Arquivos

Deixando de sonhar

Quando comecei a escrever o post de hoje gastei algum tempo pensando no título que iria dar. Confesso que escrevi e apaguei diversos deles, até concluir que usaria este.

Quando pedi para que um amigo lesse o que eu havia escrito, ele disse que achou o título, no mínimo, curioso, e me perguntou: Como assim deixar de sonhar?

Se você, assim como esse amigo, deseja saber por que escolhi esse título tão curioso para a postagem de hoje, continue aqui comigo, que prometo que até o final explicarei tudo para você.

Uma das grandes dificuldades que temos no dia a dia é organizar o nosso tempo de forma a fazer com que nossos projetos aconteçam.

Ultimamente, em virtude da pandemia global da Covid-19, muitos de nós temos tido um tempo livre maior que o habitual, e esse tempo pode ser muito bem empregado agora na organização de projetos.

Alguns líderes têm muitas dúvidas em como sistematizar os seus projetos para o Clube, de forma que aquilo que eles sonham que aconteça no início do ano se concretize no final do ano.

Quero trabalhar hoje algumas etapas para que possamos construir um projeto e tenhamos ferramentas e condições de começa-lo e terminá-lo. Vamos lá!

O primeiro passo para que possamos começar um projeto é:

  • DEFINIR SEUS OBJETIVO

Quais os seus objetivos? O que você pretende alcançar?

Vamos usar por exemplo aqui o planejamento das classes regulares para um ano, dentro do Clube de Desbravadores.

Então o objetivo será o seguinte: Preparar o maior número de desbravadores de forma que eles obtenham conhecimentos sólidos e sejam capazes de fazer escolhas eficazes na sua vida diária e tenham as aptidões necessárias para que possam ser investidos no final do ano na classe correspondente à sua idade.

Após você saber o que deseja fazer, precisamos agora definir:

  • QUANTO TEMPO TEREMOS

Como estamos, nesse exemplo, montando o projeto de planejamento das classes para o Clube, você precisará pegar o calendário do Clube e olhar qual o período que você tem até a data da investidura, que será o nosso prazo final para a conclusão deste projeto.

De posse do seu objetivo e sabendo o tempo que você possui, você precisa reunir todas a ideias que você tem para fazer o seu projeto acontecer, anotar tudo que tiver em mente, mesmo que no primeiro momento pareça sem sentindo. Na administração chamamos isso de

  • BRAINSTORMING

É uma verdadeira tempestade de ideias. Essa técnica é muito usada no meio empresarial para explorar o potencial criativo; você pode fazer essas atividades com todas as suas ideias, ou mesmo reunir sua equipe e deixar que eles falem livremente tudo o que pensam que possa ser feito. Nessa etapa do projeto não existe certo ou errado, ideia boa ou ruim. Você deixará os pensamentos fluírem naturalmente, é o momento de você anotar tudo que foi dito ou que veio à mente.

Após anotar todas a ideias, precisamos avaliar o que é viável tendo como foco: alcançar o nosso objetivo e tendo por limitador o nosso prazo.

Você verá que nessa etapa terão muitas ideias que até são muito boas, mas que não serão possíveis de serem aplicadas à sua realidade e, portanto, precisarão ser descartadas.

Depois que você sintetizar as ideias que forem relevantes é hora de partir para a etapa seguinte:

  • FERRAMENTA DE GESTÃO DO PROJETO

Eu particularmente gosto muito do Telo (uma ferramenta online), primeiro porque é grátis e segundo porque nele consigo colocar as etapas do meu projeto, colocando prazos e até mesmo compartilhando com outros membros da minha equipe.

Abaixo vou deixar um vídeo tutorial para você começar a usar o Trello.

De posse das ideias que foram extraídas da etapa do Brainstorming, agora iremos avançar na organização do nosso projeto.

  • DEFINA AS AÇÕES:

Como estamos usando o Trello como ferramenta, nele você pode criar cartões para cada uma dessas ações (veja o vídeo), colocar um checklist com as etapas para que essa ação seja concluída e atribuir membros da equipe àquela ação.

Como exemplo, vamos imaginar que uma das ações seja preparar os planos de aula para cada uma das classes do Clube.

Veja no exemplo abaixo o cartão que criei para essa etapa.

Você pode montar um cartão para cada uma das ações do seu projeto, e definir as atividades e é muito importante ter o prazo (data para entrega da etapa da ação).

Uma das coisas que me faz gostar do Trello é que como a ferramenta é online, a gente consegue usar ela tanto no computador, como no celular, assim você sempre está com o projeto em mãos para não esquecer o que precisa fazer.

  • DETERMINE OS RECURSOS

Identifique os recursos que serão necessários usar em cada uma das suas ações. Os recursos a serem identificados são tanto os recursos materiais como os humanos.

