Arquivos

Aplicativos para desbravadores

flyingapps-phone

Cada dia mais a tecnologia está sendo inserida no dia-a-dia; smartphones e tablets estão a cada dia mais presentes na vida das crianças e adolescentes. E competir contra eles na maioria das vezes é um desafio para os instrutores de classes e especialidades no clube de desbravadores. Nessas horas, devemos buscar tornar verdadeira a máxima “se não pode vencê-los, junte-se a eles” (ou qualquer outra versão que você conheça). Procurar, sempre que possível, usar o avanço da tecnologia a favor do processo de ensino e aprendizagem, incluindo os smartphones e tablets no ensino das classes e das especialidades.

Existem algumas limitações/desafios que precisam ser superados. No contexto do ensino no clube de desbravadores, estes são alguns que podemos relacionar:

Real x virtual

O contato real não deixa de ser importante e não deve ser substituído. O virtual deve ser utilizado para somar no ensino da especialidade ou classe. Os requisitos práticos não devem ser abandonados, devem proporcionar um contato o mais próximo com a realidade quanto for possível.

Distração

A utilização dos recursos deve ser bem planejada e conduzida, pois a distração certamente virá. Caso não haja um preparo adequado, o foco da instrução pode sumir, a instrução pode ficar massante, e o smartphone ou tablet trará mais prejuízo que benefício. O instrutor precisa saber utilizar o recurso ao seu favor, torná-lo um atrativo para a instrução.

Excesso de facilidade

A tecnologia pode facilitar demais as atividades para os desbravadores. Por exemplo, a utilização de aplicativos que fornecem respostas rápidas podem prestar um desserviço, prejudicando o aprendizado de determinado assunto com a profundidade necessária (como acontece com os sites de especialidades respondidas). É necessário equilibrar bem essa balança.

Avaliação

O instrutor precisará desenvolver uma avaliação adequada à forma de ensino que adotou nas instruções. Por esse motivo é importante a avaliação comece a ser pensada já no momento da elaboração da instrução. A simples utilização de aplicativos não implica em maior aprendizado, é preciso ter critério na utilização destes recursos.

App desbravadores

Aplicativos para desbravadores

Pensando em ajudar os clubes nesse desafio, criamos uma nova seção no blog: Aplicativos. Nela vamos sugerir aplicativos que facilitem o ensino de requisitos de classes e especialidades, que tornem a instrução mais atrativa ou sirvam para fixação do conteúdo ensinado na instrução. E nesse desafio, contamos com a colaboração de vocês, nos contando o que acharem dos aplicativos que sugerirmos e também nos sugerindo aplicativos para testarmos e recomendarmos no Cantinho.

1- Mateus

Procura-se pessoa criativa

ecos_-_cartaz_21x30cm_-_concurso

Quando falamos de criatividade, a maioria das pessoas admitem que não possuem esse talento. Isso se dá ao fato de as pessoas acharem que a criatividade está relacionada apenas com as artes, seja musical, plástica ou teatral. Hoje o nosso objetivo é mostrar que você é criativo! Pode ser que você ainda não tenha tido a oportunidade de desenvolver esse talento.

Mas o que é a criatividade?? O dicionário Aurélio apresenta 3 definições sobre essa palavra, mas aqui só vamos abordar as duas primeiras: 1 “capacidade de criar, de inventar”; 2 “qualidade de quem tem ideias originais, de quem é criativo”.

Na psicologia existem muitas definições sobre criatividade, mas o psicólogo Vernon apresenta uma definição mais abrangente sobre esse assunto:

“A criatividade é a capacidade da pessoa de produzir ideias, descobertas, reestruturações, invenções, objetos artísticos novos e originais, que são aceitas pelos especialistas como elementos valiosos no domínio das ciências, da tecnologia e da arte. Tanto a originalidade como a utilidade como o valor são propriedades do produto criativo, embora estas propriedades possam variar com o passar do tempo” (Vernon, 1989).

A criatividade serve para resolver problemas e para que isso ocorra precisamos de algo que chamamos de inovação. Será que as pessoas estão se tornando menos criativas com o passar dos anos? Afinal, não vemos mais grandes invenções no mundo… Não é que a criatividade tenha acabado, a questão é que faltam pessoas visionárias, a criatividade sem foco tende ao esquecimento.

Hoje as empresas estão utilizando o design thinking para ajudar no desenvolvimento da criatividade de seus funcionários. E por que não fazemos o mesmo no Clube de Desbravadores? Como foi apresentado no post Use sua criatividade em favor do Clube de Desbravadores, devemos buscar algo novo para ensinar classes, especialidades e todo o programa do Clube.

A falta de incentivos ou a falta de recursos não deve ser algo que desmotive quem quer inovar. Por que o desbravador não pode ser inovador? Com o passar dos anos as classes e especialidades sofreram algumas alterações, mas a forma de passar ainda é a mesma. Se quisermos podemos inovar, mas para que isso ocorra precisamos deixar de lado as velhas desculpas “isso já foi tentado antes”, “essa sua ideia é muito louca para ser levada a sério”, “não preciso fazer isso pois não é o meu trabalho, os pastores que pensem em algo novo”… Enquanto a liderança do Clube estiver com esses pensamento, vamos continuar com um problema que eu tenho certeza que prevalece na maioria dos Clubes: o instrutor prepara a instrução, os desbravadores não fazem o relatório (apesar de assistirem a algumas instruções) e no final do ano não investem.

No início deste post nós falamos que você era criativo e agora vamos passar 3 exercícios para provar isso.

1º pegue uma folha branca e desenhe um círculo no centro dela. Faça pelo menos 5 desenhos a partir do círculo, pode ser qualquer coisa!! Libere sua mente!

2º pegue um lápis, papel e uma caixa de cotonetes e veja o que você consegue fazer.

3º o problema de vela (Karl Dunker). Você recebeu um kit igual mostra a figura abaixo e nele tem 1 vela, 1 caixa com tachinhas e 1 caixa de fósforo e o seu desafio é pregar a vela acessa na parede. Obs.: tentem fazer o exercício sem procurar a resposta no Google!

1

Mas eu não sei desenhar!! Isso não é problema por que não estamos em um concurso, só queremos que você desperte o seu lado criativo. Faça esses exercícios com o seu Cube e envie os resultados para a gente! Queremos muito ver o que vocês desenvolveram.

O mundo evoluiu bastante, está cada dia mais difícil ter a atenção do desbravador na hora das instruções. Para vencer esse desfio precisamos nos tornar mais criativos e inovadores. Para que possamos criar algo novo e criativo precisamos conhecer bem o público que queremos atingir. Pensando nisso, a equipe do Cantinho elaborou uma planilha para que os seus desbravadores possam passar para a gente qual a opinião deles sobre os requisitos dos cartões (queremos a opinião sincera deles! Deixe que o desbravador fale, principalmente se for uma crítica. Gostaríamos de saber como ele gostaria que fosse passado o requisito, o que ele mudaria no requisito, etc.). Então clique AQUI baixe o formulário que preparamos e depois nos envie por email.

No próximo post vamos continuar falando sobre a dificuldade de atrair a atenção das novas gerações e vamos passar mais dicas pra ajudar no desenvolvimento da criatividade.

“O maior perigo em tempos turbulentos não é a turbulência em si, mas agir com a lógica do passado”. Peter Drucker

1- Andressa

A Criação, a Terra é testemunha

maxresdefault

A criação do mundo é uma crença fundamental base para várias outras verdades bíblicas. Dela dependem a verdade do sábado, do casamento, da natureza do homem, etc. Acreditar na criação literal em 6 dias, com descanso no 7º, é um marco dos adventistas em relação aos outros cristãos. Por esse motivo, esse assunto precisa ser muito bem trabalhado com as crianças dos nossos Clubes.

Como já vimos aqui no nosso Cantinho, no post Dário da criação, para a classe de Companheiro, recursos audiovisuais são excelentes meios para assimilarmos melhor uma mensagem. Naquele post, apresentamos um vídeo do capítulo 1 de Gênesis, com a narração de Cid Moreira.

Algum tempo atrás encontrei outro vídeo muito bom, produzido pela Associação Geral da Igreja Adventista do Sétimo Dia. É um vídeo mais longo que o do post anterior e mais cheio de detalhes, mas pela sua excelente produção e pela ótima escolha de imagens e trilha sonora, você nem vê o tempo passando! Uma coisa que pode ser uma desvantagem é que a narração do vídeo é em inglês, apesar de ter legenda em português, mas como é um texto bem conhecido, e não são muitas falas, é de fácil compreensão para todos. Outra coisa que achei bastante interessante foi a abordagem em relação à narração: o narrador é uma pessoa interpretando Moisés, o autor do relato da Criação, contando a história pra uma criança.

Os céus declaram a glória de Deus; o firmamento proclama a obra das suas mãos.
Um dia fala disso a outro dia; uma noite o revela a outra noite.
Sem discurso nem palavras, não se ouve a sua voz.
Mas a sua voz ressoa por toda a terra, e as suas palavras, até os confins do mundo.
Salmos 19:1-4

1- Mateus

Nicodemos, para a classe de Excursionista [PI]

nicodemos-e-jesus

O encontro secreto de Nicodemos com Jesus é, sem dúvida, uma história de onde tiramos lições espirituais importantíssimas para a nossa vida cristã! João 3:16, talvez o verso mais conhecido da Bíblia, foram palavras do Mestre ao fariseu interessado.

Um adolescente de 14 anos está passando por muitas mudanças em sua vida. Este é o momento em que ele está completamente sensível à espiritualidade, assim, precisamos aproveitar essa oportunidade. Ao mesmo tempo que está sensível à religião, também se preocupa por, talvez, nunca ter tido uma conversão muito marcante, como muitas histórias que ouvimos. Porém, a história de Nicodemos nos ensina que o processo de conversão é gradual e contínuo e Jesus usa algumas analogias para ensinar isso ao fariseu e a todos nós.

Abaixo segue uma sugestão de plano de instrução para o ensino deste requisito. Para aprender mais sobre a importância do plano de instrução no ensino das classes, clique AQUI.

Caso você tenha sugestões de atividades para nos ajudar, deixe seu comentário ou entre em contato conosco. Abaixo segue o plano de instrução. Caso prefira, clique AQUI para baixar.

3. Recapitular a história de Nicodemos e relacioná-la com o ciclo de vida da lagarta ou borboleta, acrescentando um significado espiritual.

  1. Objetivos
    1. Conhecer a história de Nicodemos;
    2. Conhecer o ciclo de vida da lagarta;
    3. Entender o processo natural da conversão, correlacionando a história de Nicodemos com o ciclo de vida da lagarta.
  2. Materiais
    1. Bíblia.
    2. Vídeos do Youtube.
    3. Equipamento para passar os vídeos (computador, caixa de som).
    4. Materiais para o trabalho: cartolinas, cola, tesouras, canetinhas, lápis, revistas para recortar, pincéis atômicos, computador, folhas em branco, tinta guache, pincéis, giz de cera, etc.
  3. Vídeo interessante
    1. Jesus fala a Nicodemos nascer de novo – vídeo de abordagem inicial ao requisito.
    2. Ciclo de vida de uma monarca (está em inglês, mas dá para entender bem o ciclo de vida apenas observando as imagens, que estão em excelente qualidade).
  4. Trabalhos
    1. Ilustrar o ciclo de vida da Borboleta através de cartaz, exposição, apresentação de slides, vídeo ou qualquer outra forma criativa.
  5. Metodologia
    1. 1º Encontro (50 minutos)
      1. Atividade introdutória: assistir ao vídeo Jesus fala a Nicodemos nascer de novo.
      2. Discutir a história com os desbravadores e enfatizar os pontos principais do encontro: nascer de novo; movimento do vento e trabalho do Espírito Santo; carne versus espírito; vida, morte e ressurreição de Cristo.
      3. Assistir ao vídeo Ciclo de vida de uma monarca.
      4. Discutir com os desbravadores como o ciclo de vida da borboleta se relaciona à história de Nicodemos e como elas se relacionam com a vida de um cristão.
      5. Se possível, levar os desbravadores a um borboletário ou a algum lugar onde possam visualizar o ciclo da borboleta in natura.
      6. Explicar aos desbravadores o trabalho 1 e pedirem para se preparar para fazê-lo no próximo encontro.
    2. 2º Encontro (50 minutos)
      1. Atividade introdutória: realizar uma atividade diagnóstica sobre o conhecimento prévio dos desbravadores sobre o tema.
      2. Deixar tempo para que os desbravadores preparem o trabalho. Leve o máximo de recursos necessários para isso: cartolinas, cola, tesouras, canetinhas, lápis, revistas para recortar, pincéis atômicos, computador, folhas em branco, tinta guache, pincéis, giz de cera, etc.
  6. Avaliação
    1. Pedir para os desbravadores fazerem um relatório das atividades realizadas.
    2. Apresentação do trabalho.

1- Alberto

Fazendo o cartão sem os desbravadores perceberem

criatividade_630Este ano temos vários desbravadores novos em nosso clube e por causa deles (e pelos desbravadores veteranos também) estamos repensando o modo de ensinar as classes, principalmente as atividades espirituais.

Um requisito particularmente chatinho de ensinar é aquele em que se pede que o desbravador leia e explique alguns versos bíblicos. Não sei qual é a sua realidade, mas onde nós já trabalhamos invariavelmente lidávamos com crianças com pouca familiaridade com a Bíblia e muito tímidas. Ou seja, faze-los refletir sobre versos bíblicos, por incrível que pareça, não é atividade das mais fáceis.

Conscientes desses fatos resolvemos tentar uma nova abordagem para esse requisito. E a resposta foi maravilhosa. Fizemos em nosso clube um concurso de talentos e o tema que cada desbravador trabalhou foi um dos versos do cartão dele. O resultado foram cartazes e desenhos interessantes sobre os mais diversos textos bíblicos. Quer aplicar essa ideia no seu clube? Então veja como fazer.

  • Não fale que esta é uma atividade para cumprir requisito de cartão.
  • Imprima os versos bíblicos de cada classe em um tamanho razoável (fonte 26 está bom).
  • Divida o clube em suas respectivas classes e distribua os versos para o instrutor.
  • Explique para as crianças que elas deverão usar a criatividade e a imaginação para representar o texto bíblico dela. Pode ser uma música, uma encenação, um desenho, uma colagem, um poema, ou seja, qualquer coisa que eles conseguirem imaginar.
  • Tenha à disposição cartolina, tinta guache, pincéis, cola, tesoura, revistas para recortar e etc.
  • Dê um tempo razoável para a atividade, no mínimo 40 minutos e não mais que 1 hora.
  • O instrutor deve ajudar o desbravador a interpretar o verso, mas deve evitar intervir na representação criativa dele.
  • Quando as classes tiverem terminado o desbravador deve apresentar para o clube o que significa sua arte.
  • Você pode organizar uma exposição na igreja com as melhores representações dos versos.

Se fôssemos ensinar esse requisito da maneira tradicional, quanto tempo vocês acham que seria possível manter o desbravador concentrado no verso? Dez minutos? Tenho certeza que não passa disso. Todavia com esse método ele vai ficar pelo menos 40 minutos trabalhando sobre o conceito de um verso e no final ainda vai prestar atenção na explicação dos outros. Se você fizer uma exposição na igreja estará também incentivando a excelência no desempenhar das atividades e divulgando o clube para a igreja.

Viu quanta coisa em um só requisito? E isso sem o desbravador saber que está fazendo o cartão! Você também tem algum método diferente para ensinar as classes? Compartilhe conosco. Certamente será um grande auxilio para outros clubes.

1- Éveni

Como montar sua barraca

Para que algo assim não aconteça com você ou seus desbravadores é preciso aprender a montar a barraca antes que você precise, ou seja, vocês precisam praticar antes de ir para um acampamento ou pernoite. Quando se aprende na hora como montar uma barraca, alguns pontos importantes podem passar desapercebidos e gerar desconfortos e prejuízos durante o acampamento, como passar frio, ter suas coisas molhadas com a chuva, etc.

Além de não passar necessidade durante o acampamento, outros motivos pelo qual os desbravadores devem saber como montar, desmontar, limpar e guardar uma barraca é a conservação do equipamento. Não adianta comprar a melhor barraca disponível no mercado, se eu não cuidar dela adequadamente.

Esses são alguns dos motivos pelos quais a classe de Amigo pede para o desbravador “Aprender e montar três tipos de barracas em locais apropriados” e, antes de ser reformulada, pedia para  “Armar, desarmar, limpar e guardar uma barraca …”. Não só os desbravadores de Amigo devem ter essa instrução, mas todas as pessoas que entrarem no Clube.

Outra coisa importante é que cada tipo de barraca (iglu, canadense, tubular, etc) possui uma montagem diferente, e mesmo modelos diferentes possuem peculiaridades na montagem. Então, quando o Clube adquire uma barraca com montagem diferente da barraca que tinha antes, todos devem aprender a montar o novo modelo.

Assista abaixo vídeos sobre montagem de três tipos de barracas: um modelo de barraca iglu, um de barraca canadense e um de barraca tubular.

Há um verso na bíblia que nos fala de dois pontos importantes na montagem de barracas, de qualquer tipo e modelo.
Alargue o lugar de sua tenda, estenda bem as cortinas de sua tenda, não o impeça; estique suas cordas, firme suas estacas.” Isaías 54:2
 Aqui estão algumas dicas sobre como montar a barraca:
  • Firme suas estacas. Fixe corretamente os espeques do quarto da barraca (a parte de dentro), deixando-o o mais esticado possível e firme no solo. O mesmo deve ser feito com o sobre-teto da barraca (camada de tecido que vai por cima do quarto da barraca).
    • Os espeques devem ser fixados em um ângulo de 45º, com a ponta na direção da barraca.
    • Em solos mais fofos, coloque pedras sobre os espeques, para evitar que o vento faça o sobre-teto arrancá-los do chão.
    • Em terrenos mais duros utilize um martelinho, pedra ou pedaço de madeira (nada muito pesado) para fixar o espeque. Não pise no espeque, pois pode entortá-lo, já que nem sempre a pessoa pisa seguindo a inclinação do espeque.
  • Estique suas cordas. A maioria das barracas possui cordas de fixação, os tirantes. Eles servem para reforçar a fixação da barraca e são responsáveis por manter o sobre-teto ficar bem esticado e não encostar no quarto, evitando assim que a umidade passe para o quarto .
  • Forre sua barraca. Existem prós e contras sobre colocar uma lona sob a barraca, então essa decisão vai depender da qualidade da sua barraca, do tipo de acampamento, do terreno e do clima do local para onde vai. Caso opte por colocar a lona, nunca deixe sobras, use uma lona pouco menor que a barraca ou dobre-a. Abaixo algumas vantagens e desvantagens:
    • Vantagens
      1. Facilita a limpeza em caso de muita chuva/lama (é mais fácil limpar uma lona do que o piso da barraca).
      2. Diminui ou elimina a entrada de água pelo piso em barracas de pior qualidade (em barracas melhores não há necessidade nesse sentido).
      3. Minimiza o frio que emana do solo.
      4. Aumenta a vida útil do piso da barraca, protegendo-a de pedras, galhos e outras coisas que possam danificá-la.
    • Desvantagens
      1. Acumula água entre a lona e a barraca, podendo fazer com que a água entre na barraca, caso a lona seja mal colocada.
      2. Aumenta o peso a ser carregado (dependendo do tipo de acampamento pode fazer muita diferença).

Tão importante como saber como montar sua barraca é saber onde montá-la. Não adianta ter uma excelente barraca, saber como montá-la, mas escolher o local errado ou esquecer alguns detalhes. Aqui estão algumas dicas sobre

  • Observe a inclinação do terreno. Procure montar a barraca em locais planos e que não sejam rota de escoamento de água de áreas inclinadas. Não montar o acampamento em depressões no terreno, barrancos ou ribanceiras, pois além de serem rota de escoamento de água da chuva, existe a possibilidade de deslizamento.
  • Observe a vegetação. Evite montar a barraca embaixo de árvores, para evitar os galhos (ou frutos, dependendo das árvores) que podem cair, causando danos à barraca e machucando os acampantes. Caso seja necessário fazer isso, inspecione muito bem a(s) árvore(s) à procura de galhos e/ou frutos.
  • Observe as trilhas. Se montar a barraca em áreas de passagem de pessoas, provavelmente as pessoas vão esbarrar na barraca ou tropeçar nos tirantes dela, podendo causar prejuízos à barraca.
  • Observe o terreno. Limpe o terreno, retirando galhos e pedras. Assim você melhora o conforto e previne o surgimento de furos no chão da barraca.
  • Não cave valas ao redor da barraca. Esta prática degrada o solo e ainda acumula água perto da barraca.
Se o seu acampamento for em época chuvosa, outros pontos também devem ser bem observados. No post montando sua barraca em um dia chuvoso nós falamos um pouco mais sobre eles.

Veja também as postagens que fizemos para conhecer os tipos de barracas, ver dicas de como escolher sua barraca e aprender alguns cuidados básicos de conservação.

Preparando um quadro de nós, para a classe de Companheiro de excursionismo

quadro-de-nos-de-marinheiro_MLB-F-4622594091_072013

Na classe de Companheiro de Excursionismo temos um requisito que pede para “Preparar um quadro com 15 nós diferentes”. É um requisito que tem por objetivo que os desbravadores fixem os nós que já foram aprendidos e criem um gosto pelos nós, buscando aprender outros, tanto por sua utilidade quanto pela estética.

Nosso objetivo com este post é sugerir uma forma didática de organizar seu quadro de nós. Por que o quadro deve ser montado de uma maneira didática? Bem, não é uma obrigação, mas se levarmos em consideração a idade dos desbravadores que estarão fazendo esse requisito, o quadro de nós tem mais importância na memorização dos nós, sua utilização e como fonte de consulta, do que simplesmente uma decoração de desbravador.

Então o primeiro passo deve ser a escolha dos nós que vão ser colocados no quadro. Pela função que falamos acima, a sugestão é dar preferência aos nós de Amigo e Companheiro, além de outros nós que seja úteis para um desbravador dessa idade, em lugar de escolher nós cuja função seja apenas ornamentação. Principalmente caso a escolha seja um quadro com apenas os 15 nós que o requisito da classe pede.

Feita a lista, o segundo passo é classificar esses nós conforme a sua função ou família. A ideia é organizar os nós no quadro de acordo com a sua utilidade. Aqui estão as principais famílias de nós e quais nós das classes de Amigo e Companheiro fazem parte de cada família:

  1. nós de extremidade de cabos
    1. nó simples
    2. nó oito
  2. nós para emendas de cabos
    1. nó direito
    2. nó cego
    3. nó de escota
    4. nó de pescador
    5. nó ordinário
    6. nó de cirurgião
    7. nó duplo ou nó de fita ou nó d’água
  3. nós para fixação de cabos
    1. nó de fateixa
    2. nó volta do fiel
    3. nó volta da ribeira
    4. nó volta do salteador
    5. nó de gancho
  4. nós para encurtar e reforçar cabos
    1. nó catau
  5. nós para formação de alças
    1. nó lais de guia
    2. nó lais de guia duplo
  6. nós de tração
    1. nó de caminhoneiro
  7. nós bloqueadores
    1. nó volta esticada
    2. nó volta paradora

Agora é só escolher que material você vai utilizar para fazer seu quadro de nós e mãos à obra.

1- Mateus

Daniel, para a classe de Amigo [PI]

dan_food

A história de Daniel e seus três amigos é um fascínio e inspiração para todos os cristãos! Quanta dedicação, alegria, amor abnegado a Deus e disposição para o trabalho, mesmo nas piores situações! Afinal, quem de nós, estando preso em um cativeiro, iria cuidar de limpar a cela e cantar hinos?

Um fato interessante é que não encontramos nenhum registro de erro na vida desses personagens (o que não quer dizer que não houveram), porém, isso aumenta ainda mais nossa admiração por eles.

Um dos fatos mais marcantes é a determinação desses 4 jovens (provavelmente no final da adolescência) em se manterem firmes nos propósitos de Deus com respeito à alimentação saudável. Esse fato os tornou os jovens mais sábios de toda a Babilônia e, com isto, Daniel se tornou o conselheiro mor de Nabudoconosor.

Essa impressionante história é tema da classe de Amigo!

Para que o aprendizado dos desbravadores seja efetivo, é necessário um bom preparo da instrução e 3 reuniões reservadas para o seu ensino, através das atividades sugeridas abaixo.

Caso você tenha sugestões de atividades para nos ajudar, deixe seu comentário ou entre em contato conosco. Abaixo segue o plano de instrução. Caso prefira, clique AQUI para baixar.

