Para que serve a tempestade

tempestade-no-mar-5aec5

Esta é uma premissa que deveríamos ter em mente. Ao se lançar ao mar, o marinheiro deve saber aonde chegar, e ele tem isso bem claro. Também sabe o seu propósito ao partir.

Ao encontrar uma tempestade no meio do caminho, suas habilidades vão ser testadas ao limite, e aonde o mar encontrar a sua fraqueza, lá será travado uma batalha. Passado o mau tempo um dia o barco chegará ao porto seguro. Feliz e com um forte sentimento de vitória, o marinheiro olhará para trás e agradecerá ao mar.

Sabemos que bons marinheiros são forjados nos mares tempestuosos, e por saber disso ele reconhece a oportunidade e agradece.

Ele sabe que a tormenta tem um propósito, ele sabe do seu também. Se não fosse o caos, quem daria a ele a referência e a noção do melhor, como ele aprenderia a lidar com o imponderável, como ele poderia dormir no aconchego da sua cama, ou mesmo dar valor a um prato quente de comida.

Em certo momento da vida do navegador, ele para de julgar o mar, o vento forte, a marejada, os cortes nas mãos e as noites mal dormidas. Ele simplesmente aceita tudo, e aprende que cabe a ele buscar seus recursos internos e toda sua experiência para viver a vida entre os elementos. Sem viver o caos, nunca aprenderia sobre o discernimento, e sem o discernimento ele jamais saberia como fazer suas escolhas e assim nunca saberia como tomar uma decisão, e sem tomar decisões, ele jamais chegaria onde ele sabe que tem que chegar.

Navegamos muitas vezes sem rumo, esquecemos onde queremos chegar, e nos negamos a vivenciar todas as experiências, por simplesmente não entendermos a natureza dos acontecimentos. Por isso quando o caos se apresenta nos apressamos em julgar. Julgamos quem nos fere, julgamos o mundo, julgamos os que erram nos julgamos e nos esquecemos de que a dificuldade mora ao lado da superação, pois ela tem a tarefa de nos dar a referência de onde estamos e de onde podemos chegar.

Não existe viagem segura se não sabemos onde queremos chegar.

Beto Pandiani

Este texto traz algumas lições para a vida retiradas da experiência do autor como velejador. Várias delas podem (e devem) ser trazidas para a nossa vida espiritual. Para mim, dois aspectos se destacam.

O primeiro é que na vida precisamos de um objetivo. Assim como ninguém veleja sem saber aonde quer chegar, nós não devemos viver sem ter um rumo. “Vento algum é favorável para quem não sabe aonde quer ir” (Sêneca). A vida cristã deve ser um constante velejar em direção ao Céu, não uma navegação sem rumo.

O segundo é que, assim como podem existir tempestades ao velejar, podem surgir obstáculos neste trajeto. Os obstáculos servem para nos fazer crescer, trazer aprendizado, dar experiência. Satanás não nos tenta naquilo em que somos fortes, ele procura nossas fraquezas. Não somos “velejadores” experientes em relação à vida cristã, portanto não podemos confiar em nosso próprio conhecimento, mas confiar em Deus (Pv. 5:3).

E nesses momentos ter um objetivo faz toda a diferença, assim como o velejador deve manter seu foco no porto seguro, nós cristãos devemos manter os nossos olhos no nosso Porto Seguro. Pois “Quando não se sabe para onde vai, qualquer caminho serve” (Lewis Carrol). Se nos esquecermos do nosso objetivo, qualquer coisa que o mundo oferecer estará de bom tamanho.

E ao final da jornada, o cristão olhará para trás e agradecerá por tudo o que Deus fez para que ele chegasse ao destino.

Sempre que penso ou vejo algo sobre navegar ou velejar, lembro de uma música da qual gosto muito, que faz essa analogia entre a vida cristã e a navegação. Ela foi o tema do meu primeiro acampamento de desbravadores e tema do CD do Ministério Jovem de 1999.

Rumo ao Porto Seguro

tempestade acalmada 2O meu barco vai firme ao porto seguro,Meu barco navega no mar de águas revoltas, sem paz; Terríveis trovões, tempestades de alto-mar.
Eu vou confiante pois sei que o meu Redentor vai também,
E tem em suas mãos o controle da embarcação.
Mas se tento o timão controlar quase deixo o barquinho afundar,
Pois meus braços não podem a força do mar suportar.
Cristo então me estende sua mão e controla a embarcação,
Sorrindo pra mim, me oferece a salvação.

Pois seu rumo está sob as mãos de Jesus.
Navegando nas águas geladas da Terra
Sinto o calor daquEle que a tudo liberta.

Depois que entreguei a Jesus o rumo da embarcação
Não tive mais medo das ondas do alto-mar.
Em breve irei atracar no mar onde a água é cristal,
E onde estarei para sempre liberto do mal.
Só então saberei como foi que Jesus até ali me guiou,
Só então saberei como foi que ele o barco salvou.
Finalmente atraco no cais, que alegria poder encontrar
Os barcos de irmãos que também chegaram ao lar.

1- Mateus

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *