessoa não abuse de autoridade e fique sem fazer nada, são unidos, e justamente por esses motivos não se importam muito com cargos dentro da Unidade. O fato de eles não se importarem com os cargos dentro da Unidade tem um aspecto negativo, de que eles praticamente não fazem nada sem que seja pedido, e isso pode ser ruim para eles no futuro. Porém isso pode ser facilmente suprido dentro do sistema de Unidades, tanto por meio de cargos quanto de atividades. 

Apesar de terem personalidades parecidas, possuem suas peculiaridades: 

O Luiz Henrique é quem eu conheço há mais tempo, entrou no Clube em 2007, ficou fora em 2008 e voltou em 2009. Tem 13 anos, mas prefere fazer parte da Unidade Rubi que da Unidade Diamantes, pois prefere as conversas e brincadeiras dos mais novos, e se relaciona muito bem com todos na Unidade. É um “cientista” nato, sempre quer saber como funcionam as coisas, o porquê das coisas, gosta de aprender coisas novas. Ele também tem um papel de liderança dentro da Unidade, nem tanto por conta da idade, mas principalmente pela personalidade. Sempre está à frente das atividades, sempre dá idéias, e é muito participativo. 

O Nathan e o Ítalo são irmãos, e são bem parecidos. O Nathan tem 11 anos e começou a participar do Clube em 2009, mas meio ausente. Por isso só passei a conhecê-lo melhor agora, que sou Conselheiro e professor dele nos Juvenis. Assim como o Luiz Henrique, gosta de questionar, é bastante ativo e participativo. O Ítalo entrou no Clube este ano, é mais calado, mais observador, porém também é bastante ativo e participativo. 

O Gabriel entrou no Clube este ano. É um garoto bastante calado e introspectivo, não consegue ficar muito tempo parado e tem facilidade de memorizar versos. 

O Lucas também tem 13 anos, já tinha participado do Clube em 2007, saiu e só voltou agora em 2010. É bastante inteligente, bastante ativo, tem iniciativa de fazer as coisas. É o único garoto da Unidade que não é da Igreja, e precisa de uma atenção especial caso comece a faltar, já que não tem a família como incentivadora. 

O acampamento realizado no primeiro semestre foi bastante agradável do ponto de vista de convivência e conhecimento da Unidade. Foi lá que eu comecei a conhecê-los melhor e conviver com eles, e continuei no Clube e na Escola Sabatina. Até o momento, tenho deixado a desejar em relação às atividades fora do Clube, porém pretendo mudar esse ponto falho. 

Uma prática interessante que adotamos no Cantinho da Unidade foi a realização de meditação matinal no domingo. Eu considero a meditação dentro do Cantinho da Unidade mais proveitosa que feita com o Clube todo reunido, pois abre espaço para conversa com os meninos sobre o tema da meditação. Costumamos também fazer brincadeiras nesse espaço, algo para nos conhecermos e ficarmos mais próximos. 

Após as férias, fiquei como Conselheiro Associado, pois estava bastante atarefado, como instrutor no Clube, professor nos Juvenis e finalizando o Trabalho de Conclusão de Curso na faculdade. O atual Conselheiro é o Eduardo, que chamamos de Duda. Desde que comecei a trabalhar como conselheiro, eu tenho aprendido bastante sobre relacionamento com juvenis, e ainda tenho muito a aprender. Tenho alguns pontos a corrigir, principalmente no que se refere a atividades fora das reuniões. Tive vários Conselheiros no tempo em que fui Desbravador, e tenho neles exemplos de como devo ser como Conselheiro.

Nota: Se vocês tiverem mais alguma dica ou ideia para ajudar os novos líderes a fazerem a pasta, compartilhe conosco!


Regulamento do IV Concurso Bom de Bíblia da Divisão Sul Americana

Gente, confiram o regulamento do IV Concurso Bom de Bíblia da DSA, edição para os universitários.

I. CONCURSO

1. Geral

a. Este é o Regulamento para o IV Concurso Bom de Bíblia, promovido pelo Ministério Jovem da Divisão Sul-Americana da IASD;

b. O Concurso é para os países que fazem parte da Divisão Sul-Americana: Argentina, Brasil, Bolívia, Chile, Equador, Paraguai, Peru, Uruguai.

c. Em 2011 o concurso será direcionado exclusivamente para Jovens Adventistas Universitários; 

d. O Ministério Jovem dos Campos, Departamentais, Pastores, Regionais e Diretores de Jovens serão os responsáveis por promover, incentivar e realizar as provas do concurso, conforme cada etapa.

2. Objetivos

a. Exaltar a Palavra de Deus, a Bíblia Sagrada como o livro modelo para guiar e normatizar a vida dos jovens e universitários adventistas em todo o continente Sul-Americano;

b. Resgatar a nossa identidade histórica como o “Povo da Bíblia”, onde nossos jovens eram campeões nacionais e mundiais de concursos bíblicos; 

c. Ser um poderoso instrumento de incentivo na participação do ano bíblico; 

d. Promover a comunhão com Deus, e a integração social entre os jovens Sul-Americanos.

II. INSCRIÇÃO

1. As inscrições somente poderão ser feitas no site do concurso;

2. Após o preenchimento da ficha de inscrição emitir o comprovante; 

3. Informar a inscrição ao Diretor J.A. para providenciar carta de recomendação da Comissão da Igreja local; 

4. O Diretor J.A. da sua igreja/grupo deverá informar o Regional e/ou Departamental J.A. da sua Associação/Missão, para que a quantidade de provas necessárias sejam providenciadas;

5. As inscrições serão encerradas no dia 14/03/2011 às 12h.

III. PARTICIPANTES

1. Poderão participar somente os candidatos ao concurso que preencherem todos os requisitos abaixo:

a. Ser membro batizado da Igreja Adventista do Sétimo Dia e estar vivendo conforme os princípios regidos por esta;

b. Ter entre 16 e 35 anos de idade; 

c. Ser membro regular da Escola Sabatina da Igreja; 

d. Pessoas qualificadas como Pré-Universitário, Universitário, Graduado, Pós-Graduado, Mestrado ou Doutorado; Pré-Universitário: todo aquele que estiver cursando 3º ano do Ensino Médio, ou quem tentou vestibular nos últimos 3 anos; 

e. Relação de Documentos que o Participante deverá providenciar e apresentar em todas as etapas do concurso:

Carta de recomendação da Comissão da Igreja assinada pelo pastor Distrital; 

Comprovante de inscrição emitido pelo site para o concurso dentro do prazo.

2. Não Poderão Participar

a. Os pastores, estudantes de teologia ou pessoas que exerçam funções ministeriais;

b. Obreiros e funcionários das Instituições Adventistas; 

c. Pessoas que tenham qualquer nível de graduação em teologia de um modo geral.

IV. PROVAS

1. Elaboração

As provas do IV Concurso Bom de Bíblia para Universitários serão elaboradas e preparadas por Rodrigo P. Silva, Pastor, Arqueólogo, Pesquisador e Professor no UNASP (Engenheiro Coelho – SP), Doutor em Novo Testamento pela Pontifícia Faculdade Nª Sra. de Assunção (SP), especialista em Arqueologia pela Universidade Hebraica de Jerusalém e Pós-Doutorado em arqueologia pela Andrews University (EUA).

2. Envio

Todas as provas, desempates e gabaritos serão fornecidos e enviados pelo Ministério Jovem da Divisão Sul-Americana, para todas as Uniões, e estas enviarão para os campos, e estes sucessivamente enviarão para os responsáveis pela aplicação das mesmas, conforme a etapa em andamento.

3. Fonte De Estudo (Base)

a. A base para toda a América do Sul será o Guia de Ano Bíblico Universitário preparado pelo Ministério Jovem da Divisão Sul-Americana para 2011;

b. A versão bíblica utilizada será a João Ferreira de Almeida – Revista e Atualizada para o português, e a Reina Valera edição 2000 para o Espanhol;

4. Critérios

a. As provas serão sempre cumulativas quanto ao conteúdo, mas respeitando o período do Ano Bíblico. Portanto, à medida que as etapas vão acontecendo, também irá aumentando o grau de dificuldade, visto que o conteúdo sempre corresponderá do Início do Ano Bíblico até alguns dias antes da etapa em curso. Sendo que na etapa final será uma prova de todo o Ano Bíblico (Genesis 1 a Apocalipse 22).

b. Todas as provas, desempates e gabaritos serão providenciadas e enviadas pelo Ministério Jovem da Divisão Sul-Americana, para todas as Uniões, e estas enviarão para as Campos, e estes sucessivamente enviarão aos responsáveis pela aplicação da mesma conforme as etapas em curso.

c. As provas deverão ser aplicadas sem exceção nas datas já previstas para cada etapa;

d. Cada prova informará as regras de aplicação e o tempo limite. Estas informações deverão ser respeitadas e seguidas;

e. Não será permitida a utilização Bíblias durante as provas;

f. O participante não poderá ter a mão durante a prova qualquer equipamento eletrônico: Celular, Iphone, Ipod, Iped, computador, MP3, MP4, etc;

g. As provas não serão diferenciadas por sexo ou grau de escolaridade;

h. Não será permitida a participação e ou auxílio de qualquer outra pessoa durante a aplicação das provas. Se houver qualquer tipo de ajuda ou interferência que beneficie o participante, este correrá o risco de ser desclassificado a qualquer momento;

i. Da primeira até a oitava etapa, os campos Associação/Missão ficarão livres para decidir a forma (critério) de aplicação das provas, se oral ou por escrito e a solução aplicada para eventuais exceções a este regulamento;

5. Desempates

a. Somente da primeira a quarta etapa (Igreja Local) a pontuação será acumulativa, nas demais etapas a pontuação será de acordo com o desempenho individual, etapa por etapa;

b. A partir da quarta etapa serão provas eliminatórias por etapa, isto é, somente será aceito um ganhador, que será o representante da fase seguinte, para isto, também serão fornecidas provas de desempate;

V. PREMIAÇÃO

1º Lugar: Um Intercâmbio Internacional (passagem aérea, curso, material, estadia e alimentação na Universidade);

2º Lugar: Um intercâmbio Sul-Americano, dentro do Território da D.S.A. (passagem aérea, curso, material, estadia e alimentação na universidade);

3º Lugar: Um Notebook e uma Impressora.

VI. ETAPAS DO CONCURSO

O IV Concurso Bom de Bíblia Universitário terá nove etapas, são elas:

1ª Etapa: IGREJA LOCAL – 26 de Março (Genesis 1 a Juízes 16): Esta etapa será executada e ou coordenada pelos líderes da igreja (Ancião/Ancião Jovem/Diretor J.A. ou Conselheiro J.A.), nesta fase não há limite de participantes;

2ª Etapa: IGREJA LOCAL – 30 de Abril (Juízes 17 a II Reis 8): Esta etapa será executada e ou coordenada pelos líderes da igreja (Ancião/Ancião Jovem/Diretor J.A. ou Conselheiro J.A.), a pontuação é acumulativa, então ainda nesta etapa serão aceitos os participantes já inscritos mas que estiveram ausentes;

3ª Etapa: IGREJA LOCAL – 28 de Maio (II Reis 9 a II Crônicas 36): Esta etapa será executada e ou coordenada pelos líderes da igreja (Ancião/Ancião Jovem/Diretor J.A. ou Conselheiro J.A.), a pontuação é acumulativa, então ainda nesta etapa serão aceitos os participantes já inscritos, mas que estiveram ausentes;

4ª Etapa: IGREJA LOCAL – Final de Igreja – 25 de Junho (Esdras 1 a Salmos 39): Esta etapa será executada e ou coordenada pelos líderes da igreja (Ancião/Ancião Jovem/Diretor J.A. ou Conselheiro J.A.), a pontuação é acumulativa, nesta etapa final de igreja, deverá sair somente um representante da Igreja para a etapa de Distrito;

5ª Etapa: DISTRITO – 23 de Julho – (Salmos 40 a Provérbios 31): Esta etapa será executada e/ou coordenada pelo Pastor Distrital junto aos Diretores J.A. de cada Igreja participante, nesta etapa deverá sair somente um representante do Distrito para a etapa de Região;

6ª Etapa: REGIÃO – 20 de Agosto (Eclesiastes 1 a Jeremias 19): Esta etapa será executada e ou coordenada pelo Regional J.A. da Região, acompanhada pelos Diretores de Jovens e se possível dos Pastores Distritais, em local pré-definido e informado. Nesta etapa deverá sair somente um representante da Região para a etapa de Associação/Missão;

7ª Etapa: ASSOCIAÇÃO/MISSÃO – 17 de Setembro (Jeremias 20 a Daniel 3): Esta etapa será executada pelo Ministério Jovem da Associação/Missão, e coordenada pelo Departamental de Jovens e Diretoria da Agremiação/Associação de Universitários do campo, em local pré-definido e informado a todos os participantes. Fica a critério de cada Missão/Associação a forma de aplicação, se oral ou por escrito, desde que haja condições e não prejudique os participantes. Nesta etapa deverá sair somente um representante da Associação/Missão para a etapa de União. O campo deverá promover um evento motivador, inspirador e de valorização dos universitários. Havendo condições, o campo poderia patrocinar um premio aos participantes do concurso, ou ao finalista;

8ª Etapa: UNIÃO – 29 de Outubro (Daniel 4 a Lucas 14): Esta Etapa será executada pelo Ministério Jovem da União, em local pré-definido e informado a todos os participantes. Sugerimos que o evento seja na cidade onde fica a sede da União, com um evento/congresso que exalte a Bíblia Sagrada e valorize os participantes. Fica a critério de cada União a forma de aplicação, se oral ou por escrito, desde que haja condições e não prejudique os participantes. Nesta etapa deverá sair o finalista da União para a etapa final da Divisão. Cada União poderia patrocinar e premiar os participantes do concurso, ou somente o finalista, além de promoverem um evento motivador, inspirador e de valorização dos universitários;

9ª Etapa: DIVISÃO – FINAL – 03 de Dezembro (Genesis 1 a Apocalipse 22): Esta será a última etapa, que será executada e coordenada pelo Ministério Jovem da Divisão Sul-Americana. Todos os finalistas receberão um Certificado de participação. A premiação será para o 1º, 2º e 3º lugar.

VII. FINAL – 03/12/2011

1. A final será realizada na Universidade Peruana Unión – Peru;

2. As Uniões providenciarão as passagens para os finalistas;

3. A Divisão providenciará estadia, alimentação, tour e transporte do grupo participante durante o período programado para a final no Peru – previsão de 30/11 a 04/12;

4. O programa será transmitido ao vivo pela Rede Novo Tempo de Rádio e TV – Português e Espanhol, para toda a América do Sul;

5. Não será permitida a presença de torcidas organizadas;

6. O prêmio do 1º e 2º lugar deverá ser utilizado até o final de 2012, e do 3º lugar será entregue no seu país de origem, em virtude de trâmites legais de transporte de equipamentos.

VIII. RESPONSABILIDADES

1. Dos participantes: Inscrever-se para a etapa inicial e preencher os requisitos necessários;

2. Da Igreja: realizar um bom evento para enviar um jovem universitário para representar a Igreja na etapa do Distrito. Providenciar foto do representante;

3. Do Distrito: o Pastor distrital junto aos Diretores J.A.s promoverá um evento a fim de enviar um representante do distrito para a etapa da Região. Providenciar foto do representante;

4. Da Região: os distritais se mobilizarão para organizar o evento, a fim de enviar o representante da região para a etapa da Associação/Missão. Providenciar foto do representante;

5. Da Associação/Missão: sugerimos que esta etapa seja realizada em um de nossos internatos se possível. O Departamental J.A. e ficará responsável pela organização do evento, a fim de ser conhecido o representante da Associação/Missão para a etapa da União. Providenciar foto do representante;

6. Da União: o Departamental J.A. ficará responsável pela organização do evento, a fim de enviar o representante da União para a etapa da Divisão. Providenciar fotos do representante (individual, com o Departamental da Associação/Missão, e com o Departamental da União). No próprio evento, preparar 2 gravações com o finalista, um vídeo testemunhal de até 3 minutos (quem é o jovem, o que faz, onde vive, sonhos e planos, e o que o motivou a participar do concurso), e uma gravação de 20 a 25 segundos para edição de vídeo pela D.S.A., para a TV Novo Tempo.

Proposta 1: Eu sou FULANO DE TAL, um dos finalistas do IV Concurso Bom de Bíblia Universitário, promovido pela Divisão Sul-Americana, e eu estarei na etapa final no dia 26 de Novembro no Peru, eu estarei representando a União TAL. Convido você a assistir, não perca!

