Ansiedade e adolescência

Todos sabemos, ouvimos ou observamos que nos últimos tempos o número de pessoas com diagnóstico de ansiedade tem aumentado enormemente.  Há inclusive quem diga que o estresse e a ansiedade são os fenômenos psicológicos mais conhecidos e comentados nos nossos dias.

Dentro do contexto clínico, a ansiedade vem acompanhada de vários sintomas físicos. Alguns deles (os mais comuns) são:

  • Insônia
  • Aceleração dos batimentos cardíacos
  • Micção frequente
  • Perda do apetite ou aumento exacerbado
  • Respiração entrecortada
  • Tontura
  • Tremores

O adolescente com ansiedade experimenta diariamente alguns desses sintomas. Vive num estado constante de tensão, apreensão e inquietação. É comum observar que essas pessoas são mais sensíveis nos relacionamentos interpessoais além, de muitas vezes, se sentirem socialmente desconfortáveis. É corriqueiro observar a dificuldade que os portadores de ansiedade apresentam para se concentrar e para tomar decisões por medo de errar. Em consultório os relatos sobre tensão muscular, insônia, mãos frias e etc. são frequentes.

É claro que para ser realizado o diagnostico é necessário procurar um profissional (psiquiatra), contudo, vamos ver hoje algumas das principais causas do conflito:

  • Autossugestão negativa: se trata da avaliação que o adolescente faz de um acontecimento. Muitas vezes essa avalição negativa é fonte de estresse. Por exemplo: tira uma nota ruim na escola. Daí ele interpreta não como um resultado negativo, o que pensa é: sou um estupido, não sirvo pra nada!!! (a ansiedade vem dele começar a acreditar nisso).
  • Insegurança: a ansiedade se deveria ao fato de o jovem ver-se mergulhado em dúvidas sobre si mesmo.
  • Incoerência: o adolescente com pouca estabilidade na vida provavelmente sofrerá de ansiedade.
  • Crítica formalista: doses constantes de críticas por parte de colegas ou adultos pode provocar ansiedade.
  • Permissividade: a falta de limites claramente definidos pode gerar insegurança e essa levar à ansiedade.
  • Perfeccionismo: a expectativa de perfeição por parte dos adultos costuma gerar ansiedade em grande parte dos adolescentes.
  • Neurologia: a ansiedade por ser causada por problemas neuroquímicos. (O psiquiatra recomendará um remédio que ajude o organismo a produzir ou a suprir a produção de hormônios essenciais ao bom funcionamento).
  • Distúrbios físicos: o uso de drogas, bebidas alcoólicas, hipertireoidismo, diabetes entre outros pode causar o estresse.
  • Falta de significado: vazio existencial.

Como pais, educadores e líderes podemos ajudar esses adolescentes a superar essas dificuldades:

  • Ajudar esse jovem a encarar sua ansiedade não como falta de força psicológica, força espiritual ou determinação, e sim como algo capaz de solução.
  • Evitar tapinhas nas costas: dizer que é normal!!! que vai passar, é coisa da idade!!!. Nada disso vai ajudar. O ideal é buscar ajuda profissional, com um psicólogo, e se ele encaminhar ao psiquiatra é importante que o tratamento seja feito com muita responsabilidade.
  • Reconhecer as vantagens da ansiedade: o primeiro passo para se livrar do problema é parar de ter medo de sentir a ansiedade e reconhecer que ela pode até ser produtiva. Por exemplo: o aluno ansioso pode se ver impulsionado a estudar muito com o intuito de ser aprovado. A ansiedade também pode ser um alerta que indica que o individuo violou algum aspecto do seu código moral.
  • Reconhecer a ansiedade como um agente de crescimento: é comum que cada fase do desenvolvimento venha marcada por alguma ansiedade. Um adolescente, por exemplo, que sai de casa para ir estudar fora, num internato ou em outra cidade, vai se sentir ansioso durante um tempo, mas essa ansiedade poderá fazer com que ele cresça emocionalmente. Se o tempo para recuperar dessa angústia excede o tempo considerado normal, é necessária, muitas vezes, a ajuda do terapeuta.

O trabalho que o terapeuta fará com os pacientes ansiosos dependerá da orientação e da formação que ele tenha, contudo, geralmente são trabalhados os seguintes aspectos:

  1. Determina-se a gravidade da do caso;
  2. Poderá solicitar exames físicos, a fim de descartar distúrbios orgânicos;
  3. Neutralizar algumas ansiedades: técnicas utilizadas em consultório, como relaxamento, etc., treinamento em autossugestão positiva (hoje eu não tirei uma boa nota, mas na próxima vou conseguir!!!);
  4. Ensinar a fazer relaxamento muscular profundo;
  5. Ver a necessidade de encaminhá-lo a um psiquiatra a fim de unir o benefício da medicação com os objetivos terapêuticos.

Alguns versículos bíblicos são muito bons para serem lidos por esses jovens. Aqui deixo alguns:

Lança o teu cuidado sobre o SENHOR, e ele te susterá; não permitirá jamais que o justo seja abalado. Salmos 55:22

A ansiedade no coração deixa o homem abatido, mas uma boa palavra o alegra. Provérbios 12:25

Não vos inquieteis, pois, pelo dia amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal. Mateus 6:34

Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim. João 14:1

Não estejais inquietos por coisa alguma; antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus pela oração e súplica, com ação de graças. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos sentimentos em Cristo Jesus. Filipenses 4:6-7

Lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós. 1 Pedro 5:7

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *