Archives

Dia mundial do desbravador 2014 – ideias para o JA

dia mundial do desbravador 2014 um personagem escondido

O LIVRO MISTERIOSO

Por Paulo Oliveira

Cena 01: Sala de Aula

NARRADOR: Era uma manhã fria de inverno, a temperatura deveria estar em torno de 5º, Cristina chega à sala um pouco antes dos alunos, ela quer revisar algumas provas antes dos seus alunos chegarem para a aula. Ela dá mais uma volta em seu cachecol, e se agasalha mais um pouco, pois realmente esta é uma manhã bastante fria.

Alunos começam a entrar para a aula, todos agasalhados por causa do frio, tocas, gorros e casacos.

CRISTINA (Professora): Bom dia Classe, esta manhã está realmente muito fria, é um excelente dia para estudarmos matemática.

Classe dá uma risada e alguém fala…

ALUNO: Professora, para a senhora é sempre um bom dia para estudar matemática, faça chuva ou faça sol. Nós é que não podemos dizer o mesmo.

Classe mais uma vez cai na risada

CRISTINA: Realmente eu amo a matemática, mas vocês também irão aprender a amá-la. Mas bem, vamos começar resolvendo alguns exercícios da aula passada, abram seus livros na pagina 78 para verem os exemplos, vocês devem me entregar esta atividade no final desta aula. Na próxima aula faremos a correção no quadro.

Enquanto a professora falava, ela é interrompida pela diretora Julieta, que chega à sala trazendo um novo aluno.

JULIETA:Com licença professora, bom dia classe, quero apresentar a vocês o Eduardo, ele é um novo aluno que está chegando por transferência, quero que vocês o recebam muito bem.

CRISTINA: Bem-vindo Eduardo, de onde você está vindo?

EDUARDO: Venho de Nova Andradina, no Mato Grosso do Sul, meu pai veio de transferência de trabalho para cá.

CRISTINA: Muito bem, mais uma vez seja bem-vindo Eduardo, e pode se assentar naquela carteira vaga, estamos fazendo alguns exercícios e já passo na sua carteira para explicar.

JULIETA: Professora, muito obrigado. Classe, tenha um bom dia e bons estudos.

Eduardo se assenta na carteira próximo a Joaquim e pega o livro de matemática. A professora vai até sua carteira, entrega o exercício e conversa com ele e então o deixa fazer os exercícios. Toda a classe começa a fazer as atividades e Cristina caminha entre as carteiras.

NARRADOR: Havia um ar de ministério em Eduardo que todos repararam logo que ele chegou. Ele era um garoto que estava bem vestido, vestia um casaco com um cachecol e um gorro e usava óculos que o deixava com um jeito meio intelectual, mas não era isso que deixava aquele ar de mistério, alguma coisa mais deixou todos curiosos. A professora, que continua a observar seus alunos caminhando entre as fileiras, percebe que Joaquim que está sentado na ultima carteira, parece estar com bastante frio, ela observa que ele usa um casaco surrado e fino, inclusive com alguns remendos.

CRISTINA: Está tudo bem? Você parece que está com frio?

JOAQUIM: Não se preocupe, professora, está tudo bem. Eu já estou acostumado.

CRISTINA: E os exercícios, como vão?

JOAQUIM: Estou com algumas dificuldades, não consigo me dar bem com esta tal de matemática.

CRISTINA: Tenha paciência, Joaquim, e persista sempre, não desista. Quando formos corrigir os exercícios você aproveita para tirar as duvidas que ficarem.

JOAQUIM: Tudo bem, professora.

Narrador: Cristina deixa aquela cena bem preocupada, o que ela poderia fazer por seu aluno? O que Cristina não sabia é que um outro personagem também observara aquela cena.

CRISTINA: Bem turma, vocês estão liberados para o intervalo e na próxima aula continuamos com esta atividade.

Todos deixam a sala, inclusive a professora e Joaquim fica na sala. Depois que todos saem ele pega alguns jornais e enrola em seu corpo por baixo do casaco para tentar aplacar o frio.

NARRADOR: O frio que Joaquim sentia era muito grande, atrelado a uma dor no estomago, porque esta manhã não tinha comido nada, ele ainda tinha dificuldades grandes em matemática e com todo o frio e fome que sentia, não tinha conseguido fazer nenhuma questão durante a aula.

Joaquim então deixa a sala.

Fim do 1º Ato.

 

Cena 02: Intervalo/Biblioteca

PATRÍCIA: Aninha, você notou que diferente este novo aluno?

ANINHA: Eu notei que ele é muito bonito, inclusive se veste muito bem!

PATRÍCIA: Mas não falo disso, agora há pouco passei por ele, e sabe o que ele comia de lanche?

ANINHA: Não, o quê? Já sei! Era um cachorro quente com bastante molho ou um pedação de pizza bem quentinha para aplacar o frio. Eu amo pizza.

PATRÍCIA: Não Ana, e pare de pensar em comida. Ele comia uma Maça e uma Laranja.

ANINHA: Uma maça e uma laranja? Que raio de lanche é esse?

PATRÍCIA: Eu não te falei que ele é estranho. Notei que ele acabou de ir à biblioteca, vamos lá dar uma olhada?

As duas meninas saem de cena e Eduardo chega e senta no sofá da biblioteca e começa a ler um livro. As duas meninas voltam e conversam

ANA: Patrícia, olhe ele ali sentado.

PATRICIA: É mesmo, está lendo alguma coisa, consegue ver o que é?

ANA: Não sei o que ele está lendo, vamos chegar mais perto para olhar melhor.

As duas meninas chegam mais perto e se sentam no sofá ao lado de Eduardo.

EDUARDO: Olá, vocês são da minha sala, não é mesmo?

PATRICIA: Somos sim, você veio do Mato Grosso, não é?

EDUARDO: Isso mesmo, meu pai veio transferido para esta cidade.

ANA: Que legal, mas desculpe a curiosidade, o que você está lendo? É que eu nunca vi este livro por aqui.

EDUARDO: É um livro que eu trouxe de casa, chama-se O Desejado de Todas as Nações.

PATRÍCIA: O Desejado de Todas as Nações? Que titulo interessante.

ANA: Já sei, é um livro de romance, onde o galã é desejado por todas as mulheres.

EDUARDO: Nada disso, na realidade o livro conta uma história onde o personagem principal é rejeitado muitas vezes pela maioria.

PATRÍCIA: Rejeitado pela maioria? Mas o livro não se chama o desejado de todas as nações?

ANA: Já entendi tudo, é um livro de suspense, onde retrata os opostos de uma sociedade, onde a rejeição é eminente e o personagem tem de lutar para quebrar paradigmas e conquistar seu lugar de respeito.

EDUARDO: Éehh… não deixa de ter muitos momentos onde o personagem principal quebra uma infinidade de paradigmas, mas não é bem este o foco do livro.

PATRÍCIA: Nossa, você está me deixando curiosa.

Neste momento toca a sirene de retorno à sala de aula.

EDUARDO: Agora não temos mais tempo, mas vamos combinar de amanhã eu contar para você um pouco sobre o que fala este livro.

ANA: Tudo bem, só espero que minha curiosidade aguente até amanhã.

NARRADOR: Aqueles breves momentos de conversa haviam deixado as duas garotas muito curiosas sobre que história continha naquele livro, de fato o titulo era muito interessante: “O Desejado de Todas as Nações”. Realmente este era um titulo no mínimo intrigante.

Fim do 2º Ato.

 

Cena 03: Sala de aula

NARRADOR: E começa mais um dia na escola, os alunos chegam para mais um dia de aula. Patrícia e Ana não veem a hora de irem para o intervalo e voltarem a conversar com Eduardo.

Os alunos vão entrando para a sala pra mais uma aula, mas Joaquim ao entrar percebe que tem um pacote sobre a sua mesa, endereçado à ele.

JOAQUIM: Nossa, que pacote será esse? “Para Joaquim, de um amigo”. Que estranho!

O garoto abre o pacote, e então percebe que é uma blusa de frio, faz uma cara de felicidade veste rapidamente o casaco e fica pensando em quem fez esta tão boa ação. Todos se sentam em seus lugares e a professora chega.

CRISTINA: Bom dia turma, abram seus livros na pagina 78 que faremos as correções dos exercícios da aula passada. Sentem-se em dupla com um colega para poderem um ajudar o outro.

Todos formam duplas, então Eduardo se aproxima de Joaquim.

EDUARDO: Olá, Joaquim, é seu nome não é mesmo?

JOAQUIM: Isso mesmo.

EDUARDO: Posso me sentar com você para fazer esta atividade?

JOAQUIM: Pode sim.

NARRADOR: Joaquim fica preocupado, porque geralmente ninguém queria fazer dupla com ele, porque ele tinha muita dificuldade em matemática, ele estava apavorado por ter Eduardo junto com ele, medo de Eduardo perceber que ele não havia feito nenhum exercício ainda.

CRISTINA: Bem turma, podemos ver no exercício número 1 que para resolver esta questão vocês vão precisar fazer uso da tabela que está na página anterior.

A professora então começa a escrever alguns números no quadro.

EDUARDO: Nossa Joaquim, você percebeu que nesta questão o segredo da interpretação está justamente em pegar o valor de “X” elevado à terceira potência e fazer o jogo de sinais aqui neste ponto?

JOAQUIM: É mesmo, olha só como estava simples essa questão.

NARRADOR: Então Eduardo e Joaquim fazem todos os exercícios juntos e Joaquim entende a matéria que durante dias havia lutado contra e achava que nunca iria entender. Joaquim estava muito feliz com a ajuda de Eduardo.

EDUARDO: Foi muito bom fazer dupla com você, você me ajudou muito. Não sei se teria conseguido sem você.

NARRADOR: Agora que Joaquim ficou confuso, como assim ele havia ajudado, ele não tinha feito nada.

EDUARDO: Temos de ficar sempre juntos nestas aulas.

JOAQUIM: Tudo bem, mas eu que te agradeço pela ajuda.

EDUARDO: Que é isso Joaquim? Você me ajudou muito mais. Agora no intervalo eu irei mostrar um livro que estou lendo para a Patrícia e Ana, você não quer ir junto conosco para a biblioteca?

JOAQUIM: Que livro é esse?

EDUARDO: Chama-se O Desejado de Todas as Nações.

JOAQUIM: Nossa, que título interessante! Vamos sim, até eu fiquei curioso para saber o que o livro diz.

Toca-se o sino e todos saem. Os quatro (Ana, Patrícia, Joaquim e Eduardo) dirigem-se para a Biblioteca.

 

Cena 04: Biblioteca

Os quatros jovens entram na biblioteca e sentam-se no sofá.

EDUARDO: Bem, vamos falar do livro! Este livro conta a história de um personagem que assim que ele nasceu, o rei da cidade ficou muito bravo com a notícia de que uma criança que havia nascido por aqueles dias seria o novo rei. Só que o rei não sabia ao certo quem era a criança, então o rei fez um decreto mandando matar todas as crianças até dois anos de idade, justamente para assegurar que este futuro rei não tivesse chance de sobreviver.

ANA: Nossa, que crueldade, como é terrível este rei. Coitadinha das crianças.

EDUARDO: Realmente Ana, este rei era muito cruel, então os pais do menino fugiram para o Egito para protegerem a criança e ali ficaram até que este cruel rei morreu. Assim que eles receberam a notícia da morte do rei, eles voltaram para sua cidade para poderem criar seu filho.

PATRÍCIA: Então, Eduardo, o que aconteceu? O garoto voltou e tornou-se se rei?

EDUARDO: Nada disso, ele foi trabalhar com seu pai como carpinteiro e sua mãe o ensinava em casa. Então o menino crescia e se fortalecia em Espírito, cheio de sabedoria e graça.

NARRADOR: Eduardo, dia após dia, foi apresentando um pouco mais das maravilhas deste livro, e as verdades sobre este personagem. Passadas algumas semanas de estudos…

ANA: Eduardo, nossa que história linda essa, estou cada dia mais maravilhada com este personagem, me dá até vontade de conhecer ele de verdade.

PATRÍCIA: Eu digo a mesma coisa, eu queria fazer parte destas multidões que o seguiam. Nestas últimas semanas só penso nesse livro.

JOAQUIM: Mas Eduardo, até hoje você não nos disse qual o nome deste personagem, já se passaram semanas e você nada. Hoje você vai nos contar?

PATRÍCIA: Eu também estou muito curiosa, diga logo.

ANA: Não adianta mais enrolar. Vamos fale!

EDUARDO: Bem, este personagem, após todos grandes feitos que já contei, como curar doentes, multiplicar alimentos, ressuscitar mortos, muitas pessoas o seguiam. Mas dentre esta multidão existia um grupo de 12 seguidores que eram os seus amigos mais próximos. Quando a grande multidão se dissipava, estes 12 sempre estavam com eles. Presenciavam todos os seus grandes feitos e ainda podiam aprender tudo mais de perto diretamente com o mestre. Mas apesar de amado por muitos, existiam muitos que o odiavam e queriam que ele morresse o quanto antes. Então fizeram um plano juntamente com um de seus amigos mais íntimos, um dos 12 seguidores, para o levarem a julgamento e à morte.

ANA: Um plano feito com a ajuda de um de seus melhores amigos? Nossa, que traição!

EDUARDO: Isso mesmo, um traidor. E sabe como ele entregou nosso personagem ao grupo de revoltados?

PATRÍCIA: Como?

EDUARDO: Com um beijo no rosto. Conhecido como o beijo da traição. Os líderes da cidade não sabiam muito bem quem ele era, então, através deste beijo, identificaram o nosso protagonista e o levaram a julgamento. Multidões vieram presenciar o julgamento. Ele foi chicoteado, humilhado e chamado de impostor e o acusavam de não ser um rei. Mas mesmo sofrendo tudo isso Ele continuou manso e tranquilo, como uma ovelha levada ao matadouro.

JOAQUIM: Nossa, quanta coragem!

EDUARDO: Não só coragem Joaquim, muito amor. Aquele homem amava muito todas aquelas pessoas e estava disposto a morrer por elas. E Ele então foi condenado e o crucificaram.

PATRÍCIA: Como assim crucificaram?

EDUARDO: Ele foi colocado em uma cruz com pregos nas mãos e nos pés.

ANA: Acho que eu já ouvi uma história sobre um homem crucificado, não é…

JOAQUIM: Sim, Jesus! Jesus foi crucificado.

EDUARDO: Muito bem, o nosso personagem é Jesus.

PATRÍCIA: Nossa Eduardo! Mas eu nunca tinha ouvido todos estes detalhes da vida de Jesus!

ANA: Eu também, só descobrir porque você falou de morte na cruz.

EDUARDO: E sabem o que mais? Ele morreu por cada um de nós, Ele morreu pelos meus erros, pelos seus erros e pelos erros de toda a humanidade. Mas o mais importante nesta história é que Jesus ressuscitou e está hoje no céu, disposto a nos ajudar todos os dias.

JOAQUIM: Nossa Eduardo, como você sabe todas estas coisas?

EDUARDO: Eu aprendi desde pequeno, meu pai é pastor, por isso mudamos para essa cidade, ele veio ser pastor de uma Igreja aqui.

PATRÍCIA: Pastor! Nunca conheci um pastor ou um filho de pastor antes. Que diferente.

EDUARDO: Somos pessoas normais. Nada de diferente (rsrs).

JOAQUIM: Você é diferente sim, eu até já sei agora quem me deu esse casaco, foi você, não foi?

EDUARDO: Eu percebi que você estava com muito frio naquele primeiro dia. Só quis ajudar.

JOAQUIM: E ajudou muito, agora eu posso agradecer pessoalmente. Muito obrigado!

EDUARDO: Isso não foi nada.

ANA: Eduardo, eu gostei muito dessa história, quero ouvir mais sobre Jesus!

PATRÍCIA: Eu também!

JOAQUIM: Eu com certeza!

EDUARDO: Combinado, podemos nos encontrar sempre na hora do intervalo para conversarmos.

PATRÍCIA, JOAQUIM E ANA: Feito. Combinado.

Toca o sinal para voltarem para aula. Eles levantam e vão embora

NARRADOR: através do exemplo e de sua história, Eduardo conseguiu mostrar o personagem que muitas vezes deixamos escondido, mas é o mais desejado entre todas as nações: Jesus Cristo. O qual é o responsável pela nossa oportunidade de salvação. Aqueles três novos amigos de Eduardo estavam descobrindo justamente isso, que Jesus é nosso Salvador.

FIM

1- Paulo

Dia mundial do desbravador 2014 – ideias para o culto

dia mundial do desbravador 2014 um personagem escondido

Vamos estruturar agora o nosso programa da manhã. A escola sabatina normalmente eu deixo a cargo dos departamentos da Igreja mesmo, o que sugiro é deixar alguns conselheiros responsáveis por ajudar os professores neste dia.

Todo o programa do culto já deve estar organizado, não deixe a Igreja esperando porque você não preparou as bandeiras, entrada dos desbravadores, músicas, ideais e etc. Seja organizado, os desbravadores são conhecidos por sua organização, deixe tudo pronto e comece pontualmente. Abaixo coloco a sugestão de sequência do programa.

Estrutura do Culto

  1. Entrada das bandeiras
  2. Entrada dos desbravadores
  3. Entrada da plataforma
  4. Ideais e hino dos desbravadores
  5. Boas vindas
  6. Oração
  7. Louvor congregacional
  8. Oração
  9. Ofertório
  10. Anúncios
  11. Momento infantil
  12. Mensagem musical especial (se possível um desbravador ou grupo de desbravadores)
  13. Sermão
  14. Musica final
  15. Oração.
  16. Saída do Clube e plataforma (se tiver uma lembrancinha, a mesma pode ser entregue à saída).

Momento infantil

O momento infantil é um momento muito especial, é a oportunidade que temos de já irmos despertando nas crianças menores o gosto pelo Clube de Desbravadores e já deixar lições valiosas para suas vidas.

Seguindo a linha do tema “Um personagem escondido”, contaremos às crianças uma história sobre Jesus. A história deverá ser contada às crianças de forma que elas só descubram no final o nome do personagem, que é Jesus.

Para isso você fará uso da imagem encoberta pela silhueta que não é possível distinguir quem é. Esta silhueta dever ser formada por peças que possam ser removidas (seis peças) e à medida que é removida vai revelando um pedaço do personagem que está ao fundo.

A imagem da silhueta com a interrogação deverá ser colocada ao centro Igreja, normalmente ali atrás do púlpito, uma imagem bem grande. Conforme o modelo abaixo.

Imagem3Ao fundo desta imagem deverá estar a figura de Jesus, no decorrer da história das crianças iremos retirando pedaços da silhueta. Escolha uma imagem de Jesus bonita e em boa resolução, tem algumas sugestões aqui que você pode usar.

Imagem1Imagem2

 

 

 

 

 

 

 

 

Nós iremos contar a história falando de fatos da vida de Jesus e a cada fato iremos retirando uma peça da silhueta, peça ajuda aos desbravadores para ir retirando as peças. Se possível, uma conselheira poderá contar esta história.

Vamos à história

Bem crianças, havia em uma cidade um casal muito temente a Deus, e eles estavam muito preocupados porque a esposa estava esperando um bebê. Quantos aqui já viram uma mulher gravida? Vocês já viram como a barriga dela geralmente fica bem grande?

Então este casal estava preocupado porque o bebê estava quase no dia de nascer, mas eles precisavam fazer uma longa viagem, e infelizmente eles não poderiam esperar para fazê-la após o nascimento do bebê. E para as mulheres que já estão quase perto de terem seus bebês, viagens podem ser muito difíceis. Então aquele casal se preparou e foi para a viagem (neste momento retirar a primeira peça do quebra cabeça).

A viagem não foi fácil, aquela mulher tinha muitas dificuldades em conseguir uma posição confortável e quando eles já estavam avistando a cidade para onde estavam indo, ela percebeu que a criança estava para nascer. O esposo desesperado começou a procurar um local onde eles pudessem ficar hospedados o mais rápido possível. (retirar a segunda peça).

Eles começaram a procurar, foram no primeiro hotel, chegaram na recepção e pediram um quarto, mas o homem informou que todos estavam ocupados. Então eles saíram e foram procurar de hotel em hotel um local onde pudessem ficar. E sabe crianças, não existia nenhum local onde eles pudessem ficar. (retirar a terceira peça).

O casal já estava desesperado porque a mulher estava para ter o bebê e eles ainda não haviam encontrado um local para ficar, foi aí que, ao baterem em outro hotel, o dono do local falou: – Eu não tenho mais quartos disponíveis, mas tem um local aqui nos fundos onde vocês podem ficar, não é um local muito agradável, mas é o único lugar que tenho. (retirar a quarta peça).

Não tendo mais alternativas, o casal aceitou o local, quando chegaram lá viram que realmente era simples, não tinha mesa, guarda-roupas, nem mesmo uma cama. O jeito foi acomodar a mulher em cima de um monte de palhas de forma que parecesse uma cama e esperar o bebê nascer. Então naquela noite, ali naquele local despreparado, a mulher teve o seu filho e nome dele é? (retirar a quinta peça). Alguém já descobriu?

Isso mesmo, esta é a história de Jesus. (retirar a ultima peça)

Crianças, Jesus nasceu em uma estrebaria, alguém sabe o que é uma estrebaria? É um local onde ficam os animais à noite. Jesus nasceu ali porque seus pais, Maria e José, não conseguiram nenhum outro lugar para ficar. Mas sabe o que é mais importante? É que Deus cuidou deles.

Jesus então cresceu e pregou para muitas pessoas por onde ele passava, fez grandes milagres e depois morreu em uma cruz para que nós pudéssemos ser salvos.

E hoje, no Dia Mundial dos Desbravadores, assim como todos os outros Clubes ao redor do mundo, os desbravadores do Clube “Nome do seu Clube” querem mostrar a todas as pessoas que nós devemos sempre seguir a Jesus

Vocês notam que pelo corredor central da Igreja tem uma trilha? Então, esta trilha termina aqui justamente onde Jesus está. Porque o melhor caminho que nós podemos seguir é o caminho que nos leva a Jesus.

Quantos aqui querem seguir pelo caminho que leva a Jesus?

Muito bem, neste momento vamos orar.

Termine com uma oração.

Deixe o rosto de Jesus descoberto que irá completar agora sua decoração da trilha, que estava passando pelo corredor central da Igreja.

Ideias para o sermão

Usaremos como base o sermão oficial do Dia Mundial dos Desbravadores que tem por título “Um personagem Escondido”.

Ilustração:

O sermão oficial já tem uma ilustração especial que usará os seguintes materiais:

  1. Tigela ou recipiente de vidro (transparente) média ou grande
  2. Uma pedra média (máximo de 500 gramas)
  3. Dois ovos de galinha.

Faça conforme é sugerido pelo sermão, a mesma é dividida em três partes, a primeira com um desafio à Igreja, a segunda com o ovo se quebrando e a terceira com o ovo sendo protegido. Se você ainda não leu o sermão, pode acessá-lo AQUI e ver como funciona a experiência.

Introdução do sermão

Esta parte é para caso você tenha conseguido montar a tirolesa dentro da sua Igreja. Antes de começar a pregar, orador deverá começar a falar sem que a Igreja o veja. Ou seja, ele estará escondido, então descera pela tirolesa até a frente da Igreja e fará o desafio da ilustração conforme está descrito no sermão.

Após lançar o desafio, o sermão é introduzido pela cena na sala de aula. Neste momento faremos uso do cenário da sala de aula, que pedimos que você montasse no post sobre ideias para a decoração. Este senário será usado agora e também no J.A especial.

O pregador falará sobre os nomes diferentes que podemos encontrar em I Crônicas capítulos 1 ao 6. Então ele mencionará o que está descrito em I Crônicas 4:9,10 (conforme o sermão).

O orador continuará

1. O nome:

a. Nos tempos antigos, todos os nomes tinham um significado. Esse era o costume e quando alguém dizia o nome, todos sabiam o significado desse nome. Por outro lado, muitas vezes o nome tinha que ver com as circunstâncias do nascimento da criança ou com seu caráter.

Imaginem uma sala de aula cheia de alunos e com uma professora que iniciará a chamada. Neste momento entra os alunos que ocuparão as mesas do cenário e uma professora que senta na cadeira do professor, começando a chamada da seguinte forma:

  • Isaque (um aluno responde presente)
  • Jacó (um aluno responde presente)
  • Esaú (um aluno responde presente)
  • Miriam (uma aluna responde presente)
  • Ester (uma aluna responde presente)
  • Dor de Parto (um aluno responde presente)

Todos os alunos começam a rir ao ouvir o nome Dor de Parto.

O pregar fala: – como é? Deixe-me ver se entendi, professora, qual o nome deste aluno?

Professora: Dor de Parto.

Pregador: pode parecer engraçado, mas este é o nome deste personagem descrito nos versos que lemos, seu nome é Jabez, que significa literalmente dor de parto.

Enquanto o pregador vai falando, todos vão deixando a cena da sala de aula.

Imagine que todas as vezes que lhe perguntavam o nome ele respondia: Jabez (“dor de parto”). Sem dúvida, todos riam dele! Pensem no dia em que Jabez foi para a escola e toda vez que conhecia um novo amigo e lhe perguntavam o nome, havia risada por todos os lados! Quando a professora fazia a chamada, ele não queria que ela chegasse no seu nome!

Continue o sermão conforme o sugerido no modelo oficial.

O sermão sugere fragmentar a oração de Jabez em cartazes para que sejam usados como ilustração ao longo do sermão. Faça isso, prepare cartazes bem bonitos que os desbravadores possam levar à frente. As frases fragmentadas da oração estão abaixo, leia o sermão atentamente para sabem em que momento usar cada uma destas frases.

  • Jabez orou ao Deus de Israel: ‘Ah, abençoa-me’.
  • “E aumenta as minhas terras!
  • “Que a tua mão esteja comigo.
  • “Guardando-me de males e livrando-me de dores”

Conclua o sermão e faça o apelo como sugerido.

Amigos, espero que tenham gostado das dicas.

Um grande abraço a todos!

1- Paulo

 

Dia mundial do desbravador 2014 – ideias para ornamentação

dia mundial do desbravador 2014 um personagem escondido

Meus amigos de lenço do Cantinho da Unidade, já faz algum tempo que não apareço por aqui. A vida vai nos prendendo na correria e quando vemos já estamos sem tempo pra nada. Mas o Dia Mundial do Desbravador está chegando (que agora de fato é mundial, rsrsrs). Eu não poderia deixar vocês sem a postagem de ideias para este dia tão especial.

O tema deste ano é “Um Personagem Escondido”. Assim que li o tema muitas ideias começaram a vir à minha cabeça, o mais difícil é organizá-las de forma a compartilhar com vocês.

Então, vamos começar por partes, desta forma acredito que consigo deixar as coisas mais claras.

Todo ano enfoco a importância de uma decoração que chame a atenção. Como esta já é praticamente uma “regra áurea”, este ano não seria diferente. A decoração precisa ser impactante, sempre gosto de dizer que a primeira impressão marca, seja de forma positiva ou negativa. Mas vamos à prática.

Saguão de entrada | Primeiramente, à porta você deverá ter um grupo de desbravadores que recepcionará os membros da Igreja.

Hall de entrada | Tente montar uma mata, onde você deverá colocar árvores, pedras, folhas, algumas barracas, uma fogueira. Nesta decoração você deverá camuflar algumas coisas, pode deixar alguma mensagem na entrada que diga: “tente encontra o que está oculto”. Então você esconderá uma porção de versos bíblicos (embaixo de pedras, atrás das árvores, camuflado por folhas, enfim, onde for possível). Os versos podem ser Salmo 119:11 “Escondi tua palavra no meu coração para não pecar contra ti”, João 17:17 “Santifica-os na tua verdade; a tua palavra é a verdade”, Salmo 119:40 “ tua palavra é muito pura; portanto, o teu servo a ama” e outras que você jugar interessante.

Imagem6

Imagem7

Imagem8

Corredor central | Saindo da mata da entrada, a ideia este ano é fazer um corredor com cordas entrelaçada entre os bancos e no meio fazer uma trilha como se fosse uma trilha de caminhada dos desbravadores, com galhos, folhas, sinais de pistas e etc.

Púlpito | A Igreja deverá ter na parte direita uma sala de aula com carteiras e uma mesa de professor, se possível um quadro. Na parte esquerda uma biblioteca com sofás e uma estante com livros. No centro deverá ter o púlpito e a frente dele você pode destacar o tema bem grande (um personagem escondido) e colocar um ponto de interrogação em uma imagem em formato de silhueta (aquelas imagens pretas que mostram o perfil das pessoas). Esta imagem pode ser colocada na parede atrás do púlpito. Esta imagem deverá ter peças que serão removíveis revelando um personagem escondido (no caso Jesus Cristo). No post sobre o momento infantil explicarei como esta imagem será revelada.

Imagem1

Imagem2

Imagem3

Imagem4

Imagem5

Nas paredes da Igreja você deverá colocar imagens de silhuetas com pontos de interrogação, justamente para se criar a ideia do personagem escondido.

Na nossa Igreja iremos montar também uma tirolesa. Como a nossa cabine de som fica no mezanino, na parte de trás da Igreja, iremos montar uma tirolesa, saindo da cabine de som e chegando ao púlpito. Esta é uma ideia opcional, no próximo post irei explicar melhor a utilização dela.

Amigos, estas são as ideias para a decoração, agora vou tentar correr contra o tempo para escrever sobre o J.A, ideias para o sermão e momento infantil. Orem por mim, porque o tempo é curto e os desafios são grandes.

Um grande abraço!

1- Paulo

Como não transformar a Cerimônia de Admissão em um pesadelo

 380544_341067345907229_1580518060_n

No início do ano recebemos comentários de várias pessoas dizendo que receberam diversos desbravadores novos. Isso é uma grande bênção! Mas cuidado, se seu Clube não estiver preparado, podem ocorrer sérios problemas. Fizemos questão de fazer um post sobre isso, pois já trabalhamos vários anos como regionais e vimos muitas situações chatas acontecerem por pura falta de planejamento.

A Cerimônia de Admissão precisa ser algo marcante e bem organizada, por isso fique atento a esses “detalhes” não tão pequenos assim.

Data

Geralmente os Clubes faziam a Cerimônia de Admissão no Dia do Desbravador, em abril. Entretanto, agora o Dia Mundial do Desbravador é em setembro e não se pode deixar para entregar o lenço tão tarde assim. Por isso é necessário programar a data da cerimônia com a Igreja o mais rápido possível. De acordo com o Manual Administrativo, o desbravador deve ser admitido três meses depois de entrar no Clube, então, se suas atividades começaram em fevereiro, a entrega do lenço deveria ser ainda esse mês ou no mais tardar em maio.

Uniforme

Também está bem claro no Manual Administrativo que o desbravador só pode receber o lenço se estiver com o uniforme de gala completo. Por favor, não passem por cima dessa regra. Se você abrir uma exceção para a entrega do lenço, os pais vão se acomodar e vai ser muito mais difícil conseguir um uniforme para aquele desbravador depois.

Se os pais da criança não têm condições, faça um carnê em que o pai possa pagar parcelado ou consiga um padrinho, mas não deixe a menina ou o menino sem uniforme. Também é possível fazer um contrato de empréstimo do uniforme de gala (explicaremos esse sistema em um próximo post).

Receber o lenço de camiseta e saia (ou calça) jeans é a coisa mais sem graça do mundo! (Digo isso por experiência própria) Não faça o seu desbravador passar por isso.

Outro detalhe importante sobre o uniforme de gala é que ele precisa ser bem costurado. Arrume uma pessoa de confiança, que, de preferência, não seja parente de ninguém do Clube, e explique que a roupa precisa seguir estritamente o modelo do manual, do contrário vocês não receberão os uniformes.

Obviamente, você só poderá fazer isso se não estiver em cima da hora para a investidura, por isso trate de providenciar os uniformes com urgência.

Preparação do desbravador

De nada adianta organizar uma linda programação, providenciar uniformes impecáveis se a criança não sabe o mínimo necessário para ser um desbravador. Aquele cartãozinho “Nosso Clube” é um excelente guia de requisitos e, em nossa opinião, todos deveriam adotar. É inadmissível que uma criança receba o lenço se não souber TODOS os ideais na ponta da língua ou se desconhece informações básicas sobre o Clube (quando foi fundado, quem compôs o hino, quem desenhou os emblemas e etc.).

Por isso prepare todos os aspirantes a desbravadores e certifique-se com ao menos duas semanas de antecedência que eles sabem tudo o que for necessário. Assim você evita deixar pendências (o que vai tirar o senso de responsabilidade do futuro desbravador) ou decepcionar a criança (e arrumar confusão com os pais) por não entregar o lenço para quem não cumpriu os requisitos.