  1. Objetivos
    1. Conhecer a história de Daniel, Hananias, Misael e Azarias.
    2. Saber o que Daniel e seus amigos defenderam e porquê.
    3. Comprometer-se com um estilo de vida saudável.
  2. Materiais
    1. Bíblia.
    2. Canetas.
    3. Lápis de cor.
    4. Canetinhas.
    5. Revistas velhas.
    6. Gravuras.
    7. Computador com internet.
    8. Tesouras sem ponta.
    9. Cola.
    10. Régua.
    11. Cartolina.
    12. Folhas de papel.
    13. Internet (site ToonDoo).
    14. Vídeo do YouTube.
    15. Equipamentos para passar o vídeo (computador, caixa de som).
  3. Trabalhos
    1. Memorizar e explicar Daniel 1:8
    2. Escrever um compromisso pessoal de seguir um estilo de vida saudável.
    3. Preparar um quadro deixando de um lado os alimentos puros e de outro, os imundos.
    4. Contar a história de Daniel e seus amigos em quadrinhos (clique AQUI  veja uma dica).
  4. Metodologia
    1. 1º encontro (50 minutos)
      1. Passar o vídeo Profeta Daniel (até 06:03).
      2. Ler com os desbravadores o capítulo 1 de Daniel e pedir que analisem o texto e correlacionem com o vídeo que acabaram de assistir. Mediar a discussão, conduzindo para os hábitos alimentares de Daniel e seus amigos.
      3. Ler Levítico 11, explicando as características dos animais puros e imundos para os desbravadores.
      4. Dividir a classe em 2 ou mais grupos e pedir para que os desbravadores façam o trabalho 3. Será necessário utilizar cartolina e as figuras dos animais já devem estar recortadas.
      5. Pedir aos desbravadores para fazerem o trabalho 4.
    2. 2º encontro (50 minutos)
      1. Atividade introdutória: realizar uma atividade diagnóstica sobre o conhecimento prévio dos desbravadores sobre o tema, por meio de algumas perguntas ao grupo. Anotar as respostas em um quadro e comparar ao final da aula.
      2. Recolher os trabalhos e usá-los como base para a atividade seguinte.
      3. Com a participação dos desbravadores, fazer um roteiro da história de Daniel e seus amigos e ensaiar a peça com os desbravadores.
      4. Pedir aos desbravadores para fazerem o trabalho 1.
      5. Pedir aos desbravadores para fazerem o trabalho 2.
    3. 3º encontro (50 minutos)
      1. Atividade introdutória: realizar uma atividade diagnóstica sobre o conhecimento prévio dos desbravadores sobre o tema, por meio de algumas perguntas ao grupo. Anotar as respostas em um quadro e comparar ao final da aula.
      2. Recolher o trabalho 3 e dirigir uma discussão sobre a necessidade de uma alimentação saudável, para avaliar o que cada desbravador assimilou do tema.
      3. Solicitar aos desbravadores que expliquem Daniel 1:8.
      4. Fazer a encenação da história de Daniel na abertura da reunião.
  5. Avaliação
    1. Verificar a execução dos trabalhos.
    2. Avaliar a participação do desbravador nas atividades desenvolvidas.
    3. Pedir aos desbravadores para fazerem os relatórios no caderno de atividades.

1- Andressa1- Alberto

Alimentação saudável, para a classe de Amigo [PI]

 Food

Os adventistas do sétimo dia são [deveriam ser] conhecidos por sua postura firme em relação aos hábitos de saúde. Nossa mensagem é clara e Deus não faz dela algo de pequeno valor. Nosso “corpo é santuário do Espírito Santo, que habita em nós, que nos foi dado por Deus e nós não somos de nós mesmos. Fomos comprados por alto preço. Portanto, glorifiquemos a Deus com o nosso corpo”. (1 Coríntios 6:19-20, adaptado).

O apetite é um dos principais veículos de satanás para desviar o povo de Deus dos Seus caminhos. Por isso mesmo, deve ser um dos pontos que mais dediquemos luta e oração para vencer às tentações.

Quanto mais velho nos tornamos, mais difícil de se modificar os hábitos alimentares. Por esse motivo, esse assunto é tratado na primeira classe do Clube de Desbravadores: Amigo!

Para que o aprendizado dos desbravadores seja efetivo, é necessário um bom preparo da instrução e 2 reuniões reservadas para o seu ensino, através das atividades sugeridas abaixo.

Caso você tenha sugestões de atividades para nos ajudar, deixe seu comentário ou entre em contato conosco. Abaixo segue o plano de instrução. Caso prefira, clique AQUI para baixar.

  1. Objetivos
    1. Conhecer os grupos de alimentos.
    2. Conhecer e entender a pirâmide alimentar.
    3. Saber porque é necessário ter uma alimentação balanceada.
  2. Materiais
    1. Alimentos.
    2. Cartolina.
    3. Catálogos/encartes de mercados.
    4. Canetas.
    5. Tesoura sem ponta.
    6. Cola.
    7. Rótulos de alimentos.
    8. Pano para vendar os olhos.
    9. Pratos descartáveis.
    10. Fitas adesivas ou pincéis atômicos nas cores verde, amarelo e vermelho.
    11. Manual para escolas.
  3. Trabalhos
    1. Fazer uma pesquisa sobre os principais grupos de alimentos: carboidratos, gorduras, proteínas e vitaminas/minerais. Dizer os principais alimentos de cada um dos grupos.
    2. Trazer rótulos de diversos alimentos que tenha em casa.
  4. Metodologia
    1. 1º encontro (50 minutos)
      1. Apresentar aos desbravadores os grupos alimentares. Trazer vários alimentos de cada um dos grupos.
      2. Fazer uma pequena explicação sobre o que são, porque são divididos dessa maneira e como eles se encaixam na pirâmide alimentar.
      3. Montar um jogo da memória, sendo que em uma das cartas, além da figura do alimento, deve constar também a qual grupo pertence. Quanto mais cartas e alimentos explorados melhor. Jogue com os garotos e garotas.
      4. Realizar a atividade Sabores: A prova consiste em vendar os olhos da criança e colocar algum alimento em sua boca para que ela tente identificá-lo através do sabor e da textura. As crianças são chamadas uma por vez e a prova é repetida quatro vezes com alimentos diferentes. Exemplos de alimentos que podem ser utilizados na prova: banana, maçã, pão, alface, tomate, mamão, kiwi, cenoura, repolho, pepino, tangerina, arroz, farinha, açúcar, macarrão.
      5. Realizar a atividade Montagem do prato: Cada criança recebe um prato [de preferência descartável]. O instrutor deve trazer figuras de diversos alimentos (pode utilizar os encartes de supermercados para isso). A seguir, pede-se que cada uma monte, com estas figuras, no menor tempo possível, um prato com alimentos saudáveis e balanceados segundo os princípios da pirâmide alimentar. Exemplos de figuras que podem ser utilizadas: grãos em geral (arroz, feijão, lentilha, soja, grão de bico), vegetais (alface, tomate, cenoura, chuchu, pepino, rúcula, batata, mandioca, brócolis, etc.), proteínas (ovo, carnes, leite e derivados, soja e derivados, etc.), óleos, gorduras e doces.
      6. Pedir aos desbravadores para fazerem o trabalho A.
      7. Pedir aos desbravadores para fazerem o trabalho B.
    1. 2º encontro (50 minutos)
      1. Atividade introdutória: realizar uma atividade diagnóstica sobre o conhecimento prévio dos desbravadores sobre o tema, por meio de algumas perguntas ao grupo. Anotar as respostas em um quadro e comparar ao final da aula.
      2. Realizar a atividade Montando a pirâmide: Fixa-se uma pirâmide vazia, feita de cartolina, em uma parede e ao lado, dispõem-se figuras de alimentos para colagem. As crianças terão alguns minutos para montar a pirâmide. Quanto mais alimentos tiver, melhor.
      3. Realizar a atividade Carrinho de compras: O carrinho deve ser previamente montado em três divisões: a primeira com fita verde a parte mais larga do carrinho, com fita amarela a parte intermediária e com vermelho a parte de baixo do carrinho. As crianças serão responsáveis por trazerem rótulos de alimentos. Em seguida, cola-se o carrinho saudável no quadro/parede, explicando-se para eles dizerem qual tipo de alimento ficaria na parte verde do carrinho, na parte amarela e na parte vermelha. Para isso, é fundamental que se explique que a parte verde representa os alimentos que deveriam ser ingeridos em maior quantidade, a parte amarela, os alimentos ingeridos com moderação e a parte vermelha, os alimentos que deveriam ser ingeridos com cuidado. Isto é, os alimentos do grupo dos pães, massas, cereais e tubérculos e o grupo das verduras e frutas deveriam ficar na parte verde do carrinho; ao passo que o carnes, ovos, leites e derivados na parte amarela do carrinho e, por último, o grupo dos açúcares e gorduras na parte vermelha do carrinho. A ideia é que a criança associe o cotidiano de fazer compras com os princípios da pirâmide alimentar, descritos anteriormente.
  5. Avaliação
    1. Verificar a execução do trabalho dos grupos alimentares
    2. Avaliar a participação do desbravador nas atividades desenvolvidas, ao montar a pirâmide alimentar e o carrinho de compras.
    3. Solicitar que faca uma cópia da pirâmide alimentar no caderno de atividades.

 1- Alberto

Como desenhar uma rosa dos ventos , para a classe de Companheiro

Na classe de Companheiro, na seção de Arte de Acampar, requisito 1, devemos “Descobrir os pontos cardeais sem a ajuda de uma bússola e desenhar uma Rosa dos Ventos”.

A Rosa dos Ventos é uma figura que mostra a orientação das direções cardeais num mapa ou carta náutica. Contém quatro pontos cardeais principais (Norte, Sul, Leste e Oeste) e quatro pontos colaterais (Nordeste, Sudeste, Noroeste e Sudoeste), mas também pode conter oito pontos subcolaterais (Norte-nordeste, Leste-nordeste, Leste-sudeste, Sul-sudeste, Sul-sudoeste, Oeste-sudoeste, Oeste-noroeste e Norte-noroeste).

Agora vamos à nossa Rosa dos Ventos em 12 passos!