É necessário conhecer o conjunto de habilidades de cada membro da equipe para atender às demandas específicas do projeto.

Após saber os recursos que você precisa, anote como você irá fazer para consegui-los. Se forem materiais: onde e como conseguir; se forem pessoas: enviar convite e agendar as datas com eles.

  • ACOMPANHE O PROJETO

No decorrer da execução do projeto é completamente normal que em algum momento você precise fazer ajustes. Imprevistos fazem parte da vida e certamente você terá de lidar com algum.

Deixe de sonhar e passe a agir! Infelizmente um dos grandes fatores do fracasso em muitos dos projetos da nossa vida é o excesso de sonhos.

Sonhamos com um sistema de classes que funcione, instrutores e desbravadores fazendo suas partes, com uma investidura bonita no final do ano, com um Clube fortalecido e com um ministério que, de fato, seja relevante. Mas tudo fica aí: no sonho.

A ideia ao montar um projeto e termos algo sistematizado, com as ideias e os objetivos (os sonhos), mas também com as ações, com etapas e prazos, é literalmente deixar de sonhar e passar a fazer acontecer. Sonhar é muito importante na vida de qualquer pessoa, mas se você só sonha e não faz nada, esses seus sonhos sempre serão sonhos, e meu objetivo com a postagem de hoje é que você realize tudo aquilo que sonhou.

Essa etapa de acompanhar o projeto é fundamental, pois nela você consegue adaptar os seus sonhos, é nela que você verá que algumas das ações deram muito certo, outras nem tanto e precisam de ajuste e que outras vão precisar ser trocadas.

Quando fazemos o acompanhamento constante do projeto, a chance de não esquecermos o nosso objetivo e de ele acontecer é cada vez maior.

Abaixo coloco uma tabela com uma ideia de como você pode acompanhar as etapas do seu projeto.

  • BUSQUE NOVOS CONHECIMENTOS

Quando você acompanha o seu projeto constantemente, você percebe que talvez precise buscar novos conhecimentos, ou aperfeiçoar aquilo que já sabe. É fundamental que você invista em leituras, cursos, palestras, workshops e até mesmo um encontro com outros líderes que lhe ajudem a aprimorar seus conhecimentos, tanto para a elaboração do plano, quanto para a sua execução.

  • CONCLUA SEU PROJETO

Chegado o final do prazo que foi estipulado para o seu projeto, conclua ele, mesmo que você não tenha alcançado tudo que conseguiu.

Mapeia quais os objetivos foram atingidos e quais não, investigue o porquê de não ter conseguido êxito nessas fases. Após preparar esse cenário você pode reunir a equipe envolvida no projeto, no nosso exemplo, os instrutores e a diretoria, para apresentar o que foi observado e colher os feedbacks positivos e negativos.

Registre esse histórico de conhecimento apreendido, pois é justamente nessa fase de conclusão e após a avaliação e feedbacks, que você começará a agregar conhecimentos valiosos para planos futuros e acertos cada vez mais precisos nos próximos projetos.


Nesse post, eu abordei algumas etapas de como você pode elaborar um projeto, isso pode ser aplicado tanto dentro do Clube, como na sua vida pessoal e nos seus projetos de vida.

Quando iniciei esse artigo, disse que tinha escolhido esse título por uma razão, e espero que ela tenha ficado clara. Eu quero que você possa sim sonhar com muitas coisas, mas que você não deixe que esses mesmos sonhos limitem a sua capacidade de agir, espero que por meio desses passos, você consiga pegar os seus sonhos e fazer deles projetos com etapas bem definidas e com condições sistemáticas de controle e acompanhamento.

Quem sabe não seja a hora de deixar de sonhar e passar a viver.

Um grande abraço e até breve.

Tornando a quarentena produtiva

Esses últimos dias não têm sido fáceis: isolamento social, grande parte do comércio, escolas e igrejas está fechada e, consequentemente, as reuniões presenciais do Clube de Desbravadores estão suspensas.

Se você, assim como eu, é um apaixonado pelo Clube de Desbravadores, provavelmente está sentindo falta das reuniões, de poder fazer as atividades com todo o pessoal.

Mas sabemos que nesse momento precisamos respeitar as orientações sobre o isolamento para preservarmos nossa saúde e à das pessoas que amamos. Mas mesmo nesse momento de afastamento, graças à tecnologia, podemos aproveitar o momento para capacitar a equipe do Clube e a nós mesmos.

Nos últimos dias conversando com alguns membros do Clube, percebi que muitos deles eram novos nas suas funções e que outros, mesmo já tendo algum tempo de Clube, tinham dúvidas sobre o funcionamento de coisas simples como cantinho da unidade, como organizar a instrução do cartão, como organizar uma reunião regular e outros assuntos que às vezes sabemos que são importantes, mas não paramos para estudar e apreender a verdadeira importância deles dentro do ministério dos desbravadores.

Pensando nisso, uma boa dica para aproveitamos esses momentos de quarentena, utilizando a tecnologia, é fazermos treinamentos de capacitação com a equipe do Clube.

Uma boa ferramenta para usarmos é o aplicativo ZOOM, nele é possível você fazer reuniões com a equipe por meio de vídeo chamada e até mesmo compartilhar a tela de apresentação de slides, PowerPoint, vídeos e sites para fazer a instrução com a equipe.

Então gostaria de deixar aqui 10 DICAS para fazer essa quarentena para você e sua equipe do Clube mais produtiva:

1 Crie uma rotina no seu dia, tenha um horário para levantar e fazer as refeições regularmente, a falta de uma rotina definida é um dos grandes vilões da procrastinação.

2 Tente fazer um encontro on-line pelo menos uma vez por semana com toda a direção, não precisa ser algo longo.

Nesse encontro aproveite para fazer pequenas instruções de como fazer as atividades básicas do clube: cantinho da unidade, instrução do cartão, ensinar uma nova especialidade, aprender a utilizar os recursos do SGC e etc.

Aqui no Cantinho da Unidade você encontra bastante material que pode lhe ajudar na preparação dessas apresentações, outra excelente fonte de pesquisa é o Manual Administrativo.

3 Faça uma pesquisa com o seu grupo da direção e pergunte qual assunto eles têm mais dúvidas, quais assuntos eles gostariam que fosse abordados e tente preparar materiais e palestras que os ajudem a aprofundar seus conhecimentos nessas áreas.  

Aproveite esses encontros para fortalecer o vínculo com a equipe, destacando a importância de aproveitamos esse tempo para nos capacitarmos para quando for possível retornar as atividades.

4 Ore com seu grupo e pelos desbravadores e por suas famílias. Sabemos que nem todos os desbravadores têm smartphone ou acesso à internet, mas se você for conselheiro e os seus desbravadores tiverem acesso a essas ferramentas, envie uma mensagem para ele, pergunte com ele está, motive-o a permanecer firme nos princípios que ele aprendeu no Clube e coloque-se à disposição dele para conversar, caso ele sinta a necessidade.

5 Aproveite essa quarentena para fazer requisitos do seu cartão e novas especialidades. A maioria das vezes que converso com membros da direção do Clube eles afirmam que não conseguem fazer o cartão ou novas especialidades por falta de tempo. Então aproveite esse momento para se qualificar e colocar suas classes em dia. Existem muitos requisitos que você consegue fazer mesmo estando em casa.

6 Leia o livro do ano do Clube de Desbravadores e coloque sua lista de leitura em dia. Tente sair dessa quarentena tendo lido bons livros.

7 Fortaleça seus momentos de devoção pessoal e estudo da bíblia; sabemos que estamos vivendo os últimos momentos da história desse mundo e precisamos aprender a depender de Deus em todo o momento e estudar Sua palavra, pois nela encontramos orientações que nos ajudam a passar por esses momentos difíceis mantendo firme a esperança.

8 Não gaste todo o seu tempo com atividades de lazer (filmes, séries e jogos), mas deixe tempo para você desenvolver novas habilidades, quem sabe fazer um curso online (existem muitas plataformas gratuitas que oferecem cursos), terminar aquele trabalho da faculdade, estudar aquelas matérias que você vinha acumulando há algum tempo e deixando sempre para depois.

9 Não fique o tempo todo focado no noticiário e vendo somente notícias negativas e de sofrimento. O acúmulo dessas informações pode aumentar o nível da ansiedade e mesmo desenvolver um quadro depressivo. Desconecte-se um pouco também dessas notícias e busque fazer atividades com a família, quem sabe aprender e preparar uma nova receita, ligar para um amigo ou familiar para conversar ou mesmo praticar uma atividade de alongamento e exercícios em casa (tem muitos bons vídeos de dicas de exercícios que é possível fazer mesmo estando em quarentena).

10 Aproveite esse momento para falar aos amigos e familiares, mesmo que virtualmente, que existe uma esperança para o fim de todo o sofrimento humano que é o breve retorno de Cristo, que irá acabar de vez com o primeiro de todos os vírus da humanidade, que é o pecado.

Espero que essas dicas ajudem você e seu Clube a tornar essa quarentena mais produtiva e desenvolver novas habilidades e aprofundar conhecimentos.

Que Deus esteja cuidando de cada um de vocês sempre. Maranata.

 

Calculadora de membros – V Campori DSA (versão atualizada)

Logo oficial - português

O Boletim 001/2018 do V Campori foi publicado na página oficial do evento. Entre os pontos tratados nele está a proporção desbravador/membro da direção.

Antes, conforme o Manual de Orientações do Campori, esta proporção era fixa, de 55% de desbravadores e 45% de membros da direção.

Agora, conforme o comunicado, a proporção se torna variável.

“Os Clubes poderão incluir quantos Desbravadores quiserem, porém o percentual máximo de Diretoria é 45%.”

Com essa mudança, alteramos a calculadora de membros para o V Campori da DSA, atendendo a nova regra. Veja abaixo como ficou:

Ainda referente às inscrições, outra novidade que o Comunicado I trouxe é a possibilidade dos isentos irem ao Parque Aquático.

“Quanto aos isentos os Clubes poderão optar pelo pagamento do Parque Aquático no momento da inscrição.”

O valor da inscrição de Profissional de saúde, ancião da igreja, segurança, cozinheira e filho de membro da direção menor de 10 anos não inclui o ingresso no Parque Aquático, porém será possível fazer o pagamento do passeio no momento da inscrição.

Parque Aquático

O Comunicado I traz ainda outras informações, não deixe de lê-lo.

Se tiver qualquer dúvida quanto ao Manual do Campori e Comunicados, nos pergunte. Se não soubermos, procuraremos a resposta o mais breve possível.

1- Mateus

Calculadora de membros – V Campori DSA

Logo oficial - português

O V Campori da DSA está chegando! E um dos primeiros passos será a inscrição.

Como os Clubes que participarão deste evento serão selecionados por seus Campos, cada Clube tem a quantidade de vagas definidas previamente. A proporção desbravador/membro da direção é de 55%/45%, conforme a tabela a seguir.

INSCRIÇÃOPAGAMENTOCOTATRUNFOPARQUE AQUÁTICO
Diretor100%45%SIMSIM
Diretor Associado100%45%SIMSIM
Capelão100%45%SIMSIM
Tesoureiro100%45%SIMSIM
Secretário100%45%SIMSIM
Conselheiro100%45%SIMSIM
Conselheiro Associado100%45%SIMSIM
Instrutor100%45%SIMSIM
Profissional de Saúde50%45%SIMNÃO
Ancião da Igreja100%45%SIMNÃO
SegurançaISENTO45%SIMNÃO
Cozinheira 1ISENTO45%SIMNÃO
Cozinheira 2ISENTO45%SIMNÃO
Cozinheira 3100%45%SIMSIM
Apoio do Clube100%45%SIMSIM
Filho Diretoria 0-9 anos100%0.45NÃONÃO
Desbravador100%55%SIMSIM
Desbravador Especial100%55%SIMSIM
Capitão de Unidade100%55%SIMSIM
Secretário de Unidade100%55%SIMSIM
Tesoureiro de Unidade100%55%SIMSIM
Almoxarife de Unidade100%55%SIMSIM
Padioleiro de Unidade100%55%SIMSIM
Capelão de Unidade100%55%SIMSIM

Para as funções abaixo, somente maiores de 18 anos e membros ativos da IASD.

  1. Cozinheira (o) – Isento e pagante
    Cozinheira (o) 1 – Isento – para Clubes com até 40 vagas
    Cozinheira (o) 2 – Isento – para Clubes com vagas = ou maior a 41 inscritos
    Cozinheira (o) 3 – Paga 100% – Independente do número de inscritos
  2. Segurança (obrigatório) – Isento
  3. Profissional da Saúde (opcional) – Pagamento de 50%
    Médico, Enfermeiro, Técnico e/ou Auxiliar de Enfermagem, Fisioterapeuta ou Dentista.

O Boletim 001/2018 trouxe algumas informações novas, entre elas a alteração da proporção entre desbravadores e membros da direção, que não é mais a que está apresentada na tabela acima.

Por este motivo, retiramos do ar esta Calculadora e elaboramos uma nova, considerando esta alteração. Confira aqui!

Se tiver qualquer dúvida quanto às proporções do Manual do Campori ou outra informação referente à inscrição, nos pergunte. Se não soubermos, procuraremos a resposta o mais breve possível.

Calculadora de membros – VII Campori da UCB

Recentemente elaboramos uma calculadora de membros para o III Campori da UCOB, para auxiliar as diretorias dos clubes da União Centro-Oeste Brasileira a calcular quantos desbravadores e membros da direção poderão levar para o Campori.

Agora, atendendo ao pedido do Danilo Gibin, da Associação Paulista Oeste/União Central Brasileira, elaboramos esta para o VII Campori da UCB.

A proporção entre desbravadores e membros da direção definida para o VII Campori da UCB encontra-se na página 6 do Manual de Orientações, mas foi corrigida pelo Boletim Informativo #1, e agora está da seguinte forma:

“A quantidade mínima de inscritos será de 15 membros do clube, sendo que 60% tem que ser de desbravadores, na idade de 10 a 15 anos. Os demais, até 40% são membros da diretoria acima de 16 anos. Exemplo: 60% = 9 desbravadores e, 40% = 6 diretores”

Desta forma, elaboramos as três seguintes calculadoras;

1) para quem deseja calcular a quantidade de membros da direção com base no número de desbravadores;

2) para calcular a quantidade (mínima ou máxima) de desbravadores com base no número de membros da direção;

3) para confirmar se a quantidade de desbravadores e membros da direção que você pretende levar obedece a proporção apresentada no Manual de Orientações do Campori.

Como não somos da União Central Brasileira, caso tenham alguma dúvida, sugerimos que procurem o seu regional ou a secretária do seu Campo.

Calculadora de membros – III Campori da UCOB

Ansioso para garantir uma das 13 mil vagas disponíveis para o III Campori de Desbravadores da UCOB?! Coração palpitando e emoções a mil! Fique atento, pois o sistema será liberado para a a compra de vagas dia 13 de março (segunda-feira), às 9h00min.

E uma coisa que sempre nos passa à mente ao inscrever um Clube para um Campori é a relação entre o número de desbravadores e membros da direção. Em geral, recorremos à boa e velha regra de 3. Para cada Campori há uma proporção definida. Sobre isso, o Manual de Orientações do III Campori da UCOB apresenta as seguintes informações:

“2. A quantidade mínima de inscritos por Clube será de 20 pessoas, sendo no mínimo 20% e no máximo 40% diretoria. E no mínimo 60% a 80% Desbravadores. (p. 8).

“7. As Inscrições devem Respeitar as Seguintes Proporções:

“a) no mínimo 60% dos inscritos pagantes deverão ter entre 10 e 15 anos […] (p.9).

“b) no máximo 40% do número total de inscritos pagantes de cada Clube poderá ser de diretoria, ou seja, com idade a partir de 16 anos. Além da equipe de apoio do Clube, crianças abaixo de 10 anos que são filhos de membros da diretoria também contam entre os 40%. […]” (p.10).

Para facilitar a vida dos líderes de desbravadores nesse cálculo, elaboramos três calculadoras bem práticas [finalmente poderemos deixar as mil combinações de regras de 3 de lado, rs].

A primeira delas é para quem deseja calcular a quantidade (mínima ou máxima) de membros da direção com base no número de desbravadores.

A segunda é para calcular a quantidade (mínima ou máxima) de desbravadores com base no número de membros da direção.

A terceira é apenas para confirmar se a quantidade de desbravadores e membros da direção que você pretende levar obedece a proporção apresentada no Manual de Orientações do Campori.

Se tiver qualquer dúvida quanto às proporções do Manual do Campori, nos pergunte. Se não soubermos, procuraremos a resposta o mais breve possível.

O que fazer quando não quiser ficar perdido

Apresentar 10 regras para uma caminhada e explicar o que fazer quando estiver perdido.

Esse é um requisito muito importante da classe de Amigo, uma das primeiras coisas que um desbravador precisa saber e que os Clubes trabalham relativamente bem (daqui a pouco vou explicar o porquê do relativamente).

Porém, mais importante que saber o que fazer quando estiver perdido, é saber como evitar se perder em caminhadas, excursões, trilhas e acampamentos. Conforme o ditado popular, “É melhor prevenir do que remediar“. Por isso, esse aspecto deveria ser mais trabalhado nas regras de caminhada e ainda mais enfatizado com os membros da direção, especialmente com aqueles responsáveis pela organização das saídas do Clube em meio à natureza.

Mas, infelizmente, existem Clubes que negligenciam esse ponto e põem seus membros em risco. Na maioria das saídas, nada de ruim acontece, ninguém se perde, mas eventualmente algum Clube de Desbravadores aparece em uma manchete por causa de um incidente com todo o grupo ou parte do grupo de acampantes/excursionistas. E alguns desses incidentes (talvez todos) poderiam ser evitados se fosse mais enfatizado o “como não se perder” ao invés do “o que fazer quando estiver perdido”. “Acidentes” que poderiam ser evitados não são acidentes.

Grupo resgatado na Serra do Mar pelo Corpo de Bombeiros da Polícia Militar do Estado de São Paulo.