Proposta 2: Quero convidar você a assistir a Final do IV Concurso Bom de Bíblia Universitário, promovido pela Divisão Sul-Americana, será no dia 26 de Novembro diretamente do Peru. Eu sou FULANO DE TAL, sou finalista e estarei representando a União TAL. Será um programa de celebração ao Estudo da Bíblia. Contamos com você!;

7. Da Divisão: enviar informações com antecedência, e o fornecimento das provas, gabaritos e desempates em tempo hábil durante cada etapa do concurso. Também é responsabilidade da Divisão a organização da etapa final no Peru. (Elaboração de um vídeo de 30 segundos apresentando os ganhadores do Concurso).

IX. DIVULGAÇÃO

1. Cartazes nas igrejas;

2. Publicidade em Revistas;

3. Vídeos (TV) e Spots (Rádio) – Rede Novo Tempo e Nuevo Tiempo;

4. Sites: http://www.bomdebiblia.com.br/index.html e www.universitariosadventistas.org.br, www.buenoconlabiblia.com y www.universitariosadventistas.org

5. Banners: www.portaladventista.org

X. ORIENTAÇÕES FINAIS

Havendo dúvidas quanto a qualquer item deste Regulamento, ou durante as etapas do concurso, favor entrar em contato com o Ministério Jovem de sua Associação/Missão ou no site do Concurso.

Certificados de Especialidades

Muitas especialidades são aplicadas durante o ano e, independente do método de avaliação utilizado, os desbravadores aprovados recebem o direito de usá-la na faixa. Mas que instrumentos dispomos para que ele possa provar que realmente possui aquelas especialidades?

Uma alternativa é o Registro de Especialidades, disponível para compra no SELS das Associações e também em outros fornecedores de materiais de desbravadores. É um registro oficial que os instrutores assinam quais as especialidades que o desbravador concluiu. Mas um outro método também muito utilizado é a entrega de certificados.

Este último é interessante, pois quem não acha legal receber um certificado de alguma coisa?! Acho que é comum este meu sentimento, ou estou errado? Não existe um modelo padrão ou oficial, então, cada Clube pode fazer um personalizado. Acabei de terminar os certificados das especialidades que foram concluídas este ano no Clube de Desbravadores Bandeirantes. A nossa investidura é amanhã e gostaria de compartilhar com vocês o modelo. Ele foi baseado num que vi do Clube de Líderes Trovão, também da APlaC.

O arquivo é do Corel, onde vocês podem alterar a cor de fundo e a cor da linha, de acordo com as cores das especialidades. Depois é só colar a insígnia.

Clique AQUI para baixar o arquivo em Corel e AQUI para baixar a lista com a insígnia de todas as especialidades.

O modelo acima deve ser usado da seguinte maneira: nele você troca a cor do fundo e a borda, de acordo com a cor de fundo e borda da especialidade. Depois, você clica em Arquivo, Exportar. Salve em formato jpg ou png. Clica em exportar. Em largura, coloque 17,58 e em altura, 11,8. Clique em Ok e em Ok de novo. Em seguida, abra este ARQUIVO, e substitua os dados e a insígnia. Para trocar a imagem do fundo, clique na imagem e depois clique com o botão direito e selecione: Alterar Imagem. Pronto!


Turnê do Gaither no Brasil vai doar cadernos universitários para a ADRA

São Paulo, SP … [ASN] Em 2011, o grupo norte americano Gaither Vocal Band (GVB) se apresenta pela primeira vez na América do Sul. Os concertos acontecem em quatro estados do Brasil. Dia 30 de março, no Ondara Palace em Campo Grande/MS, 31 de março, no IAENE (Faculdades Adventistas da Bahia), 2 de abril na ADBRás, em São Paulo e no dia 3 de abril no IAP (Instituto Adventista Paranaense). Nas ocasiões, serão arrecadados cadernos universitários para as crianças carentes atendidas pela ADRA (Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais) em várias regiões do Brasil.

O GVB é o ministério mais influente da música cristã mundial e já ganhou diversos prêmios internacionais. Entre eles, dois Grammys e 13 troféus da Gospel Music Association. Dirigido por Bill Gaither, considerado o pai de grandes nomes da música gospel, como Steve Green, Amy Grant e Sandy Patty, o GVB lançou clássicos que foram regravados por artistas consagrados como Elvis Presley. São ainda de autoria de Bill Gaither alguns dos mais conhecidos hinos cristãos: Because He Lives (Porque Ele vive), The King Is Coming (O Rei vem vindo), He Touched Me (Tocou-me).

Os ingressos para São Paulo, IAP e IAENE estão disponíveis através do site www.ingressorapido.com.br. Ingressos de Campo Grande pelo www.gfproducoes.com. A turnê Brasil 2011 do GVB vai contar com a presença da formação atual: Bill Gaither, Mark Lowry, Michael English, Wes Hampton e David Phelps. No repertório das apresentações, clássicos dos 30 anos de carreira do grupo.

Roteiro Turnê do Gaither no Brasil

Quarta-feira, 30 de março, Campo Grande/MS – Ondara Palace

Quinta-feira , 31 de março, Cachoeira/BA – IAENE (Faculdades Adventistas da Bahia)

Sábado, 2 de abril, São Paulo/SP – Auditório ADBRás

Domingo, 3 de abril, Maringá/PR – IAP (Instituto Adventista Paranaense)

Mais informações: www.gaithernobrasil.com.br.

[Equipe ASN, Sinval Aragão]

Mensagem original: União Centro-Oeste Brasileira

 

Coral Jovem de Brasília promove musical de solidariedade

Para encerrar a campanha de arrecadação de alimentos Mutirão de Natal, o Coral Jovem de Brasília apresentará no domingo, dia 19 de dezembro, um musical de natal chamado “Jornada de Esperança”. Trata-se da adaptação de um musical americano de mesmo nome (Journey of Hope). O musical tem uma variedade de músicas, solos, ritmos e apresentações lúdicas que traz dinamismo à apresentação e ao tema natalino.

O Coral Jovem de Brasília tem 15 anos, conta com mais de 150 membros e tem experiência com grandes apresentações. Há três anos está em cartaz com o musical “O Encontro”, que já tem DVD gravado, e já foi apresentado na Sala Villa-Lobos do Teatro Nacional. Ainda com este musical, o coral já fez várias viagens no Brasil e no exterior, levando a apresentação para cidades como Goiânia, São Paulo, Recife, Lima (Peru), Nova York, Washington, Atlanta e Los Angeles (EUA).

O musical Jornada da Esperança terá sua apresentação inédita neste dia 19 e marca o primeiro musical exclusivamente natalino apresentado pelo Coral Jovem de Brasília. A apresentação é uma parceria com o Mutirão de Natal e como entrada serão cobrados dois quilos de alimentos não perecíveis, destinados a famílias carentes do Distrito Federal.

MUTIRÃO DE NATAL E O COMBATE À FOME

O Mutirão de Natal é um programa coordenado pela Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais e funciona com apoio de empresas, poder público, escolas e hospital em oito países sul-americanos simultaneamente. No Distrito Federal o programa funciona há dez anos.

No último ano, o Mutirão de Natal arrecadou 44 toneladas de alimentos, usados para a elaboração de quase três mil cestas básicas, distribuídas para a população carente do Distrito Federal. Segundo a última Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (PNAD), no DF cerca de 21 mil famílias não têm o que comer diariamente.

SERVIÇO

Apresentação do musical “Jornada de Esperança”

Local: Igreja Adventista do Sétimo Dia (611 Sul)

Horários: 1ª sessão – 18h30 / 2ª sessão – 20h30

Ingresso: dois quilos de alimentos não perecíveis, exceto sal (revertidos ao projeto Mutirão de Natal)

Postos para troca antecipada de ingressos:

Colégio Adventista Milton Afonso (Ceama): SGAS 611, módulo 75 (L2 Sul)

Colégio Adventista de Taguatinga: QSB 4/5 AE 7 Av. Samdu Sul

Loja da Casa Publicadora Brasileira: SDS Bloco Q Loja 54 – CONIC

No momento da apresentação também será possível trocar o ingresso na Igreja Adventista do Sétimo Dia, na 611 Sul.

Por Mani Maria

Mensagem original: União Centro-Oeste Brasileira

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...