O desbravador lembrará para sempre da Cerimônia de Admissão dele. Faça o possível para dar a ele boas lembranças. Estamos fazendo esse alerta para que você não deixe nenhuma situação chata acontecer com seu Clube.

1- Éveni

10 especialidades para animar o início do ano

EspecialidadesComo você já sabe, para começar bem o ano é necessário fazer o planejamento das instruções. Ocorre que geralmente nesse cronograma, sem perceber, colocamos os itens menos interessantes de se fazer logo no início das atividades.

Para quem já está acostumado com o Clube isso não tem grande importância, mas se você vai ter muitos desbravadores novatos é melhor repensar o calendário e traçar uma estratégia para tornar o Clube mais atrativo desde o início.

Nossa sugestão é começar com especialidades. O novo Manual trouxe diversas alternativas relativamente fáceis e superinteressantes, além de deixar as já existentes bem mais praticáveis. Abaixo damos algumas sugestões de especialidades mais apropriadas para cada faixa etária.

Meninas

10-11 Tie-dye, Fabricação de velas

12-13 Modelagem e fabricação de sabão

14-15 Biscuit, Trabalhos em feltro

Meninos

10-11 Arte de trançar, Futebol de botão

12-13 Papercraft, Tie-dye

14-15 Xilogravura, Carrinho de rolimã

Fique ligado aqui no Cantinho, pois em breve você encontrará material de pesquisa para várias dessas especialidades.

Enquanto isso aqui vão algumas dicas:

Todas essas especialidades podem ser cumpridas em três semanas ou menos. Faça todo o possível para não dar folga antes de concluir todas elas.

Certifique-se que você tem todo o material para cumprir a especialidade. Algumas podem gerar alguns gastos maiores, então tente conseguir doações ou um “empréstimo” do caixa da Igreja. À medida que for entrando dinheiro no caixa do Clube, você paga a Igreja. Mas em hipótese nenhuma faça cobrança adicional ou exija algum material difícil de conseguir para o desbravador.

Mantenha os grupos pequenos. Mais de 8 desbravadores para um só instrutor compromete a qualidade da aula, principalmente quando se trata de habilidades manuais.

Esperamos que você tenha muito sucesso esse ano. E se você precisar de alguma coisa ou tiver uma sugestão de post, fale conosco, vamos fazer todo o possível para ajudar!

1- Éveni

7 coisas para NÃO fazer na volta das atividades

Machadinha desbravadores

Fonte: http://desbravadoresmetalcolor.com.br/?product=machadinhas-personalizadas

A maioria dos Clubes vão começar as atividades nos próximos finais de semana. Talvez o seu já até tenha começado, e para evitar alguns erros neste início de ano, separamos essas dicas do que se deve evitar para o Ceu clube já começar o ano “bombando”!

  1. DAR FOLGA NOS DOIS PRIMEIROS FINAIS DE SEMANA DEPOIS DO INÍCIO DAS ATIVIDADES: Um bom programa precisa de continuidade. O desbravador volta das férias superempolgado. Se você der uma folga logo em seguida, vai matar essa empolgação dele e vai ser difícil recuperar depois. Por isso estude o calendário direitinho e certifique-se de que não precisará dar folgas tão cedo.
  2. COMEÇAR AS REUNIÕES COM A DIREÇÃO INCOMPLETA: Sabemos que às vezes é difícil encontrar conselheiros para todas as unidades ou mesmo pessoas qualificadas para atuar como diretores associados. Ainda que o início das suas reuniões demore um pouco mais, não comece antes de ter todos os cargos definidos. Já pensou em o menino chegar e não ter conselheiro? Nada mais desagradável.
  3. DEIXAR DE EXPLICAR AS REGRAS DO CLUBE: Para que o Clube tenha um bom funcionamento há diversas regras a serem seguidas, por isso elas devem estar bem claras para todos os desbravadores e pais, principalmente para os que estão entrando esse ano.
  4. DEIXAR DE EXIGIR DOCUMENTAÇÃO E AUTORIZAÇÃO: Não deixe para depois a organização da secretaria. Para evitar qualquer problema já exija os documentos e a autorização para participar do Clube. Faça o cadastro na intranet o mais rápido possível. O desbravador só estará coberto pelo seguro anual se estiver inscrito na intranet.
  5. NÃO PASSAR O CALENDÁRIO DO CLUBE PELA COMISSÃO DA IGREJA: Geralmente a agenda da Igreja é muito concorrida. Além dos eventos do Campo, há vários departamentos da Igreja que também precisam fazer seus programas. Por isso, garanta desde o início do ano as datas que você vai precisar. Depois não adianta ficar reclamando que a Igreja não apoia o Clube…
  6. NÃO FAZER A DEVIDA DIVULGAÇÃO DO INÍCIO DAS ATIVIDADES: Todo mundo sabe que “a propaganda é a alma do negócio”, por isso, não deixe de fazer uma divulgação intensa na Igreja. Além disso, você pode aproveitar também para divulgar o Clube nas escolas, como já ensinamos AQUI.
  7. NÃO TER NADA ESPECIAL PREPARADO PARA A PRIMEIRA REUNIÃO: A primeira reunião do Clube precisa ser algo marcante e diferente. É nesse dia que você provavelmente vai dividir as unidades e alguns desbravadores novos vão ingressar em “panelinhas” já formadas. Por isso, promova atividades que facilitem a integração das crianças que estão entrando e daquelas que mudaram de unidade, por questões de idade. Oferecer um café da manhã também é uma boa ideia. Não prolongue demais a reunião para que todos fiquem com um gostinho de quero mais. Você já pode deixar tudo acertado para que na segunda reunião já possa cumprir um programa normal, nela você já pode ensinar passos básicos de ordem unida e iniciar especialidades interessantes.

São coisas que parecem simples, não e mesmo? Mas que se acontecerem podem comprometer o seu programa. Sentiu falta de alguma dica? Escreva para nós aqui nos comentários.

1- Éveni

Cuidado com a ressaca pós-Campori

Imagem1

Só os fortes entenderão!

Depois de um ano de muita correria e muitos gastos, finalmente chegou o o grande e esperado IV Campori da Divisão Sul-Americana. Mas infelizmente, como diz o ditado, tudo o que é bom acaba logo e agora o Campori é apenas uma ótima lembrança…

Um evento desses é maravilhoso, grandioso, entretanto, se o pós-Campori não for bem administrado, seu Clube pode entrar em uma séria recessão. Isso ocorre, geralmente, porque há uma enorme discrepância entre a magnitude do Campori e os demais eventos a serem desenvolvidos no ano seguinte [isso quando o Campo faz algum evento oficial], sem contar o cansaço da direção do Clube que ralou o ano inteiro para conseguir levar o Clube.

Os efeitos dessa ressaca são uma debandada quase geral na direção e falta de estímulo dos desbravadores. E não pense que isso ocorre só com os Clubes que foram ao Campori. Em menor escala, os Clubes que não tiveram a mesma oportunidade também sofrem com isso.

Caso a direção perca algum membro que quer “tirar férias do Clube”, já há prejuízo para os desbravadores; se perder muitos membros, o enfraquecimento é praticamente inevitável.

Outro fator que mina o ânimo tanto dos desbravadores quanto da direção é a falta de eventos oficiais significativos durante o ano. A maior parte dos Campos não realizará nenhuma atividade para os desbravadores este ano.

O que fazer frente a essa situação?

Primeiramente, direção de joelhos no chão todos os dias, pedindo para Deus forças, ânimo e sabedoria para trabalhar com os desbravadores este ano. Uma sugestão é realizar alguns jejuns até o início das atividades, para uma consagração maior a Deus. O pr. Udolcy jejuou vários dias pelo Campori, vamos copiar a receita!

Com a devida consagração, o Clube deve se fortalecer nos seus principais pilares, no programa do Clube – classes, especialidades, cantinho da unidade, ordem unida, classe bíblica. O foco deve ser o aprimoramento da qualidade. O objetivo maior é maquinar como fazer com que o programa do Clube seja mais atrativo e realmente ensine conhecimentos/habilidades úteis/importantes para o desbravador. Reúna sua equipe, faça seu planejamento estratégico e veja quais ações serão adotadas para se alcançar os resultados desejados.

Conseguir novos desbravadores também é uma excelente opção, afinal, para eles tudo é novidade e o fato de não ter participado do Campori, ouvindo apenas as histórias, os fará ter ainda mais ânimo em ser do Clube para poder participar do próximo!

Por fim, seu Clube deve oferecer ótimos eventos aos desbravadores. Precisa de, pelo menos, dois ótimos acampamentos, bem planejados, equilibrados entre áreas física, mental e espiritual, com um ótimo programa em um local agradável. Os preparativos devem ser feitos com muita antecedência, para não ser apenas mais um. Além disso, caminhadas, trilhas, passeios em parques/zoológico, excursões são boas opções para se costurar o planejamento de 2014 de forma a fechá-lo com êxito!

Tem alguma sugestão que você já testou no seu Clube e funcionou? Deixe aqui seu comentário!

1- Éveni1- Alberto

Correndo contra o tempo

correndo-contra-o-tempo

Tik tak, tik tak, tik tak, tik tak, tik tak, tik tak, tik “frum”… NOSSA LÁ SE FOI O “TAK”, nem consegui perceber e ele já passou. Esta velocidade vertiginosa que vivemos acaba nos deixando desorientados. Quando eu acordo pela manhã é segunda-feira, quando chego em casa novamente percebo que já estamos na sexta. O dia, no lugar de 24hs, parece que tem apenas 12hs; a semana de 7 dias parece que se resumiu a 3; quando você olha para o calendário é janeiro e quando olhamos novamente já é natal!

Com o passar dos anos, tenho a estranha sensação que o tempo anda cada vez mais rápido. Sabemos que nada mudou em relação à quantidade de horas do dia, ou de dias da semana, o que realmente mudou foi nosso jeito frenético de viver a vida, nos envolvemos com tantas coisas. Somos bombardeados por uma série de informações a todo tempo, que não damos conta de fazer tudo que queremos dentro dos prazos que temos. Nunca a palavra planejamento fez tanto sentido na minha vida como nos últimos dias.

Nós que trabalhamos dentro do Clube de Desbravadores sabemos o quando a falta de tempo nos prejudica em conseguir o êxito nas atividades que desejamos cumprir. O final do ano está chegando e geralmente neste momento os Clubes começam a correr para tentar fazer o desbravador terminar o cartão, conseguir aplicar mais alguma especialidade, realizar mais um último projeto antes que o ano termine.

Justamente por estamos na reta final de nossas atividades do ano é que precisamos focar no que é realmente importante e traçar uma estratégia final para alcançar os objetivos. Se você, assim como eu, também está correndo para conseguir preparar tudo para o próximo campori da DSA, este tempo parece que anda ainda mais escasso.

Vamos então tentar promover algumas dicas que podem te ajudar nesta reta final:

  • Sobre as classes, reúna seus instrutores e os oriente a fazerem uma análise do cartão de cada desbravador. Veja o que é preciso ser feito para eles concluírem os requisitos. Cobrem do desbravador os relatórios que não tenham concluído e as leituras que ele ainda não fez. Após fazer o levantamento do que ainda precisa ser feito, veja aquilo que é comum para todas as classes e o que é particular de cada desbravador. Aborde os temas comuns com grupos maiores [classes mais próximas, de idades compatíveis] e os particulares individualmente [você precisará marcar com este desbravador outro momento para ajudá-lo].

Uma boa dica para os instrutores é fazer um “plantão do cartão”. Como funciona? Você pode pegar sua classe e organizar um final de semana da classe. Comece reunindo a classe no sábado à tarde e desenvolva as partes bíblicas do cartão que ainda estão pendentes. À noite, organize uma “noite do relato”, que pode sim ter alguns momentos de recreação, mas lembre à classe que este momento é focado em cumprir atividades do cartão. Se sua classe ainda precisa fazer um pernoite, tente organizar nesta noite especial (lembrando que para estas atividades é preciso ter autorização da diretoria do Clube). No domingo, após a reunião, também é um bom momento para você adiantar as pendências.

  • Se ainda existem projetos a serem realizados, como visita a asilos, orfanatos, projetos missionários, comunitários ou sociais, veja as datas disponíveis e tente, quem sabe, fazer dois projetos no mesmo dia, você pode, por exemplo, visitar um orfanato e ali já fazer a limpeza ou restauração de uma parede, sala… assim cumprirá dois projetos em uma mesma oportunidade.

Este é um momento de muito foco e planejamento (mas não perca muito tempo com o planejamento, esquecendo-se de agir!). Não tente agora fazer projetos grandiosos que você não conseguiu realizar ao longo do ano, veja o que é fundamental, necessário, desejável e dispensável. Coloque o que será preciso para fazer estas atividades, o prazo final de cada uma e o responsável. Abaixo apresento um modelo de uma planilha que pode lhe ajudar a organizar as tarefas.

Imagem1

Como puderam observar na tabela, aquelas atividades que são consideradas dispensáveis nós já eliminamos de nossa agenda porque o tempo não permite realizar. Não gaste tempo naquilo que te rouba o tempo do que realmente é importante. Note na tabela que o que for desejável, caso o tempo, recursos e oportunidades permitam, pode ser executado, desde que não comprometa o que é fundamental e necessário.

O tempo é implacável muitas vezes quando as questões são prazos, precisamos ter muita disciplina e determinação para não desistir agora nesta reta final. Mas não realize as atividades de qualquer forma apenas porque você está meio sem tempo, lembre-se que como Clube de Desbravadores lutamos sempre pela Excelência, então não seja negligente com as suas obrigações e responsabilidades.

Sucesso para nós e vamos avante porque o tempo é curto!

1- Paulo

Dia do Desbravador 2013 – ideias para o culto

Dia do Desbravador 2013 - Cópia

Clique na imagem para baixar o sermão e o banner.

Montar uma boa programação é muito mais do que preencher todo o tempo que está à sua disposição ou elaborar uma boa oratória. Claro que estes elementos citados têm sua importância dentro do planejamento, mas não são os pontos fundamentais.

Ao iniciar seu planejamento tente responder à pergunta “Qual o objetivo desta programação?”. Se você não sabe qual o seu objetivo, torna-se muito complicado elaborar algo que lhe atenda.

Abaixo montaremos um roteiro de como elaborar o seu programa de sábado pela manhã do Dia do Desbravador.

Partindo da pergunta que foi feita acima, vamos a algumas respostas sugestivas para você ir pensando no seu programa.

“Qual o objetivo desta programação?”

Possíveis respostas:

  1. Cumprir um requisito para o Campori;
  2. Preencher o espaço da programação de sábado, pois este é um sábado reservado para o Clube;
  3. Motivar os desbravadores;
  4. Realçar a importância do trabalho em equipe para o grupo;
  5. Mostrar à Igreja como anda o Clube de Desbravadores;
  6. Mostrar a importância de se ter um Clube de Desbravadores na região;
  7. Deixar uma mensagem de impacto para a Igreja e desbravadores que os coloque mais próximos de Cristo;
  8. Preparar líderes para a Igreja;
  9. Mostrar aos pais da Igreja a importância de apoiarem a participação de seus filhos no Clube de Desbravadores; etc.

Você pode elaborar algumas outras respostas baseadas na realidade da sua Igreja/comunidade.

Nas respostas que colocamos acima, as duas primeiras foram colocadas para demonstrar que muitos Clubes baseiam suas programações nestes dois pontos. Desculpem-me aqueles que o fazem baseados nestas questões, mas isso mostra um pouco do egoísmo e falta de compreensão da importância da programação do Dia do Desbravador. Fazer um programa apenas focado em Campori mostra nossa preocupação com o EU; EU farei uma programação para cumprir requisito que ME dará pontos para EU ganhar o padrão máximo no acampamento… Ou seja, toda a beleza do programa fica focada no EU. Preencher um espaço na programação nem se fala, você cansa o Clube, cansa a Igreja, para quê? Simplesmente para nada.

Entendendo agora que nenhum de vocês fará suas programações de forma “egoísta”, falemos de como montar uma programação baseando-se nas outras respostas.

Com o programa do Dia do Desbravador temos muitas oportunidades. Uma delas é poder motivar nosso desbravador. Ao fazer a divisão das atividades que serão feitas neste dia, evolva-o de forma a ele sentir que é útil para a realização do programa. Incentive-os a tomarem parte ativa no programa e, se possível, realize oficina de especialidades, conclua cartões que ficaram pendentes de anos anteriores, para que ele possa ser investido neste dia. Tenha um grupo à porta da Igreja para recepcionar os convidados para que eles possam se sentir bem-vindos a esta programação solene.

No momento em que você for envolvendo o desbravador, mostre para ele a importância da equipe. Leve-o a refletir: porque todos precisam ajudar? Qual o meu papel dentro deste grupo? Como meu trabalho ajuda meu amigo? O desbravador, ao entender que é parte de um grupo e que todos os elementos precisam fazer seu trabalho em harmonia para que o programa seja eficaz, terá em sua mente o registro da importância da equipe.

No programa de sábado pela manhã reserve um momento para falar das atividades do Clube. Mostre para a Igreja o que o Clube tem feito, como o Clube de Desbravadores tem feito diferença na região e porque os pais devem incentivar seus filhos a participarem. Neste momento, os desbravadores são as maiores testemunhas, quem sabe você pode selecionar alguns deles para fazer um testemunho de como o Clube está fazendo diferença em sua vida. Convide, se possível, um adulto bem sucedido da Igreja que conte a importância que o Clube teve na sua formação. Precisamos que a Igreja entenda a importância de apoiar nosso ministério.

Ao os desbravadores desenvolverem as atividades da Igreja no sábado, eles poderão tomar parte ativa dentro da congregação adiante, assim você estará ensinando ao juvenil/adolescente a se tornar um futuro líder da Igreja.

Não podemos deixar de falar da mensagem. Precisamos que a mensagem seja clara e impactante para que o Clube e a Igreja saiam impressionados pelo amor de Cristo e dispostos a servi-Lo fielmente cada dia mais.

Devemos deixar tudo previamente preparado. Devemos ser pontuais e não atrasar toda a programação por uma desorganização de nossa parte. Lembre-se que neste dia estaremos sendo observados. Nós, desbravadores, somos conhecidos por nossa incrível capacidade de fazer grandes eventos e sempre com muita organização e decência. Não prejudique a imagem de todo o ministério porque você não soube se preparar. Se estiver com problemas, peça ajuda. Claro que imprevistos acontecem e devemos estar prontos para lidar com eles, mas não faça de todo o seu programa um campo de improvisos ou testes.

Programa Sugestivo: Escola Sabatina

Quem deve fazer o quê?

1. Abertura / Boas-vindas – Algum membro da diretoria

2. Louvor da escola sabatina – Desbravadores e conselheiros (selecionar jovens que estejam preparados. Previamente, ensaie os hinos, caso for usar instrumento no lugar do playback, avisar com antecedência aos músicos e, se possível, fazer uma passagem geral com o grupo de louvor e músicos para ter uma boa integração na hora do louvor).

3. Oração Inicial da Escola Sabatina – Um desbravador

4. Informativo – Prepara algo diferente para este momento, quem sabe uma peça retratando a história ou vídeo onde os desbravadores foram os atores da história.

5. Mensagem musical – tente preparar um conjunto ou dueto com desbravadores, assim damos a oportunidade de mais pessoas participarem.

6. Introdução da lição – Conselheiro (fazer um breve relato do tema que será estudado e convidar a Igreja para se dividir em classes. Não se esqueça de avisar que nas classes os professores têm de separar um momento para pedidos, agradecimentos e oração).

7. Estudo da lição – Se o seu Clube tiver membros da direção suficientes para assumir a direção da lição em cada classe será fantástico, caso não tenha, pelo menos tente colocar um conselheiro/direção em cada classe para participar da lição. Caso for trabalhar com o Clube passando a lição em cada classe, não se esqueça de combinar tudo antes com o diretor da escola sabatina.

8. Encerramento da Escola Sabatina – Membro da diretoria

Programa Sugestivo: Culto Divino

1. Anúncios – Responsável pelo departamento de comunicação ou Pastor da Igreja.

2. Doxologia (louvor antes do culto) – grupo de desbravadores, segue o mesmo principio da escola sabatina.

3. Entrada da plataforma (se houver) – Selecione membros da direção e desbravadores para compor a plataforma.

4. Entrada do Clube – Comesse com as bandeiras, diretoria, conselheiros/instrutores e desbravadores. Reserve as primeiras fileiras de assento para o Clube.

5. Ideais e Hino dos Desbravadores – Neste momento convide a Igreja para participar dos ideais do Clube (selecione desbravadores para dirigir este momento, os desbravadores devem ter bastante segurança dos ideais para não errarem). Prepare slides para a Igreja acompanhar. Em seguida, cante o hino dos desbravadores.

6. Oração de invocação – O pregador da manhã faz uma oração pedindo a benção de Deus sobre a Igreja para este culto.

7. Adoração infantil – Prepare uma boa ilustração para este momento (estamos tentando trabalhar outro post que passe dicas de uma adoração infantil).

8. Música de abertura – Cante uma música que tenha a ver com o sermão “Os covardes apenas enviam a roupa”.

9. Oração intercessora (joelhos) – Membro da plataforma

10. Ofertório – Tesoureiro do Clube. (Combine com o chefe dos diáconos e treine desbravadores para fazerem o recolhimento dos dízimos e ofertas).

11. Mensagem musical – Prepare um grupo ou dueto.

12. Sermão – O diretor ou capelão do Clube deve fazer uso destes momentos. Sugerimos que você utilize o sermão sugestivo oficial da DSA.

Neste momento já faremos uso do nosso cenário sugestivo que falamos no post anterior. No cabideiro que está ao centro pegando os dois ambientes, no lado que está cheio de roupas, deixe pendurado lá um uniforme de desbravador tamanho adulto.

Na introdução do sermão, o pregador deve dar as boas-vindas à Igreja e convidar alguns desbravadores para irem para um acampamento. Chame uns 5 desbravadores para irem à frente. Quando eles chegarem à frente, membros da Igreja que estarão assentados no meio da congregação, levantarão e farão as seguintes perguntas: “O que vocês farão no acampamento? Quem será o responsável por meu filho, caso adoeça? Como posso saber se meu filho não irá se afogar se o deixar aqui por dez dias? Quem irá vigiar os meninos para que não se percam na mata?”

Pregador: Calma, calma, esclareceremos tudo para vocês não se preocupem.

Pregador deve começar: Se estas perguntas ainda são feitas hoje pelos pais de nossos desbravadores quando propomos uma atividade, imaginem em 1926 quando nem existia Clube de Desbravadores!

Prossiga o sermão…

Ilustração Davi e Saul.

Quando o pregador estiver falando sobre a batalha do povo de Israel, deve chamar um desbravador à frente para ilustrar.

Pregador: imaginemos que terei uma reunião com os pais do Clube para resolver algumas coisas, mas eu estou com medo de ir, pois os pais dos desbravadores são muito bravos.

Então eu chamo “nome do desbravador” e digo: Fulano, você irá no meu lugar para a reunião de pais para me representar, te darei minhas roupas de gala para você estar bem apresentado na reunião.

(Pegue no cabide o uniforme de gala do adulto e vista na criança. É claro que o uniforme ficará enorme).

Pregador: Foi isso que Saul fez, colocou suas roupas em Davi e o mandou em seu lugar. Quem deveria estar à frente do exército? Saul era um covarde e apenas queria enviar suas roupas, enquanto ele ficava em casa.

Prossiga o sermão…

Davi se vestiu como de costume (1 Sm 17:40)

(O desbravador que está com o uniforme do adulto começa a tirar as peças de roupa e fica com seu próprio uniforme de gala).

Então o pregar dirá: Assim como o desbravador deve ser ele mesmo para se mostrar perante a sociedade ou àquela reunião de pais, “Davi não podia lutar….

“Davi não podia lutar usando a armadura de Saul; devia ser ele mesmo.” No século em que vivemos, o Senhor está buscando desbravadores que sejam eles mesmos. Uma dependência completa de Deus. “O propósito de Deus é que cada pessoa lute usando sua própria armadura. Na vida pública, vemos um homem que sabe se relacionar bem com as pessoas e copiamos-lhe os modos esperando assim obter êxito. Mas Deus necessita de homens que sejam eles mesmos, que aprendam das experiências de cada dia o que necessitam saber a fim de resolver os problemas do amanhã. Graças a Deus por aqueles que se atrevem a usar os meios por Ele providos.” (Comentário Bíblico Adventista, 2:539 – Tradução livre)

(Agradeça o desbravador e o mande sentar).