Existem alguns prejuízos que podem advir desses incidentes, entre eles:

  1. Trabalho dado aos órgãos públicos;
    • Muitos recursos humanos e materiais são empregados em operações de busca e resgate. Esses recursos públicos estão disponíveis e devem ser utilizados quando necessário. Mas não é porque eles estão disponíveis que devemos utilizá-los.
  2. Trauma que pode ser causado em alguns desbravadores;
    • As pessoas são diferentes umas das outras, e por essa razão elas terão reações diferentes em uma situação dessas. Algumas podem manter a calma, buscar encontrar soluções, tirar lições (por exemplo, perceber o que poderiam ter feito para evitar que isso acontecesse). Mas para outras pessoas, a situação de estar perdido em um ambiente desconhecido e sem sensação de segurança pode ser angustiante e desesperadora. Alguns desbravadores podem ficar traumatizados e nunca mais querer acampar ou fazer caminhadas em meio à natureza.
  3. Imagem do Clube de Desbravadores e da Igreja que são manchadas ante a sociedade;
    • A imagem que o Clube de Desbravadores possui perante a sociedade depende das ações (tanto positivas quanto negativas) que os Clubes adotam e do nível de repercussão dessas ações na sociedade. As ações podem não ter repercussão, repercutir no bairro, no Município, no Estado, no País ou mesmo mundo. Quando qualquer grupo se perde ou se acidenta numa trilha, excursão ou acampamento, em geral, a repercussão é muito grande. E, em geral, passa uma impressão de falta de organização, falta de preparo, etc.
    • Vários Clubes podem ser manchados pela ação de um só, dependendo da repercussão  do incidente, fechando portas e criando barreiras para ações futuras. Por exemplo, a administração de um Parque pode não conceder autorização para o Clube “X” acampar ou fazer trilhas no Parque devido a um incidente anterior que aconteceu com o Clube “Y”.
  4. Perda da credibilidade do Clube junto aos pais dos atuais desbravadores e possíveis futuros desbravadores;
    • Esse aspecto é um desdobramento do anterior, e pode ter consequências no próprio Clube ou atingir outros Clubes, conforme a repercussão do incidente:
      • Pais podem retirar seus filhos do Clube em razão de um incidente, por considerarem que a direção do Clube é irresponsável, etc.;
      • Pais podem retirar seus filhos de um Clube em razão de um incidente que ocorreu com outro Clube, por considerarem que a instituição Clube de Desbravadores é irresponsável, etc;
      • Por exemplo, quando houve uma morte de uma pessoa ao fazer rapel em uma cachoeira em que eu costumava fazer rapel, minha avó insistia comigo para que eu parasse de fazer rapel.
  5. Os aspectos 3 e 4 podem ainda manchar a imagem da Igreja Adventista do Sétimo Dia, uma vez que o Clube de Desbravadores é um departamento da igreja.

Então, para evitar ou minimizar as chances de acontecerem incidentes desse tipo, aqui estão algumas dicas do que fazer para não ficar perdido, além de outras dicas de preparação, caso fique perdido:

  1. Nunca faça trilhas e acampamentos sem avisar alguém sobre seus planos
    • Informe local de início e fim da excursão, duração, trajeto. Assim, caso aconteça algum atraso, alguém perceberá a demora e poderá informar as autoridades.
  2. Nunca faça trilhas e acampamentos sozinho
  3. Conhecimento do local
    • Nunca faça uma caminhada sem conhecer muito bem a região – e não vá além do trecho que conhece! Caso não esteja familiarizado com o local, vá acompanhado de um guia. Em ambos os casos, ande apenas pela trilha, inclusive para evitar degradar o local.
    • Sempre olhe para trás durante a trilha. A volta parece diferente da ida. E o cansaço também não colabora para reconhecer melhor o caminho. Olhar para trás pode ajudar a tornar o caminho de volta mais conhecido.
  4. Condicionamento físico
    • Escolha uma caminhada compatível com o preparo físico de seu grupo. Tenha certeza que o preparo físico do grupo é adequado ao nível de dificuldade da trilha. Se a dificuldade for superior ao preparo físico, as pessoas se cansarão mais rápido, demorarão mais que o planejado, e com isso precisarão de mais água e comida.
  5. Condições meteorológicas
    • Acompanhe a previsão do tempo meteorológico para a data/período em que planeja fazer a atividade. Não pense duas vezes em remarcar/cancelar caso as condições não sejam aquelas para as quais vocês se prepararam. E se planeje para possíveis mudanças que possam acontecer, leve roupas para caso isso aconteça.
  6. Tenha sempre um kit de primeiros socorros à disposição
    • Esperamos nunca precisar, mas é essencial sempre ter um bom kit para coisas mais simples, além de saber utilizá-lo corretamente.
  7. Tenha um GPS ou uma bússola e um mapa da região
    • Essa orientação é especialmente importante caso a trilha seja desconhecida. Ter equipamento(s) de orientação pode fazer a diferença entre permanecer perdido e sair de uma situação de desorientação.
  8. Tenha um celular com bateria
    • Apesar de existirem locais em que não há sinal, hoje em dia a cobertura das operadoras está aumentando. Ter um celular com bateria para solicitar o socorro em caso de emergência é um bom recurso. E, havendo sinal, será possível enviar a localização utilizando o WhatsApp, o que facilitaria o socorro, como já aconteceu com o Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina.
  9. Faça a previsão de alimentos e água para o caso de imprevistos
    1. Esses imprevistos tanto podem ser mudanças no tempo, quanto acidentes (entorses, fraturas, etc.). Além desses, existe outro “imprevisto”, o de subestimar o tempo que o grupo gastaria numa determinada trilha/excursão.
    2. Imprevistos aumentam a duração da trilha/excursão. Mais tempo na trilha = maior consumo de alimentos e água.

Nossas dicas foram adaptadas das seguintes fontes:

http://webventureuol.uol.com.br/h/noticias/regras-para-a-caminhada-na-mata-nao-virar-pesadelo/8046

http://oglobo.globo.com/rio/especialistas-dao-dicas-de-como-se-preparar-para-trilhas-6933824

http://www.trekkingbrasil.com/10-erros-comuns-na-trilha-e-camping/

http://www.sc.gov.br/mais-sobre-defesa-civil-e-bombeiros/8995-aplicativo-de-telefonia-movel-auxilia-operacoes-de-busca-e-resgate-do-corpo-de-bombeiros

Elaboração de projetos ambientais para clubes de Desbravadores

Se pesquisarmos no Google as expressões “clube de desbravadores” e “projetos ambientais”, encontraremos diversas ações que Clubes de Desbravadores em todo o Brasil desenvolvem: plantio de mudas, limpeza de parques, trilhas e cursos d’água, produção de sacolas ecológicas, confecção de lixeiras para parques, campanhas de conscientização ambiental, são vários projetos diferentes!

E elaborar um projeto ambiental relevante para sua comunidade não é uma coisa complicada. Para te ajudar nesta tarefa, abordaremos de uma maneira básica alguns passos para fazer um projeto interessante com o seu Clube.

  1. A primeira etapa para a elaboração de um projeto ambiental para o seu Clube é o levantamento de problemas ambientais a serem resolvidos. Existem algumas ações que podem ser feitas para identificar os problemas, tais como:
    1. Realizar uma palestra com os desbravadores sobre problemas ambientais e dar um prazo para que eles tragam uma lista de problemas que eles observaram em seu dia-a-dia;
    2. Fazer uma atividade com os desbravadores em um local que tenha algum problema ambiental, mostrar o problema e fazer um levantamento rápido de ações que poderiam ser feitas;
    3. Entrar em contato com o setor responsável pela parte ambiental do seu Município, bairro, etc. Esse contato visa mostrar o interesse do Clube em trabalhar em prol do meio ambiente, conhecer projetos em que o Clube poderia trabalhar e descobrir problemas que a Administração Pública enxerga como prioritários. Além disso, serve para estabelecer uma conexão para buscar apoio para a fase de execução do projeto;
  2. A segunda etapa é a definição de soluções para os problemas. As soluções podem ser de curto, médio ou longo prazo. Considero que o ideal para se trabalhar com os desbravadores são as soluções de curto e/ou médio prazo (no máximo 3 anos) por dois motivos principais: 1. quanto mais longo for o projeto, mas difícil será sua elaboração e execução; 2. Quanto mais longo for o projeto, maior a chance de os desbravadores não verem o resultado de suas ações. A definição das soluções pode ser feita de diversas formas, como:
    1. Conversa com especialistas (pesquisadores, profissionais da área, ONG’s);
    2. Pesquisa em livros e artigos;
    3. Brainstorming com os desbravadores que vão participar. É essencial que a pessoa que vá conduzir o brainstorming já tenha feito um bom levantamento de soluções;
  3. A terceira etapa é a elaboração de um cronograma detalhado. O cronograma do projeto deve conter:
    1. Todas as fases de execução;
    2. Duração de cada fase;
    3. Início e fim do projeto:
      1. O início e/ou o fim do projeto pode ser obrigatório, dependendo do projeto escolhido. Por exemplo, projetos de plantio de mudas e de limpeza de corpos d’água são diretamente influenciados pelo período de estiagem e período chuvoso. Fique atento
    4. Pessoa ou equipe responsável pela execução de cada fase;
    5. Materiais necessários à execução de cada fase;
  4. A quarta etapa é o levantamento de custos. Após fazer o levantamento do material necessário para todas as fases do projeto, é a hora de fazer os orçamentos. O ideal é fazer orçamento em pelo menos três locais, para reduzir ao máximo os custos.
  5. A quinta etapa a busca por apoio. Esse apoio pode ser tanto financeiro quanto logístico. E pode ser buscado em empresas ou órgãos públicos. Essa etapa pode ser realizada em conjunto com a quarta etapa, aproveitando o levantamento de custos para conseguir doações e/ou apoio logístico. É comum encontrar empresas que gostariam de ter seu nome vinculado a algum projeto ambiental.

Clube de Desbravadores Bandeirantes, de Patos de Minas, em mutirão de limpeza no Parque Municipal do Mocambo.

Caso você queira se aprofundar, aqui estão dois manuais de elaboração de projetos socioambientais:

Guia de Elaboração de Pequenos Projetos Socioambientais para Organizações de Base Comunitária, do Instituto Sociedade, População e Natureza (ISPN).

Manual para Elaboração, Administração e Avaliação de Projetos Socioambientais, da Secretaria de Meio Ambiente do Estado de São Paulo.

E fique de olho no nosso Cantinho que em breve postaremos modelos de projetos para você desenvolver no seu Clube.

Novas Orientações do Ministério de Desbravadores – OMDs

omd-desbravadores-1dsa

A Divisão Sul-Americana publicou novas 3 OMDs, a 2015/012, 2015/013 e 2016/014. Apesar das duas primeiras serem do ano passado, ainda não estavam disponíveis no site oficial. As alterações incluem pequeno acerto no manual administrativo e alterações nos cartões de classe de liderança e de liderança de regionais. Confira abaixo:

1- Alberto

Jovens são ouvidos no Concílio Quinquenal da DSA

12190806_906625362726690_2577194628592347430_n

Está acontecendo nesta semana o Concílio Quinquenal da Divisão Sul-Americana. Entre as principais atribuições desta comissão está nomear os administradores das Uniões com status de união-missão (que são 12 de 16), fazer mudanças necessárias nos departamentos da própria DSA e discutir estratégias e definir metas para o trabalho da Igreja na América do Sul pelos próximos 5 anos.

Um momento diferente fez parte das reuniões de ontem. Apesar de ser desconhecida a forma de seleção, um grupo de adolescentes de 11 a 18 anos foi chamado para dizer aos delegados da comissão a sua opinião sobre “como tornar a igreja mais relevante”.

O site oficial de notícias da Igreja, ASN, publicou ontem algumas das sugestões que os jovens fizeram: “os líderes da igreja local precisam aceitar as novas gerações”, “a igreja precisa ser mais simples e mais alegre”, “a igreja precisa dar mais oportunidades para os jovens trabalharem”.

Porém, o pastor Ted Wilson (presidente da Associação Geral da Igreja Adventista) publicou em sua página do Facebook alguns outros comentários, que acho extremamente relevante pontuar: “viva o que você prega como pastor”, “não tenhamos um posicionamento hipócrita na igreja”, “nossos pés estão na terra, mas nossos olhos precisam estar focados no céu”, “pais e filhos devem participar juntos das atividades da Igreja”, “vamos prosseguir com a missão de salvar almas”, “escolham corretamente os líderes de jovens, que saibam o que estão fazendo”, “mostrem Jesus de maneiras práticas”, “perguntem aos jovens o que eles gostariam nos eventos e serviços da igreja”. (tradução livre)

Imagem1

Fiz questão de trazer as adições do pastor Ted Wilson porque elas mudam um pouco o quadro mostrado pela ASN. Ele nos fez abrir os olhos para alguns pontos muito importantes!

Frases como “viva o que você prega como pastor”, “não tenhamos um posicionamento hipócrita na igreja”, “mostrem Jesus de maneiras práticas” e, principalmente, “escolham corretamente os líderes de jovens, que saibam o que estão fazendo” nos mostram que os jovens estão atentos às escolhas da Igreja e não estão satisfeitos com elas! Isso porque, pelo contexto, eles não estão vendo em seus líderes alguém que mostre Jesus em seus atos, que vive o que prega e muito menos que demonstre saber o que deveria saber!

Isso nos prova o que há muito ouvimos falar nos treinamentos do Clube: os juvenis/adolescentes percebem as coisas. Eles notam quando algo é feito de coração ou não. Eles percebem as incoerências entre discurso e prática muito melhor do que imaginamos. Eles percebem quando o líder não está preparado para a função. Sobre nós repousa a sagrada responsabilidade de cuidar dos desbravadores que Deus nos confiou, precisamos fazer esse trabalho com muito zelo.

Declarações como a desses adolescentes e jovens não deixam de ser incômodas. A Igreja em todas as suas esferas, desde a comunidade local até a Associação Geral, precisa ter consciência da força da juventude, mas precisa também compreender que essa força só será usada para o bem se receber o direcionamento adequado.

1-Alberto



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...