  1. Em uma folha de papel grosso, desenhe uma cruz no centro.
    Faça duas marcas equidistantes do topo do papel, com um lápis, levemente desenhando uma linha horizontal da esquerda para a direita entre eles.
    Marque o ponto central do papel alguns centímetros acima e abaixo da linha horizontal, em seguida desenhe levemente uma linha vertical de cima para baixo. Deve estar assim:670px-Draw-a-Compass-Rose-Step-1
  2. Desenhe um grande círculo usando seu compasso. Para este exemplo, vamos usar um raio de 7,5 cm. Este círculo irá marcar as bordas externas da nossa Rosa dos Ventos assim que ela estiver concluída.670px-Draw-a-Compass-Rose-Step-2
  3. Usando um transferidor, marque o círculo externo a 45°, 135°, 225° e 315°, e com seu lápis, levemente desenhe linhas conectando as marcas de 45º a de 225º e a de 315º a de 135º.670px-Draw-a-Compass-Rose-Step-3
  4. Usando o transferidor novamente, faça marcas ao redor do círculo externo nos seguintes pontos:
    • 22,5°
    • 67,5°
    • 112,5°
    • 157,5°
    • 202,5°
    • 247,5°
    • 292,5°
    • 337,5º670px-Draw-a-Compass-Rose-Step-4
  5. Conecte os seguintes pontos:
    • 22,5° e 202,5°
    • 67,5° e 247,5°
    • 112,5° e 292,5°
    • 157,5° e 337,5°670px-Draw-a-Compass-Rose-Step-5
  6. Desenhe um segundo círculo com 5 cm de raio.670px-Draw-a-Compass-Rose-Step-6
  7. Ajuste o compasso para um raio de 2.5cm e levemente desenhe um terceiro círculo no meio.670px-Draw-a-Compass-Rose-Step-7
  8. Levemente desenhe as setas para os pontos cardeais principais. Comece no ponto 0° (N) no círculo externo e desenhe até a interseção da marca de 45º e o círculo mais interno.
    • Faça o mesmo da marca 0º até a interseção da marca 315º do círculo mais interno.
    • Repita este processo no ponto 90º (L), desenhando linhas para cruzar o círculo mais ao centro e os pontos 45º e 135º; no ponto 180º (S), desenhe linhas para cruzar o círculo mais ao centro e os pontos 135º e 225º; e do ponto 270º (O), desenhe linhas para cruzar o círculo mais ao centro e os pontos 225º e 315º. Sua Rosa dos Ventos deve estar assim:670px-Draw-a-Compass-Rose-Step-8
  9. Levemente desenhe os pontos colaterais. Comece no ponto 45º (NE) no círculo externo e desenhe até a interseção da marca de 22.5º e o lado direito do ponto cardeal N.
    • Faça o mesmo da marca de 45º até a interseção com a marca de 67.5° e a lateral do ponto cardeal L.
    • Repita este processo no ponto 135º (SE), desenhando linhas para cruzar a parte inferior do ponto cardeal L e a direita do ponto cardeal S; no ponto 225º (SO), desenhe linhas para cruzarem o lado esquerdo do ponto cardeal S e a parte inferior do ponto cardeal O; e do ponto 315º (NO), desenhe linhas para cruzarem a parte superior do ponto cardeal O e o lado esquerdo do ponto cardeal N. Sua Rosa dos Ventos deve estar assim:670px-Draw-a-Compass-Rose-Step-9
  10. Adicione os pontos finais. Começando com o ponto NNE. Comece na interseção do círculo externo e a marca de 22.5º e desenhe uma linha do círculo externo até a interseção do círculo do meio e o lado direito do ponto cardeal N. Faça o mesmo da marca de 22.5º até a interseção do círculo do meio e a parte superior do ponto cardeal NE.
    • Repita o processo no ponto 67.5º (ENE), desenhando linhas para cruzar o círculo do meio e a parte inferior do ponto cardeal NE e a parte superior do ponto cardinal E.
    • Do ponto 112.5° point (ESE) para a parte inferior do ponto cardeal E e a parte superior do ponto cardeal SE.
    • Do ponto 157.5° point (SSE) para a parte inferior do ponto cardeal SE e o lado direito do ponto cardeal S.
    • Do ponto 202.5° point (SSO) para o lado esquerdo do ponto cardeal S e a parte inferior do ponto cardeal SO.
    • Do ponto 247.5° point (OSO) para a parte superior do ponto cardeal SO e a parte inferior do ponto cardeal O.
    • Do ponto 292.5° point (ONO) para a parte de cima do ponto cardeal O e a parte inferior do ponto cardeal NO.
    • E do ponto 337.5° (NNO) para o topo do ponto cardeal NO e o lado esquerdo do ponto cardeal N. Sua Rosa dos Ventos deve estar mais ou menos assim:670px-Draw-a-Compass-Rose-Step-10
  11. Adicione os nomes do pontos.670px-Draw-a-Compass-Rose-Step-11
  12. Adicione a cor para dar o acabamento e boa navegação!670px-Draw-a-Compass-Rose-Step-12

Para aprender como encontrar os pontos cardeais sem o auxílio de uma bússola, clique aqui.

Fontes:

http://www.cdcc.sc.usp.br/cda/dispositivos/pdf/painel-rosa-dos-ventos-790x790mm.pdf

http://pt.wikihow.com/Desenhar-uma-Rosa-dos-Ventos

1- Mateus

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...