Conclua o sermão…

13. Musica Final – Escolha uma música que finalize bem o seu sermão.

14. Oração final – Pregador

15. Saída dos componentes da plataforma e desbravadores

Hoje trabalhamos apenas uma ideia para o seu Dia do Desbravador, durante a manhã. Use sua criatividade e tente adaptar seu programa para as diversas realidades que você possui. Espero que este post o ajude e que sua programação seja uma verdadeira benção.

Trabalharemos na próxima semana um post para o programa J.A. Aguardem!

Um grande abraço e nos vemos em breve!

1- Paulo

Planejamento Estratégico voltado para os Clubes de Desbravadores

planejamento-estrategico

Hoje temos outra novidade no nosso Cantinho. A partir de agora, temos um novo colaborador na nossa Equipe, o Dr. Jorjan Cruz! Como sua especialização em líder máster avançado foi em administração, ele nos ajudará principalmente com esses processos dentro do Clube. Clique AQUI para conhecer um pouco mais sobre ele e confira abaixo seu primeiro post!

Atualmente, o foco da atenção da Administração em alto nível volta-se para a formulação de estratégias de adaptação. Falando em Clubes de Desbravadores, essas estratégias significam a análise de medidas positivas que devemos tomar para enfrentar ameaças e aproveitar oportunidades para garantir seu progresso. Os Clubes devem ser vistos como agentes de mudança, com o objetivo de gerar uma criança protegida, um jovem orientado e um adulto bem resoluto, com respeito próprio. Salvos do pecado e guiados no Serviço.

Com toda essa gama de atrativos voltada para a geração adolescente atual e a crescente insegurança familiar em relação ao ambiente no qual os filhos estão inseridos, cabe aos Clubes de Desbravadores ocupar esse espaço na sociedade, fornecendo alternativas saudáveis, cristãs e promissoras para a atual geração juvenil e adolescente. Agora, na medida em que as necessidades sociais crescem, também aumenta a responsabilidade social e jurídica. Nesse sentido, a atual visão administrativa dos Clubes, que é baseada no voluntariado desapegado e cuidado quase familiar, necessita de reavaliação. Não é o caso de tratar da profissionalização da administração dos Clubes, mas apenas da criação de moldes definidos, facilmente aplicáveis e reprodutíveis para o gerenciamento dos nossos Clubes.

O Planejamento Estratégico (PE) pode ser compreendido como o conjunto de processos de gerenciamento que permitem aos administradores estabelecerem os rumos a serem tomados ou seguidos, originados na sede local (no caso, Igreja local) ou tendo como origem a sede central (como, por exemplo, a Divisão Sul-Americana). Representa os moldes para tomar decisões frente às condições dos ambientes interno e externo, mas não de forma estática. Ele deve ser entendido como uma ferramenta dinâmica de gestão que contém decisões antecipadas sobre as linhas de atuação para o cumprimento da missão dos Clubes, tanto nos níveis social como espiritual. Deve ser elaborado com uma visão de futuro, mas fortemente alicerçado sobre os valores institucionais, como Igreja e como cristãos.

Imagem5

Entre os principais valores listados na elaboração de um planejamento estratégico, os conhecidos (e que podemos usar em nossa programação) são:

MISSÃO: seu conceito teórico é o de ser a declaração do propósito do Clube. É o que individualiza e distingue o Clube e a razão de ser da instituição frente a outras do mesmo nível. Define o que somos hoje, nosso propósito e como atuamos no dia a dia.

VISÃO: é a ideia de um futuro desejado pela instituição. Transmite a essência do Clube frente aos seus propósitos e como desejamos ser reconhecidos em um futuro determinado.

VALORES INSTITUCIONAIS: são as ideias fundamentais em torno das quais se constrói uma instituição. São nossas crenças fundamentais e convicções dominantes.

PERSPECTIVAS: são compostas por temas estratégicos que representam assuntos inter-relacionados como, por exemplo, função social, finanças, pessoas, etc.

Dentro de uma macro-avaliação do conceito fundamental dos Clubes de Desbravadores, acredito que pouquíssimas instituições tenham trazido de berço, desde seu nascimento, esses marcos do planejamento estratégico tão bem desenhados. Uma simples leitura dos ideais do Desbravadorismo, sob a óptica dos processos gerenciais, nos leva a uma série de associações lógicas entre os valores do planejamento estratégico e os valores que seguimos como instituição.

Uma das correntes mais amplamente utilizadas para a disseminação dos conceitos de Planejamento Estratégico é a do Modelo de Estratégia Competitiva e Avaliação de Desempenho, também conhecido como modelo de Porter. É amplamente aplicado pela sua facilidade em trazer para a realidade conceitos necessários para a fundamentação teórica de cada unidade e sua posterior inserção em um modelo previamente desenhado por uma matriz ou sede administrativa.

Baseia-se nas seguintes questões:

  1. O que estamos fazendo no momento?
    1. Identificar a estratégia usada atualmente, seja implícita ou explícita: o que nós, como Clube, estamos fazendo para prendar a atenção de nossos jovens, adolescentes e juvenis? Como nosso programa (classes, especialidades, cantinho da unidade, classe bíblica, ordem) atrai aos membros? Nossa vocação espiritual está mantida?
    2. Identificar o que supomos estar fazendo (suposições implícitas): será que nosso programa ainda encontra eco nas necessidades atuais do nosso público alvo? Estamos aplicando o programa de maneira adequada?
  2. O que está acontecendo no ambiente?
    1. Análise do setor: em relação ao universo de todos os atrativos disponíveis para a faixa etária com que trabalhamos, como nos enquadramos? Com que outras estruturas ou instituições nosso público alvo divide a sua atenção?
    2. Análise da sociedade: em que contexto social nos enquadramos? Em qual estratificação social (a que classe social meu Clube pertence)? Devemos alterar perspectivas ou estratégias baseadas nas condições sociais do nosso grupo?
    3. Pontos fortes e pontos fracos: essa análise é de fundamental importância. Qual nossa vantagem, que nos diferencia frente às demais instituições? Em que aspecto não podemos competir com as demais? Essa análise pode ser a mais complicada, pois normalmente ela é parcial e tenta encobrir possíveis inconsistências e fragilidades, além de supervalorizar fontes de força limitada, que são muitas vezes insuficientes para alavancar estratégias que nos nortearão.
  3. O que deveríamos estar fazendo? Baseados nas respostas anteriores, começaríamos a desenvolver estratégias para a melhora de resultados, alternativas com estratégias voltadas para as faixas etárias que nos propormos a atingir (grupos etários de Desbravadores, de Conselheiros e de Adultos) e a identificação de possíveis vantagens competitivas que teremos ao serem executadas as estratégias desenhadas.

Imagem6 Imagem7

É possível a criação de um sistema de gestão de Clubes que oriente a organização de um painel de informações para que cada diretor consiga, a partir de um molde inicial originado da sede principal (DSA), personalizar seu Planejamento Estratégico de maneira individualizada e, o que é mais importante, sequencial. Um dos grandes problemas dos Clubes é que o gerenciamento muitas vezes ocorre seguindo as características do diretor da gestão atual. Isso torna-se um problema quando, por qualquer motivo, é necessária uma substituição do ocupante do cargo no meio das atividades. Muitas vezes, o gerenciamento que não segue um planejamento definido e sequencial fragiliza a estrutura administrativa de um Campo todo.

A macro-visão administrativa do departamental ou do regional poderá antever uma série de dificuldades locais baseada num molde de informações padrão provenientes da sede e que cuja sequência poderá ser seguida por qualquer diretoria que assuma. As reavaliações, uma vez que o Planejamento Estratégico é uma ferramenta dinâmica, também poderão seguir um padrão de orientação às diretorias. Um modelo informatizado de ampla distribuição, para o acompanhamento dos processos gerenciais, seria o agente capaz de modificar a organização das diretorias, equalizando os trabalhos e orientando uma sequencia de atividades e execução dos planejamentos, a despeito de quem ocupasse os cargos. Muitas Uniões já estão aplicando em seus campos modelos de secretaria informatizada, o que representa um embrião dessa ideia.

Ofertar aos Clubes ferramentas que possibilitem estratégias de planejamento e facilidades de execução dos mesmos é a grande arma organizacional para uniformizar as forças de trabalho e fortalecer vínculos entre os Clubes espalhados ao longo do território da nossa Divisão.

1- Jorjan

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...